As salamandras são venenosas?

Existem muitos mitos sobre os anfíbios em geral e as salamandras sofreram o impacto do folclore de muitas regiões rurais. Eles são venenosos?
As salamandras são venenosas?

Última atualização: 14 Outubro, 2021

As salamandras são anfíbios bonitos e curiosos, mas ganharam uma reputação má pouco merecida na cultura de várias regiões rurais. Durante a Idade Média, acreditava-se que esse animal vivia no fogo e que era um prenúncio de más práticas, pois os alquimistas o usavam para fins duvidosos. Nessa época, também se afirmou que as salamandras eram venenosas.

Isidoro de Sevilha, um estudioso eclesiástico católico hispânico do período visigótico, defendia durante sua vida (por volta de 600 d.C.) que as salamandras resistiam ao fogo e que eram capazes de contaminar um poço ou árvore inteira com seu veneno. Essa crença tem algo de verdade? Vamos descobrir juntos aqui.

O que são as salamandras?

Antes de mergulharmos na capacidade venenosa das salamandras (ou na ausência dela), é necessário conhecê-las um pouco mais. Em primeiro lugar, é preciso destacar que são anfíbios do clado Caudata. Eles diferem das rãs e dos sapos pela presença de uma cauda na idade adulta, mas têm muitas outras características próprias.

Todas as salamandras têm um corpo cilíndrico, uma cabeça achatada, olhos salientes e uma boca muito grande em comparação com o resto da cabeça. Elas também possuem 4 membros locomotores e, além disso, o número de dedos é diferente dependendo da seção do animal: as patas dianteiras têm 4 dedos, enquanto as patas traseiras contam com 5.

As salamandras têm tamanhos muito diferentes. Uma das menores espécies é Thorius arboreus (com no máximo 2 centímetros), enquanto a maior registrada até agora é Andrias davidianus, com uma envergadura média de 1,2 metros.

Além de sua descrição física, deve-se notar que todas as salamandras pertencem ao clado Caudata, mas que nem todos os caudados são salamandras. Nas linhas a seguir, vamos nos concentrar apenas na família Salamandridae, especificamente na salamandra-de-fogo (Salamandra salamandra).

Como um sapo e uma salamandra são diferentes?

Por que a salamandra-de-fogo?

A salamandra-de-fogo (Salamandra salamandra) é a espécie mais estigmatizada culturalmente, uma vez que foi a espécie que tinha contato com as populações espanholas nos tempos da Igreja Católica. Como havia a crença de que esses anfíbios eram resistentes ao fogo, eles eram considerados um símbolo do mal e da condenação.

Devido à crença de que as salamandras eram venenosas e de sua suposta capacidade ignífuga, essa espécie foi historicamente associada a rituais muito afastadas da religião. Até mesmo seu nome comum em inglês (fire salamander) é derivado de crenças mitológicas anteriores.

As salamandras não são imunes ao fogo. Além do mais, elas precisam de umidade constante para respirar pela pele.

As salamandras são venenosas?

Algumas crenças sobre a salamandra não são fundamentadas, mas sua capacidade venenosa tem muita verdade. Surpreendentemente, as salamandras-de-fogo são capazes de secretar um composto chamado salamandrina, que tem um efeito neurotóxico. Essa substância é semelhante às bufotoxinas produzidas por várias espécies de sapos.

Sua capacidade tóxica está nas glândulas parotoides, estruturas em forma de rim localizadas atrás dos olhos. Em momentos de perigo, a salamandra consegue sintetizar a substância alcalina leitosa que contém a referida toxina, o que faz com que os predadores a deixem em paz imediatamente.

Conforme indicado pelo portal profissional Iberian Vertebrates, perante uma ameaça, a salamandra adota posturas peculiares relacionadas com a sua capacidade tóxica. Se um mamífero ou ave hostil se aproximar, ela estica as patas e abaixa a cabeça, mostrando as glândulas. Em casos esporádicos, pode liberar o veneno a até 2 metros de distância.

Apesar de seus métodos de defesa, as salamandras são caçadas por ouriços, texugos, javalis, ratos e algumas espécies de cobras. Além disso, deve-se destacar que a toxina não é poderosa o suficiente para matar um ser humano, muito menos para contaminar toda uma fonte de água ou o ambiente ao redor.

Não me toque!

Você já se perguntou por que as salamandras têm cores tão bonitas? A resposta é simples agora que você sabe que elas são venenosas: seus tons chamativos são um verdadeiro sinal de perigo, pois avisam aos predadores que elas podem causar muitos danos passivamente.

Esse fenômeno biológico é conhecido como aposematismo. Outros animais (como vespas, sapos dendrobatos e polvos de anéis azuis) também o apresentam, mas a premissa é sempre a mesma: “As minhas cores são berrantes: fique longe, pois sou perigoso.”

Uma salamandra em um tronco.

O que fazer se você encontrar uma salamandra?

As salamandras são venenosas até certo ponto, mas isso não significa que devam ser atacadas. Elas nunca produzirão toxinas se não se sentirem ameaçadas e, em qualquer caso, não representam um perigo real para os humanos. Se você as apreciar de longe e não incomodá-las, a convivência é mais do que segura.

Caso você tenha que manusear um desses anfíbios por qualquer motivo, coloque luvas e manuseie-o com cuidado. Você também pode pegá-lo com as mãos desprotegidas, mas lave-as bem em seguida e não toque sua boca ou seus olhos (pode causar muita coceira). Se não forem perturbados excessivamente, esses belos caudados são tudo menos perigosos.

Pode interessar a você...
6 espécies de salamandras da Península Ibérica
Meus Animais
Leia em Meus Animais
6 espécies de salamandras da Península Ibérica

A variedade de ecossistemas faz com que a região seja perfeita para diversos animais. Descubra 6 espécies de salamandras da Península Ibérica.