Anfíbios mais ameaçados de extinção

A maioria das espécies de anfíbios classificadas como em risco de extinção são amplamente desconhecidas da população em geral. Isso dificulta a conservação.
Anfíbios mais ameaçados de extinção

Última atualização: 21 Julho, 2021

Os anfíbios são um grupo de animais de grande importância para a saúde dos ecossistemas. Por exemplo, espécies de rãs e sapos têm sido utilizadas para indicar a qualidade dos ambientes naturais, uma vez que são organismos muito sensíveis ao ambiente. Se alguma condição mudar, pode prejudicá-las gravemente, portanto, muitos anfíbios estão mais ameaçados de extinção.

Esses tipos de organismos possuem uma pele permeável que deve ser mantida úmida para respirar, o que significa que são suscetíveis à perda de corpos d’água em seus ambientes naturais. Essa é apenas uma das ameaças que os anfíbios enfrentam, além das mudanças climáticas, pandemias de fungos, caça para o mercado de animais exóticos e muito mais.

Por que os anfíbios estão mais ameaçados de extinção?

Até o século passado, os anfíbios enfrentavam os mesmos problemas que qualquer outro animal. Porém, com os avanços tecnológicos e os problemas de consumo humano, a situação desse grupo piorou muito. Na verdade, cerca de 40% dos anfíbios foram classificados como espécies com algum grau de risco pela União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN).

Como se isso não bastasse, de acordo com um estudo realizado pela Universidade da Costa Rica, entre 1980 e 2000 várias espécies desapareceram e outras tiveram suas populações reduzidas. No mesmo estudo, eles mencionam que 48% dos anfíbios experimentaram uma redução no tamanho de sua população nesse intervalo. Além disso, há relatos de extinção de algumas delas dentro de áreas protegidas.

Principais causas

As causas que levam ao declínio populacional dos anfíbios são as seguintes:

  • Modificação do habitat: inclui desmatamento, agricultura e planejamento urbano. Juntos, esses fatores fazem com que as espécies percam suas áreas de reprodução, alimento e abrigo, o que se traduz em um declínio populacional.
  • Introdução de espécies exóticas: a introdução de espécies não endêmicas no ecossistema faz com que os girinos ou filhotes desses organismos enfrentem novos predadores ou compitam com eles por alimento. Além disso, muitos animais não nativos são transmissores de novas doenças, que podem diminuir e erradicar populações inteiras.
  • Superexploração (comércio): captura e venda, às vezes ilegal, de diferentes anfíbios. Isso diminui a população da espécie e também incentiva a liberação de espécies exóticas em outros habitats.
  • Mudanças climáticas: diminuição das chuvas, aumento dos períodos de seca, variabilidade climática exacerbada, redução das nuvens, etc. Essas consequências afetam profundamente esses organismos devido à sua dependência das condições ambientais.
  • Contaminantes: uso de pesticidas, herbicidas, fungicidas, fertilizantes, etc. São compostos que provocam alterações na composição do solo e, portanto, afetam os corpos d’água. Também podem causar contaminação química da água e levar a deformidades, distúrbios reprodutivos ou morte em anfíbios.
  • Doenças emergentes: refere-se à chegada de novos patógenos, que causam doenças infecciosas e a subsequente morte de vários organismos. Um exemplo disso é a quitridiomicose, uma infecção fúngica que causou o desaparecimento de milhares de anfíbios em todo o mundo.

Agora que já conhecemos as causas gerais do declínio de anfíbios ameaçados, é hora de apresentar algumas espécies específicas. Não perca!

1. A rã Phyllobates terribilis

Uma linda rã dourada, considerada um dos animais mais tóxicos e venenosos do mundo. Vive nas selvas úmidas da costa da Colômbia, com temperaturas em torno de 26 graus Celsius. Essa espécie pode atingir mais de 47 milímetros de comprimento, o que a torna uma das maiores rãs tropicais venenosas.

Sua cor é um sinal aposemático, pois avisa seus inimigos sobre seu veneno. Na verdade, algumas tribos usavam essa toxina, esfregando seus dardos nas costas dos anfíbios para aproveitar seus efeitos nas presas que caçavam e nos predadores. Além disso, parte de seu nome “terribilis“, que significa “terrível”, refere-se ao efeito perigoso de suas toxinas.

 

Um dos anfíbios mais ameaçados.

2. Axolote (Ambystoma mexicanum)

O axolote recebe seu nome do náuatle axolotl, que significa “monstro da água”. É um organismo peculiar, pois apresenta neotenia em seu estado adulto. Isso significa que sua forma física, ao atingir a maturidade sexual, é quase idêntica à de um girino. São animais que não sofrem metamorfose e, portanto, nunca saem da água.

Os axolotes podem medir até 260 milímetros de comprimento e exibir uma cor escura, de marrom a preto ao longo de suas costas. Suas guelras são evidentes, pois se projetam das bordas da cabeça, quase como se fossem “tranças”.

