6 animais sem ossos

Os invertebrados constituem a grande maioria dos animais neste planeta. De insetos a minhocas e estrelas-do-mar, a variedade entre eles é simplesmente incrível.
6 animais sem ossos

Última atualização: 19 Junho, 2021

Quando se pede para uma pessoa pensar em um animal, a maioria do público não especializado imagina organismos dentro de um grupo muito específico: os vertebrados. Esses seres vivos geralmente são maiores, mais fáceis de ver e prevalentes em várias culturas humanas. Mas e os animais sem ossos?

Mesmo entre círculos especializados, os vertebrados recebem muito mais atenção. Apesar disso, esse grupo, que engloba aves, mamíferos, répteis, peixes e anfíbios, constitui apenas uma pequena parte da vida animal. Os animais que comumente são chamados de ‘insetos’ são infinitamente mais numerosos e diversos do que o resto.

Esses animais sem ossos conquistaram todos os cantos do planeta, pertencem a grupos muito diferentes e ainda escondem inúmeros segredos do ponto de vista dos humanos. Aqui vamos falar sobre os grupos mais representativos de invertebrados, cada um com suas particularidades e nichos. Continue lendo se quiser aprender mais.

Características dos animais invertebrados

Os invertebrados constituem a grande maioria da vida animal. Dos mais de 30 filos (os maiores grupos em que os seres vivos são divididos) de animais que existem, os vertebrados representam apenas um deles.

Todos esses filos se formaram após divisões evolutivas muito antigas entre grupos faunísticos. Portanto, é fácil entender que esses grupos são muito independentes uns dos outros, evoluíram por caminhos muito diferentes e apresentam características anatômicas e ecológicas radicalmente diferentes.

Os invertebrados geralmente são pequenos. Devido às limitações em seus sistemas circulatório e respiratório, à estrutura de seus corpos, à competição com vertebrados e a outros fatores, a maioria desses animais sem ossos não atinge grandes tamanhos. Alguns, inclusive, são microscópicos.

No entanto, nem sempre foi assim. No passado, com condições ambientais diferentes, alguns invertebrados atingiram tamanhos mais consideráveis do que os atuais. Os invertebrados também são extremamente antigos, pois os primeiros animais faziam parte desse grupo. Eles tendem a ter vidas bastante curtas e, é claro, não têm ossos de cálcio, como os nossos.

Apesar disso, alguns desses seres ‘primitivos’ possuem outras estruturas nas quais ancorar seus músculos e proteger seu corpo. Por exemplo, exoesqueletos, conchas, esqueletos hidrostáticos, etc.

1. Equinodermos (Filo Echinodermata)

Esses animais incluem os ouriços, as estrelas e os pepinos-do-mar, além dos ofíuros e dos crinóides. Estes últimos são os mais desconhecidos do grande público e alguns dos mais fascinantes.

No total, existem cerca de 20 550 espécies descritas de equinodermos, das quais 7550 vivem atualmente. Geralmente, apresentam simetria radial, pois seu corpo se divide em 5 partes iguais em torno de um eixo central (onde fica a boca). Ou também pode se dividir em várias partes, contanto que o total seja múltiplo de 5.

Seu corpo é coberto por um exoesqueleto calcário característico, formado por pequenas placas separadas umas das outras, de onde vem seu nome científico. Todos os equinodermos habitam águas salgadas.

Curiosamente, as larvas desses animais não são radiais, mas apresentam simetria bilateral.

 

Uma estrela-do-mar em um coral.

2. Poríferos (Filo Porifera)

Os poríferos são mais conhecidos como esponjas marinhas. Embora não pareça, esses seres são animais. Na verdade, são os seres vivos mais antigos que existem e constituem o grupo irmão de todo o resto da fauna do planeta.

As 8659 espécies que existem hoje em dia são marinhas, embora possam ocupar diferentes ecossistemas dentro dos oceanos. São principalmente sésseis (imóveis) e não possuem tecidos verdadeiros. Sua alimentação se baseia na filtração de partículas em suspensão. Para fazer isso, eles geram correntes de água para dentro de seus corpos graças a células flageladas.

 

Um dos animais marinhos que eliminam vírus.

