Tipos de moluscos: conheça alguns deles

dezembro 25, 2018

Estes moluscos bivalves vivem enterrados na areia dos mares ou na lama dos rios. Além disso, as espécies que habitam o território europeu são altamente valorizadas na cozinha, por sua textura e sabor.

As almêijoas (ou moluscos) são pequenos crustáceos bivalves que encontram seu habitat sob areia ou lama perto dos mares e rios. Seu sabor e textura únicos tornam esses frutos do mar muito apreciados na culinária internacional. Além disso, a Espanha destaca-se pelos tipos de moluscos que integra no seu território e pela excelência na sua preparação.

Portanto, abaixo, apresentamos os principais tipos de moluscos que vivem enterrados em território espanhol. Além disso, mostraremos como diferenciá-los e reconhecê-los facilmente.

Que tipos de moluscos encontramos na Espanha?

Ao longo da costa espanhola, encontramos os seguintes tipos de moluscos:

  • Molusco lesma.
  • Molusco fino.
  • Molusco ruivo.
  • Molusco japonês.

As três primeiras espécies – lesma, fino e ruivo – são autóctones da Espanha. No entanto, no caso do molusco japonês, ocorreu uma perfeita adaptação às águas ibéricas.

Molusco lesma

A espécie Venerupis pullastra, conhecida como ‘molusco lesma’, tem um formato alongado e suas cores variam entre cinza, marrom e creme. Para distingui-los dos outros tipos de moluscos, podemos observar seus sifões, que devem ser unidos em toda a sua extensão.

tipos de moluscos

Os sifões são pequenas estruturas tubulares através das quais a água flui através do corpo das amêijoas. Graças a eles, esses crustáceos conseguem se mover, respirar, se reproduzir e se alimentar em seu habitat natural. Quando o molusco abre sua casca, podemos ver que seus sifões espreitam suavemente.

Também é possível observar se sua concha exibe algumas linhas concêntricas que são menos marcadas que em moluscos finos. Além disso, devemos observar que os moluscos não apresentam linhas radiais em suas válvulas.

Quanto à sua inclusão na cozinha, o molusco lesma não é tão apreciado quanto o fino e seu valor é menor. Isto não se deve à sua textura ou sabor, que são muito satisfatórios. Na verdade, a razão para não ser usado em receitas é que eles resistem menos tempo fora d’água, então são considerados mais delicados.

Molusco fino

A espécie Ruditapes Decussatus, popularmente chamado de molusco fino, tem seu habitat natural nas zonas intertidais da Espanha. Pode se desenvolver corretamente geralmente enterrados entre 15 e 30 centímetros na areia dessas regiões.

5 tipos de moluscos

A concha deste molusco apresenta cores uniformes, que variam entre o branco e o castanho, dependendo do tipo de areia em que vive. Nele reconhecemos linhas concêntricas e radiais que formam um padrão de grade típico dessa espécie. Além disso, outro aspecto que permite diferenciá-los é a presença de seus longos sifões bem separados uns dos outros.

O molusco fino é o mais valorizado e apreciado na cozinha internacional. Além de sua excelente textura e sabor, eles são muito resistentes e podem sobreviver muitas horas fora da água.

Molusco ruivo

As amêijoas loiras, cujo nome científico é Venerupis rhomboideus, destacam-se pelas cores púrpura ou avermelhada de suas conchas. Seu casco é visivelmente mais suave e mais brilhante do que os outros tipos de moluscos mencionados. E nele também observamos alguns desenhos em forma de zig-zag que distinguem essa espécie.

alguns tipos de moluscos

Na cozinha, essa variedade é menos valorizada do que os moluscos fino e lesma, portanto, seu preço é relativamente barato. No entanto, seu sabor intenso é geralmente muito apreciado na preparação de guisados.

Molusco japonês

A espécie Ruditapes philippinarum é popularmente conhecida como o japônes ou o japônica galega. Suas válvulas apresentam tonalidades que normalmente variam entre cinza, bege, marrom e preto, de acordo com seu local de crescimento.

tipos de moluscos

Como os moluscos finos, eles têm linhas concêntricas e radiais no casco e formam um desenho muito característico. Para diferenciá-los, devemos observar que as linhas são visivelmente mais marcadas no molusco japonês. Além disso, pode-se notar que seus sifões só se juntam até a metade de seu comprimento.

Este tipo de molusco não é nativo da Espanha, mas adaptou-se otimamente às suas condições. Seu rápido crescimento e adaptabilidade rapidamente chamou a atenção de criadores profissionais. Portanto, hoje encontramos várias culturas de moluscos do Japão, especialmente na comunidade galega.

Na gastronomia, a amêijoa japonesa é geralmente usada na preparação de massas com frutos do mar ou em ensopados com peixes diferentes. No entanto, o seu valor de mercado é consideravelmente inferior ao dos moluscos lesma e fino.