Os turistas incomodam os macacos

janeiro 7, 2020
Estudos científicos mostram que o estresse sofrido pelos primatas revela que os macacos são incomodados pelos turistas.

Assim como acontece com outros animais selvagens, os turistas incomodam os macacos. O comportamento do macaco-de-gibraltar muda e ele mostra sinais de estresse quando os turistas o assediam, conforme revelado por um estudo.

Estudar como o turismo modifica o comportamento dos animais é complexo. Mesmo assim, parece cada vez mais óbvio que a presença de aglomerações de turistas nas reservas naturais tem um impacto no comportamento dos animais, que podem apresentar estresse.

Os macacos são incomodados por turistas no Marrocos

Quantificar o estresse é complicado, principalmente em animais selvagens que não podem ser capturados ou treinados. No entanto, a análise de hormônios como o cortisol permitiu investigar se os turistas incomodam os macacos neste estudo científico.

Especificamente, a espécie estudada foi o macaco-de-gibraltar, também conhecida como macaco-berbere, encontrada em montanhas e no norte da África. Suas populações estão em áreas onde o turismo pode ter um impacto sobre esses animais.

O Parque Nacional Ifrane, no Marrocos, abriga vários grupos de macacos-berbere, e este estudo trabalhou com um grupo de mais de 50 espécimes acostumados à presença humana.

Macaco sorrindo

Para avaliar se esses animais enfrentam estresse em suas vidas diárias, duas medidas foram usadas: a primeira, o quanto os animais se coçam. A maior frequência desse comportamento tem sido relacionada ao estresse nesta e em outras espécies.

Por outro lado, medir o cortisol em amostras de fezes coletadas pelos pesquisadores daria referências hormonais que podem ser combinadas com esse comportamento.

Os pesquisadores estudaram ambos os parâmetros nos machos e descobriram que os macacos ficam incomodados pelos turistas, independentemente da sua interação com eles.

Quando um macaco era alimentado, ameaçado ou simplesmente estava perto de um turista, os machos do grupo mostravam comportamentos relacionados ao estresse.

O estudo relacionou a simples presença de turistas com maiores níveis de estresse nos animais, o que parece ocorrer com muitas outras espécies. Esta espécie também sofre através de selfies com macacos.

Nós não entendemos os macacos

No caso dos macacos-de-gibraltar, não é estranho que, quando quebramos a distância de segurança, ocorram ataques contra as pessoas. Isso não ocorre apenas porque os turistas não respeitam a vida selvagem; provavelmente também tem relação com a falta de conhecimento sobre o seu comportamento.

Outro estudo procurou analisar a nossa compreensão das expressões faciais desses animais e levou a conclusões interessantes.

Os turistas não entendem os macacos

No caso dos primatas, temos um problema sério na identificação das expressões: nós usamos a expressividade facial, mas isso é diferente entre muitas espécies. É difícil para um papagaio ou furão entender as nossas expressões faciais, embora exemplos como as cabras prefiram que você sorria.

No entanto, os macacos interpretam as nossas expressões faciais com a sua própria linguagem, e nós fazemos o mesmo. Com diferentes linguagens faciais, a nossa ignorância pode levar ao estresse dos animais ou até mesmo a provocá-los sem intenção, algo que também explica que os macacos roubam por nossa culpa.

O estudo foi realizado através de um questionário online, no qual foi avaliada a capacidade dos entrevistados de diferenciar emoções distintas em macacos através do seu rosto.

Este questionário foi feito para pessoas que só haviam visto esses animais ocasionalmente ou nunca. Alguns deles receberam um pequeno simulado para entender algumas das expressões.

O estudo também foi realizado com pessoas que trabalharam pelo menos dois meses com esta espécie, e descobriu que a maioria das pessoas que não conhecia a espécie não identificava bem as emoções desses animais, e que essa capacidade melhorava com imagens simples que podem ser incluídas em cartazes.

Curiosamente, alguns turistas costumam identificar as ameaças dos macacos, como beijos e até expressões de medo, como sorrisos. Isso tem consequências importantes, uma vez que são comportamentos que nos convidam a se afastar, e alguns turistas parecem entendê-los como algo amigável.

Maréchal, L., Semple, S., Majolo, B., Qarro, M., Heistermann, M., & MacLarnon, A. (2011). Impacts of tourism on anxiety and physiological stress levels in wild male Barbary macaques. Biological Conservation144(9), 2188-2193.