7 mitos sobre os sapos

Os sapos são objeto de mitos e lendas que prejudicam suas populações. Conheça junto com a gente algumas das ideias equivocadas que são disseminadas sobre esses anfíbios.
7 mitos sobre os sapos

Última atualização: 22 agosto, 2021

Os anfíbios são os vertebrados que mais sofrem com as ações resultantes das mudanças climáticas. Conforme indica a Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), 41% das espécies desse grupo estão em perigo, seja por causa da poluição das águas, da introdução de espécies exóticas ou de doenças transmissíveis. Por sua vez, os mitos que foram criados sobre os sapos não ajudam a preservá-los.

Em muitas regiões, existem muitos mitos e lendas sobre determinados animais que se espalham geração após geração. Às vezes, eles ajudam a proteger uma espécie (especialmente se estiverem associados a eventos religiosos positivos), enquanto outras vezes podem levar à perseguição de um ser vivo completamente inocente. Hoje, desvendar 7 mitos prejudiciais sobre os sapos com base em evidências científicas.

1. Sapos e rãs se diferenciam por suas verrugas

Normalmente, dizem que os sapos e as rãs diferem uns dos outros externamente. As rãs são mais magras que os sapos, têm menos aspereza na pele e estão mais vinculadas aos ambientes aquáticos. Por outro lado, os sapos têm corpo rechonchudo, verrugas por toda a pele e são mais terrestres.

Esse preconceito não tem nenhuma base filogenética. Por exemplo, a chamada “rã” Bombina orientalis passa a maior parte do tempo na água, mas seu corpo é áspero, achatado e seus membros muito curtos. O sapo-arlequim (gênero Atelopus) tem a pele completamente lisa e é muito esbelto, mas não pode ser classificado geneticamente como uma “rã”.

Os únicos anfíbios que podem ser estritamente chamados de “sapos” são aqueles pertencentes à família Bufonidae. Esse táxon inclui 35 gêneros que são geneticamente relacionados. Todas as espécies desse grupo são consideradas sapos verdadeiros, independentemente de sua aparência externa ou da aspereza de sua pele.

Um sapo do gênero Bufo.

2. Mitos sobre os sapos: ao tocá-los, crescerão verrugas em seus dedos

Como muitos representantes do gênero Bufo têm pele áspera, presume-se que tocá-los causará a erupção de verrugas em um ser humano. Isso não é baseado em nenhuma evidência científica, porque na verdade as formações de verrugas que aparecem espontaneamente no corpo vêm de uma fonte completamente diferente.

Como indica a Organização Mundial da Saúde (OMS), as verrugas são, na verdade, uma formação resultante da infecção por papilomavírus (HPV). Existem mais de 100 tipos de HPVs que afetam o ser humano: alguns entram pela pele e causam verrugas, outros causam lesões genitais e alguns deles (mais precisamente 14) promovem o aparecimento de cânceres, principalmente do colo do útero.

3. Os sapos cospem veneno

Os sapos não cospem veneno. Eles não possuem glândulas que secretam compostos tóxicos diretamente pela boca e não possuem mecanismos para ejetar líquidos. Em geral, são bastante desajeitados e, quando caçam, se lançam sobre o inseto e o apanham com sua língua pegajosa. Eles carecem de estratégias de defesa complexas.

4. Se perturbados, os sapos incham até explodir

Muitas espécies de sapos, quando se veem em uma posição de perigo, erguem-se na ponta dos dedos e aumentam consideravelmente de volume. Para fazer isso, eles inspiram em excesso e enchem seus sacos vocais (e pulmões) até que seu predador desapareça. Esse é um mecanismo de defesa muito básico, mas pode dissuadir um mamífero faminto em um momento-chave.

A afirmação de eles poderiam explodir não faz nenhum sentido biológico, já que cada sapo zangado morreria várias vezes por semana se isso fosse verdade. Os comportamentos no reino animal surgem para preservar a linhagem de uma espécie, não para que os espécimes morram antes do tempo sem que possam se reproduzir.

5. Os sapos não precisam de água para viver

Como já dissemos, às vezes é errado dizer que as rãs estão ligadas ao ambiente aquático, enquanto os sapos vivem em locais secos e terrosos. Nada está mais longe da verdade: todos os anfíbios requerem uma umidade muito alta, pois precisam manter a pele úmida. Grande parte de sua respiração ocorre através da epiderme, então o ressecamento pode colocá-los em perigo.

Em algumas espécies de anfíbios, até 100% das trocas gasosas ocorrem através da pele.

6. Pegar um sapo não é perigoso

Os sapos são completamente inofensivos, mas apenas se não forem incomodados. Todos os bufonídeos têm um par de glândulas parotoides atrás dos olhos, na região da cabeça e nos ombros. Se forem perturbados, irão secretar um líquido leitoso que é nocivo. Esse fluido contém bufotoxinas, uma série de compostos neurotóxicos usados para defesa.

Por esse motivo, não é recomendável manusear sapos sem luvas, muito menos levar as mãos à boca ou aos olhos após tocá-los. Esse composto secretado geralmente não é fatal, mas se ingerido em grandes quantidades, pode causar intoxicação em casos raros, com arritmias, tonturas e problemas digestivos.

7. Os sapos selvagens são bons animais de estimação

Mais do que um mito sobre sapos, esse ponto faz referência à irresponsabilidade de retirar espécimes silvestres de seu ambiente natural. Embora os anfíbios sejam cada vez mais populares no campo da terrariofilia, devem ser sempre obtidos em incubadoras oficiais e com a certeza de que não foram caçados em seu ambiente.

Retirar um sapo de um rio ou de uma estrada pode parecer inócuo, mas você deve ter em mente que a grande maioria das espécies de anfíbios está em perigo. Isso significa que seus números populacionais estão mais baixos do que o normal e que, infelizmente, a porcentagem de reprodutores está cada vez menor. Respeitar os espécimes selvagens é o mínimo que podemos fazer para preservá-los.

 

Um sapo na floresta.

Como você pode ver, os mitos e as lendas sobre os sapos são completamente injustificados. Esses animais são inofensivos, desde que você os respeite e evite manuseá-los excessivamente. Se você ouvir qualquer uma dessas afirmações falsas, agora sabe como refutá-las. É nosso dever informar a população para evitar perseguições desnecessárias.

Pode interessar a você...
Existem sapos peludos?
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Existem sapos peludos?

Os sapos peludos existem. Embora pareça absurdo, os pelos ajudam esse anfíbio a respirar melhor em algumas fases de sua vida. Saiba mais!



  • Cha, K., So, B. H., & Jeong, W. J. (2020). Bufotoxin poisoning that showed the sign of acute digitalis overdose in the patient of Kyushin® intoxication. Hong Kong Journal of Emergency Medicine, 27(3), 180-184.
  • Cao, Y., Wu, J., Pan, H., & Wang, L. (2019). Chemical profile and multicomponent quantitative analysis for the quality evaluation of toad venom from different origins. Molecules, 24(19), 3595.
  • Bókony, V., Üveges, B., Verebélyi, V., Ujhegyi, N., & Móricz, Á. M. (2019). Toads phenotypically adjust their chemical defences to anthropogenic habitat change. Scientific reports9(1), 1-8.
  • Pereyra, M. O., Blotto, B. L., Baldo, D., Chaparro, J. C., Ron, S. R., Elias-Costa, A. J., … & Faivovich, J. (2021). Evolution in the Genus Rhinella: A Total Evidence Phylogenetic Analysis of Neotropical True Toads (Anura: Bufonidae). Bulletin of the American Museum of Natural History, 447(1), 1-156.