6 animais com melanismo

O melanismo nos animais dotou os seres que o apresentam de adaptações espetaculares, além de uma cor atípica para outros seres vivos.
6 animais com melanismo

Última atualização: 08 Abril, 2021

Os padrões de coloração do pelo, da pele e das penas dos seres vivos são definidos de acordo com sua espécie e seu código genético. No entanto, às vezes ocorrem mutações gênicas que produzem mudanças na coloração, como é o caso dos animais com melanismo.

O albinismo ou leucismo produzem animais com falta total ou parcial de pigmentação. Existem também animais com melanismo, que dão origem a uma cor preta intensa. Ao contrário dos albinos, os animais melanísticos parecem estar bem adaptados ao ambiente e desenvolvem menos doenças associadas.

Isso significa que, mesmo em certas espécies, os indivíduos melanísticos se destacam sobre os exemplares com tegumento típico. Nas linhas a seguir, você encontrará mais informações sobre o melanismo e alguns exemplos muito curiosos de animais melanísticos.

O que é o melanismo?

A cor dos animais e os pigmentos que produzem as diferentes tonalidades é uma ciência dentro da zoologia. Os vários padrões de tons que existem nos seres vivos geralmente se devem à maior ou menor concentração de certos pigmentos.

A cor branca dos animais, por exemplo, se deve à total falta de qualquer pigmento. Por outro lado, os diferentes tons de cinza, azul, preto e marrom são o resultado de um grau diferente de acúmulo de melanina, de seu padrão de sua distribuição e de como ela reflete a luz solar.

Outras cores, como o amarelo, o laranja ou o vermelho, são resultado do acúmulo de pigmentos vegetais, como os carotenoides. Os animais alcançam esses pigmentos por meio de uma dieta parcial ou totalmente vegetariana. Porém, há casos como o do abutre-do-egito – ave de rapina diurna – que atinge sua tonalidade amarela ao comer fezes frescas de vaca.

A base de toda pigmentação nos animais é a melanina, que é produzida por células chamadas melanócitos. Certas mutações genéticas fazem com que os melanócitos produzam mais melanina em todo o corpo do animal – e não apenas nas áreas em que, dependendo da espécie, deveriam aparecer.

O melanismo não deve ser confundido com a melanose, doença que causa acúmulo excessivo de melanina nos tecidos e está associada a tumores malignos pigmentados.

Existem muitas espécies de animais com casos de melanismo. Em todas elas, essa cor dá, de uma forma ou de outra, uma vantagem sobre o restante da população. Sem mais delongas, vejamos alguns exemplos de animais com melanismo.

Animais com melanismo industrial

Um dos casos mais importantes de melanismo em animais é o das mariposas Biston betularia. Esses insetos sofreram as consequências da revolução industrial produzida no século passado.

Inicialmente, as mariposas dessa espécie eram brancas com manchas pretas, mas devido à poluição ambiental e ao escurecimento da casca das árvores por resíduos da indústria do carvão, as mariposas começaram a escurecer.

Na verdade, as mariposas não mudaram para sobreviver, mas as que nasciam pretas passavam despercebidas nas árvores enegrecidas e sobreviveram à predação, podendo se reproduzir. A evolução não é um mecanismo consciente: as mutações são aleatórias, mas podem ou não beneficiar o indivíduo.

 

Como no caso dessas mariposas, existem outros exemplos de melanismo industrial em animais, como o da cobra marinha Emydocephalus annulatus. Essas cobras são pretas quando habitam locais com alto grau de contaminação, enquanto em ecossistemas saudáveis mantêm sua cor natural.

Uma serpente marinha.

O caso do lobo preto

O lobo preto ou lobo melânico nada mais é do que uma variação do lobo-cinzento (Canis lupus). Os cientistas acreditam que esses animais adquiriram essa cor devido à hibridização com raças de cães domésticos, cuja prole continuou a procriar com lobos.

A ciência também mostrou que os lobos pretos têm melhores adaptações para a caça noturna, parecem ser mais resistentes a doenças e, portanto, se reproduzem mais.

Um lobo preto olha para a câmera.

O verme Spodoptera Exeta

O verme Spodoptera Exeta é outro dos animais com melanismo que existem no mundo. Esses insetos são larvas de mariposas que vivem em grandes grupos.

Um dos problemas da vida comunitária é que as doenças e os patógenos passam de um indivíduo para outro com mais facilidade. Estudos recentes têm mostrado que o melanismo nesses animais está ligado à produção de uma enzima que os torna totalmente resistentes aos patógenos.

A cabeça de uma tiliqua.

Lagarto preto de língua azul

Outra espécie que se beneficia por ter uma mutação que lhe confere uma bela cor preta é o lagarto de língua Tiliqua scincoides scincoides. Esse animal, geralmente da cor da terra, usa sua pele escura para absorver mais energia solar, sem a necessidade de se expor por tanto tempo e tanta frequência ao sol.

Em geral, o melanismo em répteis tem a vantagem de poder aproveitar melhor os raios solares, mesmo sem ter que se expor diretamente a eles.

Lagarto com melanismo.

Animais com melanismo: a pantera negra

A pantera negra pode ser um dos ícones mais populares entre os animais com melanismo. Na verdade, esse animal não vem de uma única espécie, pois tanto onças-pintadas quanto leopardos são vulgarmente chamados de panteras negras quando apresentam essa mutação.

Um dos animais melanísticos.

Não há dúvidas de que os animais negros são realmente preciosos e, além disso, o fato de serem assim os beneficia como espécie e como indivíduos, já que na maioria das vezes só traz vantagens. Também é surpreendente como muitos animais desenvolvem melanismo como uma adaptação à poluição de origem humana.

Pode interessar a você...
A águia-viúva: uma espécie da floresta tropical
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
A águia-viúva: uma espécie da floresta tropical

Nos céus de grande parte do continente americano, vive um pequeno, solitário e excelente caçador: a águia-viúva. Saiba tudo aqui!



  • Anderson, T. M., Candille, S. I., Musiani, M., Greco, C., Stahler, D. R., Smith, D. W., … & Barsh, G. S. (2009). Molecular and evolutionary history of melanism in North American gray wolves. Science, 323(5919), 1339-1343.
  • Majerus, M. E., & Mundy, N. I. (2003). Mammalian melanism: natural selection in black and white. Trends in Genetics, 19(11), 585-588.
  • Azócar, D. L. M., Bonino, M. F., Perotti, M. G., Schulte, J. A., Abdala, C. S., & Cruz, F. B. (2016). Effect of body mass and melanism on heat balance in Liolaemus lizards of the goetschi clade. Journal of Experimental Biology, 219(8), 1162-1171.
  • Goiran, C., Bustamante, P., & Shine, R. (2017). Industrial melanism in the seasnake Emydocephalus annulatus. Current Biology, 27(16), 2510-2513.
  • Trullas, S. C., van Wyk, J. H., & Spotila, J. R. (2007). Thermal melanism in ectotherms. Journal of Thermal Biology, 32(5), 235-245.