3. Artrópodes (Filo Arthropoda)

Os artrópodes são, de longe, o filo mais bem-sucedido, numeroso e diverso de animais. Consistem em 1 257 040 espécies vivas e outras 45 769 extintas. Os grandes grupos dentro dos artrópodes são os hexápodes (que inclui os insetos), os miriápodes (piolhos-de-cobra e centopeias), quelicerados (aranhas, escorpiões, etc.) e crustáceos.

Todos esses animais sem ossos têm simetria bilateral. Seu corpo é revestido por um exoesqueleto duro e quitinoso, que os protege do ambiente. Além disso, é dividido em uma série de segmentos, cada um com um par de apêndices articulados.

Esses segmentos e apêndices podem ser fundidos, modificados e especializados de qualquer maneira imaginável, o que proporciona aos artrópodes uma enorme adaptabilidade. Graças a isso, esses invertebrados colonizaram com sucesso todos os cantos do planeta.

 

Os insetos são animais sem ossos.

4. Moluscos (Filo Mollusca)

Esses animais sem ossos são o segundo grupo mais diverso, com cerca de 84 977 espécies atuais. São organismos de corpo mole e vulnerável, em sua maioria aquáticos, que adotaram estratégias muito diferentes.

Por outro lado, os bivalves são pouco móveis, são animais filtradores e permanecem protegidos por conchas ou válvulas muito fortes. Por outro lado, os gastrópodes são mais móveis e se alimentam de plantas ou animais através da rádula. Muitos carregam uma concha em forma de espiral dentro da qual se escondem.

Por último, há os cefalópodes, que optaram por uma extrema mobilidade aquática, são carnívoros e têm uma inteligência incrível. Esses animais possuem braços ou tentáculos múltiplos e móveis, com os quais se reproduzem, caçam e interagem com o ambiente. Além disso, são mestres da mudança de cor.

 

Uma das melhores mães do reino animal.

5. Cnidários (Filo Cnidaria)

Novamente, trata-se de um filo exclusivamente aquático. Inclui 10 203 espécies muito diferentes. Alguns cnidários têm vidas móveis e são chamados de águas-vivas. Outros são pólipos, que vivem permanentemente presos ao substrato marinho. Certas espécies podem alternar entre uma opção ou outra dependendo da fase de vida em que se encontram.

Por outro lado, existem cnidários que vivem individualmente, enquanto outros formam colônias gigantescas de organismos coordenados. Algumas colônias nadam livremente, enquanto outras são sésseis. Além disso, existem cnidários que são recobertos por uma proteção rochosa e inorgânica: os corais.

 

As medusas são animais sem ossos.

6. Anelídeos (Filo Annelida)

Geralmente, os anelídeos são chamados de ‘vermes’, embora esse termo seja mais amplo e inclua outros organismos. A maioria de suas 17 388 espécies são marinhas.

O grupo majoritário de anelídeos são os poliquetas. Alguns deles são móveis e possuem apêndices espessados em cada segmento. Outros vivem dentro de tubos rígidos e expelem filamentos para o meio ambiente para pegar comida. As minhocas ou oligoquetas também são anelídeos. O mesmo vale para as famosas sanguessugas.

 

Um anelídeo sanguessuga.

Embora pequenos e frequentemente esquecidos, os invertebrados têm um valor inestimável. Eles realizam uma infinidade de serviços ecossistêmicos e servem como uma das bases que sustentam os ecossistemas em todo o mundo. Sem eles, nada sobreviveria neste planeta.



  • Bourlat, S. J., Nielsen, C., Economou, A. D., & Telford, M. J. 2008. Testing the new animal phylogeny: a phylum level molecular analysis of the animal kingdom. Molecular Phylogenetics and Evolution, 49: 23-31.
  • Zhang, Z. Q. 2013. Animal Biodiversity: An update of classification and diversity in 2013. In: Zhang, Z. Q.(ed.) Animal biodiversity: An outline of higher-level classification and survey of taxonomic richness (addenda 2013). Zootaxa, 3703: 5-11.
  • Brusca, R. C., & Brusca, G. J. 2003. Invertebrates. Sinauer. Sunderland.
  • http://www.bbc.com/earth/story/20150325-all-animal-life-in-35-photos