Tratamento da distiquíase em cães

07 Janeiro, 2021
A distiquíase em cães é uma patologia ocular na qual ocorre o crescimento anormal dos cílios em locais raros nas pálpebras.

Os olhos são um dos órgãos mais importantes do corpo. Eles são essenciais para o sentido da visão, então você precisa cuidar deles e protegê-los. Assim, diferentes doenças oculares podem ser prevenidas, como a distiquíase em cães.

O que é a distiquíase?

Os cílios são os pelos que crescem ao redor da pálpebra. A principal função dos cílios é proteger o olho da entrada de agentes externos e promover a umidade. O problema surge quando eles começam a crescer anormalmente em lugares incomuns.

A distiquíase é uma doença ocular caracterizada pelo crescimento anormal dos cílios em locais incomuns. Em particular, os cílios podem ocorrer em áreas raras, como as glândulas meibomianas. Essas glândulas sebáceas estão localizadas na borda das pálpebras inferior e superior. A secreção que elas produzem contém diferentes substâncias, incluindo lipídios e esteróis, entre outras.

Essa patologia pode ser confundida com a triquíase. A diferença fundamental entre elas é que a triquíase é uma anomalia da pálpebra em que há um crescimento atípico dos cílios em direção ao interior do globo ocular. Por outro lado, como já mencionado, na distiquíase o crescimento anormal ocorre nas áreas das pálpebras.

Causas e efeitos da distiquíase em cães

Os olhos são um dos órgãos mais valiosos do corpo, por isso é necessário cuidar deles, pois, caso contrário, o cão pode desenvolver derrames oculares ou outras doenças.

Portanto, a distiquíase em cães consiste no crescimento dos cílios em regiões atípicas das pálpebras. Mais de um cílio geralmente surge do mesmo ponto e são chamados de cílios ectópicos.

Os cílios ectópicos podem não causar sintomas. Porém, quando causam, provocam irritação e dor devido ao seu atrito contínuo com a superfície dos olhos. Em casos graves, podem ocorrer úlceras da córnea.

Quando os cílios crescem na região das glândulas meibomianas, dificultam a tarefa das mesmas. Essas glândulas produzem uma secreção que permite a lubrificação do olho.

Essa doença ocular pode ocorrer como consequência de vários fatores. Entre os fatores responsáveis estão os seguintes:

  • Cílios rígidos.
  • Tendência a esfregar os olhos.
  • Pode ser um sintoma causado por uma picada de carrapato.
  • Espasmo anormal da pálpebra (também chamado de blefaroespasmo).
  • Lacrimejo frequente.
  • Aumento dos vasos sanguíneos da córnea.
  • Mudança na pigmentação da íris.
  • Úlceras da córnea.

No entanto, na maioria das vezes, os sintomas mencionados não são visíveis. Também deve ser levado em consideração que existem diferentes níveis de severidade dependendo dos fatores envolvidos, como a idade do cão ou a direção do crescimento dos pelos.

A idade do cão é um fator de risco, pois quanto mais velho, menor é a quantidade de lágrimas que ele produz. Portanto, a lesão causada é mais grave.

Outro sintoma observado é a mudança no comportamento do animalO cão começa a ficar incomodado e irritado, esfregando os olhos e mostrando sinais de desconforto geral.

No momento em que o cão estiver desconfortável ou irritado e a causa não puder ser determinada, é aconselhável ir ao especialista. Assim, será possível determinar a causa e estabelecer o diagnóstico e o tratamento mais correto para cuidar dos olhos dos animais de estimação.

Qual é o tratamento da distiquíase em cães?

Essa doença pode ser tratada de várias maneiras. O tratamento é semelhante tanto para a distiquíase quanto para a triquíase, pois o objetivo é remover os folículos capilares dos cílios atípicos.

Qual é o tratamento?

Dependendo da gravidade do problema, uma abordagem menos ou mais invasiva pode ser utilizada. Entre as opções que podem ser escolhidas estão:

  • Colírios prescritos pelo veterinário.
  • Em algumas ocasiões, sugere-se o uso de lentes de contato como medida de proteção da córnea.
  • Depilação periódica dos cílios atípicos. Pode ser manual ou elétrica, com o objetivo de extrair completamente o folículo piloso sem quebrar o cílio.
  • Executar uma cauterização ou criocoagulação com laser de argônio. Esses dois métodos são aplicados apenas em ocasiões em que os cílios não são numerosos.

Nos casos de lesões na córnea causadas pelos cílios, como ceratites ou úlceras, a sua remoção cirúrgica pode ser necessária. Portanto, a remoção completa do folículo piloso de cada cílio, localizado em áreas estranhas da pálpebra, será necessária para reparar o dano causada à córnea.

Em resumo, a distiquíase em cães é o nome dado ao aparecimento de pelos em regiões anormais das pálpebras. Existem fatores que podem agravar essa anomalia, como a idade do animal. Portanto, diante de qualquer comportamento estranho que o seu companheiro peludo apresentar, o ideal é procurar atendimento profissional.