Seborreia canina: causas, tratamento e recomendações

A seborreia canina é uma patologia que necessita de um diagnóstico preciso para ser adequadamente controlada. Por esse motivo é tão importante que você leve seu cão ao veterinário para um check-up.
Seborreia canina: causas, tratamento e recomendações
Cesar Paul Gonzalez Gonzalez

Revisado e aprovado por o biólogo Cesar Paul Gonzalez Gonzalez.

Última atualização: 22 dezembro, 2022

Assim como os humanos, os cães também são suscetíveis a vários tipos de doenças da pele, que podem variar de simples irritações leves a mais complexas, como a seborreia canina. Embora seja verdade que a maioria delas são tratáveis e fáceis de controlar, o problema está na identificação da patologia, pois nem sempre a pelagem facilita sua visibilidade.

Especificamente, a seborreia canina é uma dermatopatia com diferentes graus de acometimento. Por causa disso, seus primeiros sintomas podem ser negligenciados e podem se tornar graves o suficiente para afetar a qualidade de vida do animal. Continue a leitura e saiba mais sobre essa patologia.

O que é a seborreia canina?

A seborreia canina é uma doença que causa problemas no processo normal de queratinização da pele. Essa complicação pode ou não afetar as glândulas sebáceas, de modo que os sinais clínicos podem diferir em cada caso. De acordo com o nível de afetação que a pelagem do animal apresenta, é possível classificar a seborreia da seguinte forma:

  • Seborreia seca: é caracterizada pela presença de escamas esbranquiçadas semelhantes à caspa, que são o produto da descamação anormal do animal de estimação.
  • Seborreia gordurosa: causada por uma superprodução de gordura na pele do cão, o que gera uma aparência gordurosa no pelo e até certo mau cheiro.
  • Dermatite seborreica: é causada por uma inflamação na pele que afeta o processo de queratinização. Portanto, escamas podem aparecer ou a pelagem pode produzir excesso de gordura. Esses tipos de problemas geralmente são causados por uma infecção bacteriana ou fúngica, como a Malassezia.
Um cachorro morde sua pata.

O que é a queratinização da pele?

A queratinização é um processo fisiológico normal que produz a camada mais externa (estrato córneo) da epiderme, cuja principal função é proteger e atuar como barreira. À medida que as células morrem, elas se desprendem da pele na forma de escamas, o que é conhecido como descamação.

Embora o objetivo desse mecanismo seja formar uma camada protetora dura no manto, certas proteínas e gorduras também são necessárias. Por isso, algumas glândulas sebáceas estão envolvidas nesse processo, o que explica por que são afetadas em problemas dermatológicos como a seborreia.

Por que a seborreia aparece?

A seborreia canina costuma estar ligada a diversos tipos de patologias, não apenas àquelas que acometem a derme. No entanto, existem casos em que pode ter origem desconhecida (idiopática). Portanto, dois tipos de seborreia são reconhecidos de acordo com seu agente causal:

  • Seborreia primária: é chamada de primária quando a origem da seborreia é hereditária ou devido a problemas idiopáticos.
  • Seborreia secundária: é secundária quando a seborreia é causada por outra condição, como parasitas, problemas hormonais, diabetes, alergias, infecções ou deficiências imunológicas.

Sintomas da seborreia canina

Embora seja feita uma distinção entre seborreia oleosa (gordurosa) e seborreia seca, a maioria dos casos apresenta uma combinação de ambas. Isso significa que os sintomas são compartilhados. Alguns dos mais frequentes são:

  • Descamação (caspa).
  • Pele e pelagem oleosa.
  • Prurido.
  • Perda de pelo.
  • Presença de feridas ou crostas.
  • Perda de brilho no manto.
  • Inflamação ou vermelhidão.

Deve-se notar que os sintomas acima não são exclusivos da seborreia canina, pois também são compartilhados com outros problemas dermatológicos. Por isso, é sempre melhor evitar o autodiagnóstico e procurar um profissional que analise o caso a fundo.

