Salvando animais selvagens, antes e depois da reabilitação

A maioria das estratégias que existem para salvar e proteger animais selvagens feridos depende do uso de instalações adequadas e pessoal treinado.
Salvando animais selvagens, antes e depois da reabilitação
Cesar Paul Gonzalez Gonzalez

Revisado e aprovado por o biólogo Cesar Paul Gonzalez Gonzalez.

Última atualização: 28 setembro, 2022

Muitos animais selvagens são frequentemente vítimas de diferentes atividades humanas. Ao contrário do que se poderia pensar, esses eventos não apenas colocam em risco a sobrevivência da espécie, como também desestabilizam o ecossistema e suas teias alimentares. Por esta razão, muitas associações tentam salvar animais selvagens que sofreram algum acidente.

Embora pareça simples, o tratamento que os espécimes afetados recebem deve ser feito com muito cuidado. Caso contrário, a probabilidade de eles sobreviverem ao retornarem ao seu ambiente poderia ser reduzida, de modo que não representaria nenhum benefício para o animal. Continue lendo e descubra como a reabilitação deve ser realizada para salvar animais selvagens feridos.

Por que os animais selvagens se machucam?

A expansão do solo urbano e o crescimento populacional tornam iminente a interação com diferentes espécies. No entanto, muitas atividades humanas perturbam a natureza e prejudicam os animais selvagens, afetando suas populações e limitando sua capacidade de sobrevivência. Por esse motivo, muitos especialistas se dedicam a resgatar animais selvagens que apresentam algum tipo de ferimento ou lesão.

De fato, estima-se que cerca de 48% dos animais resgatados foram vítimas de alguma atividade humana. As causas mais frequentes são:

  • Derramamento de óleo (18%).
  • Lesões veiculares (11%).
  • Intoxicação (10%).
  • Ataques de animais domésticos (9%).

No momento em que qualquer animal sofre alguma das altercações anteriores, sua probabilidade de sobreviver por conta própria é mínima. As lesões o impedem de se movimentar, se defender, se alimentar e até podem levar à morte iminente. Portanto, embora pareça paradoxal, para salvar os animais selvagens a intervenção humana é obrigatória.

Um leão luta com hienas.

Resgate da vida selvagem

Uma vez que uma vida selvagem ferida tenha sido identificada, ela precisa ser resgatada e receber cuidados veterinários adequados para que sua vida seja salva. Ao contrário do que você possa pensar, esse processo não é fácil e é sempre melhor que seja realizado por um profissional.

Animais selvagens não estão acostumados a interagir com humanos, então sua primeira reação será fugir ou atacar quem se aproximar. Se não houver cuidado, tanto a vida do espécime quanto a integridade das pessoas que o socorrem podem ser colocadas em risco.

Além disso, o resgate deve ser realizado com técnicas que minimizem o estresse e danos ao espécime. Especialmente em pequenas espécies de pássaros e mamíferos, porque seu corpo pode reagir exageradamente e causar um ataque cardíaco ou causar lesões mais graves. De fato, os animais selvagens resgatados por profissionais têm mais chances de sobreviver do que aqueles manejados por pessoas comuns.

O que é a reabilitação?

Depois de tratar as feridas e salvar a vida dos animais selvagens, segue-se o processo de reabilitação. Isso consiste em tentar melhorar as condições físicas do espécime para reintroduzi-lo em seu habitat, somente se for viável. Para isso, cada espécie deve ser manuseada com cuidado e fazer exercícios adequados de acordo com suas necessidades.

O processo de reabilitação deve ser rápido, simples e eficaz, pois os espécimes não devem ser mantidos em cativeiro por muito tempo. Caso contrário, os animais selvagens podem parar de perceber os humanos como uma ameaça. Além disso, eles também podem perder seus comportamentos selvagens ou reduzir o medo de predadores, colocando suas vidas em risco quando retornarem ao seu habitat.

Como a reabilitação é complexa e deve seguir rigorosamente certos aspectos, apenas profissionais da vida selvagem são certificados para realizá-la. O objetivo desse processo é devolver o espécime ao seu habitat natural sem prejudicar sua sobrevivência. Portanto, não pode ser deixado em mãos inexperientes.

Tratamento da psitacose em papagaios

O que acontece após a reabilitação?

Simplesmente salvar a vida de animais selvagens feridos não garante que eles sobreviverão quando retornarem ao seu habitat natural. Apesar de passarem por reabilitação e melhorarem sua condição física, ainda enfrentam vários riscos ao serem liberados. Mais uma vez, as atividades humanas são a maior causa de mortes de animais selvagens reabilitados (41%).

No caso específico das aves, a probabilidade de um exemplar reabilitado sobreviver durante os primeiros 6 meses situa-se entre 49 e 65%. Após esse período, sua taxa de sobrevivência dependerá muito da sua localização geográfica, mas a maior é na África (72%), seguida pela Oceania (65%), Europa (31%) e América do Norte (6%).

A sobrevivência de animais selvagens reabilitados pode ser aumentada escolhendo um local seguro para a sua libertação. No entanto, isso requer trabalhar com os diferentes níveis de governo no mesmo país, especialmente se houver muitas atividades humanas na área que ameaçam a espécie.

Os animais selvagens enfrentam tantas ameaças atualmente, desde a poluição às mudanças climáticas, que é importante desenvolver estratégias para salvar a espécie. O único problema é que muitos desses conflitos são produto do progresso humano. Portanto, há muito pouco apoio para detê-los e tentar cuidar do ecossistema e de todos os animais que o habitam.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Grogan, A., & Kelly, A. (2013). A review of RSPCA research into wildlife rehabilitation. Veterinary Record, 172(8), 211-211.
  • Garcês, A., Soeiro, V., Lóio, S., Prada, J., Silva, F., & Pires, I. (2018). Necropsy findings and causes of mortality in wild birds in a Center for Rehabilitation of Wild Animals in the North of Portugal. REDVET, 19(4).
  • Cope, H. R., McArthur, C., Dickman, C. R., Newsome, T. M., Gray, R., & Herbert, C. A. (2022). A systematic review of factors affecting wildlife survival during rehabilitation and release. PloS one, 17(3), e0265514.
  • WCS y SERFOR. (2016). Guía: Manejo de animales silvestres decomisados o hallados en abandono. 2da edición. Lima, Perú.

Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.