Sete doenças frequentes em gatos

junho 28, 2018

Ter um animal de estimação saudável é nossa principal obrigação e não podemos descuidar dessa tarefa. Por isso, é fundamental conhecer quais são as doenças frequentes em gatos, seus sintomas e tratamento para que possam se curar o quanto antes. Nesse artigo, vamos lhe contar quais são.

Conhecer as doenças mais comuns dos felinos é positivo para reconhecer os sintomas e assim aplicar o tratamento correspondente o quanto antes. Assim, aumentam as possibilidades de salvar a vida dos animais.

Quais são as doenças frequentes em gatos?

Se você está pensando em adotar um gato, ou já tem um em casa, é bom que conhecer as doenças mais comuns que esse animal tão querido no mundo inteiro pode sofrer.

  1. Otite

A inflamação do canal auditivo não é comum só nos cães, mas também nos felinos, ainda mais quando são adultos. A otite causa muita dor e, se não for tratada a tempo, leva à perda de audição.

Pode ser causada por diferentes tipos de ácaros, fungos ou bactérias. Os principais sintomas são secreção amarelada ou marrom nos ouvidos, mau cheiro e coceira “desesperada” na orelha.

  1. Leucemia felina

É um tipo de câncer que afeta mais gatos do que acreditamos, e aparece em animais jovens ou pequenos. Se não é tratada, a leucemia pode levar à morte do animal.

Gato sendo auscultado no veterinário

Entre os principais sintomas, podemos indicar a falta de apetite, a anemia, a sonolência, a fraqueza generalizada, a anorexia e o surgimento de tumores.

  1. Conjuntivite

Ainda que você não acredite, uma das doenças frequentes em gatos é a inflamação das mucosas dos olhos, que aparece por motivos muito variados… 

As causas podem ser alergias, infecções oculares, contaminação ambiental, problemas genéticos ou traumatismos.

Você perceberá mais facilmente se seu gato tem conjuntivite, já que os olhos ficarão cheios de remela. Além disso, o animal vai lacrimejar o tempo todo e sua córnea ficará mais escura.

Gato com conjuntivite

Pode apresentar também problemas de visão. Você vai notar porque talvez ele bata em alguns objetos ou não perceba alguns movimentos.

  1. Panleucopenia felina

O vírus que provoca essa doença nos gatos é similar ao parvovírus canino: o contágio é feito através do contato com fluidos corporais de um animal infectado.

Os sintomas da panleucopenia felina são febre, vômitos, diarreia, desidratação e depressão.

Previne-se com uma vacina e é tratada com antibióticos e hidratação intravenosa. Caso não seja tratada, é uma doença que pode ser mortal para o animal.

  1. Raiva

Outra das doenças frequentes em gatos que são “compartilhadas” com os cães. Transmite-se através da mordida ou da saliva de um animal infectado.

gato chateado

Em muitas cidades e países a vacina contra a raiva felina – e canina – é obrigatória, já que a doença pode contaminar os seres humanos.

  1. Imunodeficiência felina

É conhecida popularmente como a “AIDS dos gatos”, já que tem características muito similares ao HIV. A transmissão dessa doença acontece durante as brigas entre vários felinos, quando pelo menos um está infectado. Também acontece durante o acasalamento e através da placenta de gatas grávidas.

Uma das melhores maneiras de evitar a imunodeficiência felina é esterilizar nossos animais, já que até o momento não existe uma vacina que a previna.

doenças comuns gatos

Além disso, os sintomas são quase imperceptíveis até que o quadro esteja muito avançado, e isso reduz a possibilidade de cura ou tratamento.

  1. Problemas renais

Os gatos são propensos a sofrer cistite, nefrite ou qualquer outra infecção no sistema urinário, ainda mais depois de certa idade. O acúmulo de minerais no conduto urinário – as chamadas “pedras” – é muito doloroso para o animal e o obriga a mudar seus hábitos cotidianos.

Por exemplo, um felino com problemas renais não vai urinar talvez durante vários dias, vai lamber continuamente os genitais ou sua urina – em qualquer lugar da caixa fora da caixa de areia – estará acompanhada de sangue.

É fundamental que assim que apareçam sinais de infecção urinária, o animal seja levado ao veterinário para que seja possível dar início ao tratamento adequado. Na maioria dos casos, o tratamento inclui mudanças na dieta – ração sem sódio, por exemplo – e medicamento para expulsar os minerais acumulados.