Os tipos de movimento dos seres vivos

Os tipos de movimento dos seres vivos respondem às diferentes necessidades e exigências impostas pelo meio ambiente.
Os tipos de movimento dos seres vivos

Última atualização: 02 março, 2022

O movimento (motilidade) em seres vivos é definido como a habilidade de um organismo de se mover livre e espontaneamente no meio ambiente. Dependendo da escala evolutiva e dos requisitos do animal analisado, o método de deslocamento pode ser muito diferente.

Em geral, os seres vivos se movem em direção a um estímulo ou se afastam dele, mas também existem movimentos aleatórios e métodos de locomoção que se situam entre os dois termos. Se você quiser saber tudo sobre o movimento no reino animal e vegetal, continue lendo.

Os 3 tipos de movimento nos seres vivos

O movimento, do ponto de vista físico, pode ser definido como a mudança na posição de um corpo ao longo do tempo em relação a um sistema de referência. Quase todos os seres vivos se movem de uma forma ou de outra ao longo da vida, mesmo que não tenham mecanismos motores complexos, como os membros dos vertebrados.

Em geral, podemos discernir 3 tipos de movimento aproximadamente nos organismos. São táxis, kinesis e tropismo. Vamos falar mais sobre eles de uma maneira geral nas linhas a seguir, com exemplos curiosos de cada caso.

Um lobo correndo na neve

1. Táxis

O táxis é uma resposta direcional de um ser vivo unicelular ou multicelular como resultado de um estímulo externo. Pode ocorrer em direção à fonte (atração) ou longe dela (repulsão). Por exemplo, um animal se aproxima de sua fonte de alimento para se alimentar, mas foge de um predador em potencial, pois isso pode acabar com sua vida.

Existem muitos tipos de táxis, tantos quanto estímulos ambientais que geram resposta nos seres vivos. Entre eles, encontramos o seguinte:

  1. Aerotaxia: o estímulo é a presença de oxigênio. Por exemplo, as bactérias aeróbias se movem para locais com maior concentração desse elemento, pois precisam dele para viver.
  2. Eletrotaxia: o estímulo é o campo magnético. Estipula-se que, a partir das mudanças na eletricidade, as células sejam capazes de se orientar para os tecidos e feridas, de forma a repará-los mais rapidamente.
  3. Fototaxia: o estímulo é a luz. Muitos invertebrados possuem fototaxia negativa, ou seja, fogem das fontes de luz e se abrigam em ambientes úmidos e escuros.

Feromônios e quimiotaxia

A quimiotaxia é estimulada por um gradiente de concentração química. Embora possa não parecer à primeira vista, os feromônios dos animais são totalmente baseados nesse tipo de táxis.

Por exemplo, os feromônios em cães têm funções diferentes: acalmar filhotes, marcar território e atrair espécimes do sexo oposto. Graças a esses compostos químicos voláteis, os cães escolhem se querem se mover direcionalmente para mais perto do estímulo ou para longe dele.

2. Kinesis

A kinesis é semelhante aos táxis porque, em ambos os casos, o ser vivo responde a um estímulo externo. A principal diferença entre os dois termos é a direcionalidade: nos táxis o animal vai em direção de ou se afasta de um local específico, enquanto na kinesis o movimento não é direcional.

Por exemplo, se um frasco com uma cultura bacteriana for aquecido, as bactérias podem começar a se mover de forma não direcional em resposta ao calor. Quanto mais rápido elas se movem, mais isso mostra que elas estão buscando sua zona de conforto. Se o movimento for lento, elas provavelmente estão em uma faixa tolerável.

As kinesis e os isópodes

Estudos têm demonstrado fenômenos cinéticos em isópodes (Crustáceos). Esses invertebrados apresentam atração por objetos sólidos (tigmocinesia) e lugares escuros (fotocinesia negativa). Assim, quanto menos favoráveis as condições ambientais, mais eles se movem de forma não direcional no ambiente.

Os isópodes podem ser criados em cativeiro.

3. Tropismo

Por fim, temos o tropismo, típico das plantas. O tropismo difere dos táxis porque, apesar de ser um movimento direcional, os seres vivos que o apresentam não possuem mecanismos de motilidade claros como cílios, flagelos ou extremidades. Este fenômeno pode ser dividido em 3 simples passos:

  1. Sensação do estímulo, geralmente a luz.
  2. Transdução do sinal em nível metabólico pela planta.
  3. Produção de crescimento direcional em direção ou afastamento do estímulo.

Portanto, se alguma vez você vir uma semente germinando e torcendo seu caule em direção à janela, estará observando um claro fenômeno de tropismo. Embora o fototropismo seja o exemplo mais comum em plantas, existem muitas outras variantes.

Os tipos de movimento nos seres vivos podem ser tropismos.

Os 3 tipos de movimento nos seres vivos são diferentes entre si, mas ao mesmo tempo têm um objetivo comum: responder a estímulos presentes no ambiente. Graças a esses mecanismos biológicos inerentes, os organismos são capazes de sobreviver ao longo do tempo e contornar ameaças potenciais.

This might interest you...
As relações entre os seres vivos
Meus Animais
Leia em Meus Animais
As relações entre os seres vivos

As relações entre os seres vivos podem beneficiar uma parte e prejudicar a outra, ou é possível que ambas as espécies sejam beneficiadas em uma sim...



  • Morris, M. C. (1999). Using woodlice (Isopoda, Oniscoidea) to demonstrate orientation behaviour. Journal of Biological Education, 33(4), 215-216.
  • Quax, T. E., Albers, S. V., & Pfeiffer, F. (2018). Taxis in archaea. Emerging Topics in Life Sciences, 2(4), 535-546.