Apesar de sua bela aparência, o axolote já foi apreciado como uma iguaria exótica e por suas supostas qualidades curativas, o que fez com que sua população diminuísse. Felizmente, suas qualidades regenerativas permitiram que ele se destacasse e novos esforços de conservação foram lançados.

Os axolotes são animais de estimação muito comuns no ambiente doméstico, principalmente em sua variante albina. É irônico que essa espécie esteja prestes a desaparecer em seu ambiente natural e existam milhares de exemplares em cativeiro.

 

Um dos anfíbios mais ameaçados

3. O sapo Atelopus laetissimus

Esse anfíbio é endêmico nas áreas montanhosas da Sierra Nevada de Santa María, na Colômbia. É uma espécie pequena, com cerca de 3,5 centímetros de comprimento, de coloração aposemática. Seu gênero é um dos mais afetados pela infecção por quitridiomicose, que deixou 97,92% de suas espécies a um estado de ameaçadas de extinção.

Essa espécie costuma ser encontrada na serapilheira ou nas rochas, priorizando áreas próximas a rios ou corpos d’água. São animais territoriais, então usam suas vocalizações para dar o aviso e afastar outros machos de seu terreno.

 

Um dos animais ameaçados de extinção do Equador.

4. A salamandra Pseudoeurycea maxima

Essa salamandra é a maior do seu gênero e sua distribuição abrange uma grande diversidade de habitats. Os espécimes podem ser encontrados desde florestas de coníferas até regiões tropicais ou de neblina. Essa espécie é endêmica de Oaxaca, no México, com avistamentos em toda a Sierra Madre del Sur. Foi descrita pela primeira vez na localidade de Putla de Guerrero.

5. Salamandra-gigante-da-china (Andrias davidianus)

Esse anfíbio marrom manchado é capaz de atingir 1,8 metros de comprimento. Vive em corpos d’água frios, onde se alimenta de peixes e outros anfíbios. Essa salamandra é noturna, razão pela qual baseia seu método de caça no olfato e no tato.

Salamandras gigantes dessa espécie podem ser encontradas no centro e no sul da China, onde são endêmicas. Atualmente, a indústria voltada para a produção desse animal para consumo humano vem crescendo. Isso porque sua carne é considerada um alimento de luxo nos mercados.

Enquanto o número de espécimes criados em fazendas para consumo aumenta, o número da população na natureza diminui.

 

6. O sapo Rhinoderma darwinii

Esse anfíbio é endêmico das florestas temperadas da Argentina e do Chile, onde se distribui em áreas com vegetação diversa. Seu tamanho pode chegar a 3,1 centímetros de comprimento e está relacionado à temperatura de seu habitat. Esse anfíbio tem uma cabeça triangular, cuja ponta termina em um apêndice redondo, semelhante ao nariz de um palhaço.

A coloração pode variar entre marrom-escuro a verde-oliva, com manchas pretas na região do estômago. Destaca-se entre os outros anuros por ser uma das poucas espécies que apresenta cuidado parental por parte do pai. Curiosamente, os girinos vivem no saco vocal do macho.

 

O sapo Rhinoderma darwinii

7. O sapo Scaphiophryne gottlebei

Esse anfíbio é um anuro da ilha de Madagascar. É uma espécie pequena e redonda com um padrão de cores branco, laranja, verde e preto. Seu corpo se adaptou para cavar, então suas patas traseiras são usadas para essa tarefa. Além disso, também tem hábitos de escalada, por isso seus membros dianteiros o ajudam a se agarrar em todos os tipos de superfícies.

Seus girinos apresentam uma forma bastante curiosa de alimentação, pois ficam escondidos na lama durante o dia, alimentando-se da matéria orgânica do fundo. Em contraste, à noite eles nadam até a superfície para comer partículas suspensas na água.

8. A rã Oophaga lehmanni

Esse sapo venenoso é uma espécie endêmica da Colômbia. Pode atingir 3,5 centímetros de comprimento e habitar regiões de floresta tropical úmida. A cabeça desse organismo é mais estreita do que todo o seu corpo. Por sua vez, a coloração pode variar fortemente, mas mantém os padrões de manchas escuras.

Como a espécie Rhinoderma darwinii, esse anfíbio se caracteriza por apresentar cuidado parental por parte do pai. Suas funções parentais incluem transportar os girinos nas costas e depositá-los nas bromélias, onde terminarão de se desenvolver.

 

Um dos anfíbios mais ameaçados.