Diagnóstico

O diagnóstico da seborreia canina é relativamente simples, pois consiste em uma análise física minuciosa e na exclusão de outras patologias. Além disso, o veterinário pode recomendar raspagens de pele. Se um diagnóstico preciso não puder ser alcançado apesar do exposto acima, uma biópsia de pele ou testes clínicos adicionais podem ser necessários.

Um cão com a cauda danificada devido à seborreia excessiva.

Tratamento da seborreia no cão

Como existem muitos agentes causadores, o tratamento da seborreia canina é muito dependente do diagnóstico. Se o problema for causado por alguma patologia primária, o processo a seguir é controlar e tratar a referida doença. Ao mesmo tempo, o veterinário pode recomendar o seguinte:

  • Tratamento da seborreia seca: dar banho no cão várias vezes por semana (dependendo do caso) durante 2 ou 3 semanas. Para isso, são usados xampus hidratantes, hipoalergênicos, antifúngicos ou produtos como a clorexidina, que ajudarão a restaurar a saúde da pele.
  • Tratamento da seborreia oleosa (gordurosa): geralmente são usados xampus à base de enxofre, alcatrão ou, em casos mais graves, com sulfeto de selênio ou peróxido de benzoíla. Além disso, devido ao excesso de gordura, os cães que sofrem de seborreia são mais suscetíveis a infecções bacterianas ou fúngicas, razão pela qual costumam ser prescritos medicamentos antibacterianos e antifúngicos.

No caso de seborreia primária ou idiopática, essas ou outras recomendações podem precisar ser seguidas por toda a vida. Isso ocorre porque a patologia não diminuirá e os sintomas continuarão seu curso sem muita mudança. É claro que todos os tratamentos devem ser adaptados a cada indivíduo e somente o veterinário está habilitado para modificá-lo.

Previsão

Se a seborreia secundária for diagnosticada com eficiência, o quadro clínico do animal deve diminuir após 30 a 60 dias. No entanto, tudo depende da rapidez com que se controla a patologia primária que causa este problema dermatológico.

Pelo contrário, se o diagnóstico for seborreia canina primária, o cão deve continuar com as recomendações do veterinário até que os sintomas fiquem mais leves. Além disso, uma mudança na dieta fornecendo mais vitaminas, minerais e ácidos graxos pode ser aconselhada.

Embora o cão tenha que lidar com esse problema de forma crônica, na maioria dos casos os sintomas são fáceis de controlar e isso não afeta muito sua qualidade de vida. No entanto, é crucial que um especialista monitore sua saúde para evitar maiores complicações.

A seborreia canina não é uma patologia grave que coloque o animal de estimação em risco iminente, desde que seja tratada o quanto antes. Portanto, se você detectar algum sinal de alerta na pele do seu cão, é melhor consultar seu veterinário para descartar outras doenças perigosas. Lembre-se de que a saúde do seu cão depende inteiramente de você, por isso não economize nas despesas e dê a atenção que ele merece.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Saballos Espinal, X. F., & Zamora López, O. E. (2012). Determinación de principales dermatopatias de los caninos en el sector de Fundeci-El Calvarito de la ciudad de León, en el periodo de agosto a octubre del año 2011 (Doctoral dissertation).
  • Tonelli, M. E. A. (2020). 5. SÍNDROME SEBORREICO CANINO. Clínica médica de animales pequeños I, 135.
  • Vasquez, H. N., & Ulloque, S. (2017). Síndrome seborreico seco de origen secundario en caninos. REDVET. Revista Electrónica de Veterinaria, 18(12), 1-7.
  • Harvey, R. & Mckeever, P. (2004). Manual ilustrado de enfermedades de la piel en perro y gato. GRASS editions.
  • Nuttall, T., McKeever, P., & Harvey, R. (2009). A Colour Handbook of Skin Diseases of the Dog and Cat UK Version. CRC Press.

Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.