Anfíbios em perigo crítico de extinção

Embora a lista acima seja longa, existem outras espécies de anfíbios que correm risco extremo. Muitas vezes isso se deve à falta de informação ou à busca infrutífera por esses animais, por isso não se sabe com certeza se eles estão extintos ou não. A lista a seguir contém as espécies de anfíbios criticamente ameaçadas de extinção:

  • O sapo Atelopus carbonerensis: possui menos de 50 exemplares vivos.
  • A salamandra Thorius aureus: era uma espécie comum, mas sua distribuição foi reduzida a um único local, Cerro Pelón (México).
  • A rã Plectrohyla teuchestes: sua população era escassa desde que começou a ser monitorada, mas agora estima-se que restem menos de 249 exemplares.
  • A salamandra Pseudoeurycea aquatica: 3 organismos foram coletados em 1978, mas as tentativas subsequentes de localizá-los não tiveram sucesso.
  • A salamandra Bolitoglossa capitana: era uma espécie rara de se encontrar e desde 2005-2006 sua presença não foi relatada novamente. Provavelmente já está extinta.

 

Um dos anfíbios mais ameaçados.

Como você pôde ver, a maioria das razões pelas quais esses anfíbios estão mais ameaçados de extinção são relacionadas aos seres humanos. Embora seja tarde para muitas espécies, ainda podemos recuperar um pouco do que foi perdido. É uma tarefa global tentar conservar as espécies ameaçadas, pois amanhã pode ser tarde demais.

Pode interessar a você...
A pílula anticoncepcional em anfíbios, um efeito devastador
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
A pílula anticoncepcional em anfíbios, um efeito devastador

O efeito devastador da pílula anticoncepcional em anfíbios é amplamente desconhecido Vamos explicar a que isso se deve e qual o impacto.



  • Giam, X. (2017). Global biodiversity loss from tropical deforestation. Proceedings of the National Academy of Sciences114(23), 5775-5777.
  • Nowacki, A. M., & Doan, T. M. (2012). Phyllobates terribilis. Catalogue of American Amphibians and Reptiles (CAAR).
  • GONZÁLEZ, F. A. O., HIDALGO, M. P., ANCIRA, M. R. B., VIVANCO, A. S., SUÁREZ, B. B. S., SÁNCHEZ, M. E. C. F. C., & BAUR, C. C. Título: SALVANDO AL AJOLOTE MEXICANO (Ambystoma mexicanum).
  • Jiménez, I. C., Negrete, J. O., & Salazar, C. G. S. (2020). Ambystoma mexicanum, un extraordinario modelo animal para estudiar la capacidad regenerativa. Revista Fesahancccal6(2), 13-19.
  • Granda-Rodríguez, H. D., Del Portillo-Mozo, A. D. O. L. F. O., & Renjifo, J. M. (2008). Uso de hábitat en Atelopus laetissimus (Anura: Bufonidae) en una localidad de la Sierra Nevada de Santa Marta, Colombia. Herpetotropicos4(2), 87-93.
  • Granda Rodríguez, H. D., Montes Correa, A. C., Jiménez Bolaño, J. D., Alaniz, A. J., Cattan Ayala, P., & Hernáez, P. (2020). Insights into the natural history of the endemic Harlequin Toad, Atelopus laetissimus Ruiz-Carranza, Ardila-Robayo, and Hernández-Camacho, 1994 (Anura: Bufonidae), in the Sierra Nevada de Santa Marta, Colombia.
  • Delia, J., Whitney, J., & Parra-Olea, G. (2008). Amphibia, Plethodontidae, Pseudoeurycea maxima: distribution extension. Check List4(1), 65-68.
  • Chen, S., Cunningham, A. A., Wei, G., Yang, J., Liang, Z., Wang, J., … & Turvey, S. T. (2018). Determining threatened species distributions in the face of limited data: Spatial conservation prioritization for the Chinese giant salamander (Andrias davidianus). Ecology and evolution8(6), 3098-3108.
  • FABRY-OTTE, Mauricio., & TIRADO-SEPÚLVEDA, Marcela (2012). Rol del Zoológico Nacional en la conservación de los anfibios de Chile: el ejemplo de Rhinoderma darwinii. ConservaCión de anfibios de Chile, 84-86.
  • Mercurio, V., & Andreone, F. (2006). The tadpoles of Scaphiophryne gottlebei (Microhylidae: Scaphiophryninae) and Mantella expectata (Mantellidae: Mantellinae) from Isalo Massif, south-central Madagascar. ALYTES-PARIS-23(3/4), 81.
  • Betancourth-Cundar, M., Palacios-Rodríguez, P., Mejía-Vargas, D., Paz, A., & Amézquita, A. (2020). Genetic differentiation and overexploitation history of the critically endangered Lehmann’s Poison Frog: Oophaga lehmanni. Conservation Genetics21(3), 453-465.
  • Alvarado, J. G. A. (2021). Anfibios en peligro: amenazas y estrategias efectivas de conservación. Biocenosis32(1), 83-93.
  • Bertonatti, C. (1994). Lista propuesta de anfibios y reptiles amenazados de extinción. Cuadernos de Herpetología8.
  • Vives, F. B. (2009). Situación de los anfibios de Costa Rica. Biocenosis22(1-2).