A incrível odisseia das borboletas-monarca

· março 11, 2019
As famosas borboletas-monarca são conhecidas por sua cor laranja brilhante e pela migração em massa que algumas delas fazem para escapar do inverno. Viajam mais de 5 mil quilômetros, desde o Canadá até o centro do México.

As borboletas-monarca são uma das espécies de borboletas mais conhecidas do mundo. Isto é devido à sua característica cor laranja e sua longa rota migratória anual. Este inseto vive em quase toda a América, do Canadá ao norte da América do Sul.

Coloração das borboletas-monarca

As borboletas-monarca (Danaus archippus) adultas têm a coloração brilhante. A parte externa de suas asas é laranja, entrelaçada com linhas pretas. Em contraste, a parte interna de suas asas é laranja opaca.

Essa distinção de cores ajuda as borboletas-monarcas a sobreviver. A parte interna, devido à sua opacidade, ajuda a camuflá-la na casca das árvores e outras superfícies.

Da mesma forma, a parte externa das asas é muito mais brilhante para alertar sobre seu gosto desagradável para os potenciais predadores, por ter altos níveis de toxicidade em seu corpo.

Esse tipo de aviso para os predadores é chamado de aposematismo ou coloração de alerta. É uma estratégia evolutiva porque a maioria dos predadores associa cores vivas, como laranja e amarelo, com veneno.

No caso das borboletas-monarca, elas contêm cardioglicosídeos dentro de seu corpo, uma substância que é venosa para alguns animais.

Esta propriedade é adquirida pela borboleta-monarca quando ela come plantas de serralha, quando estão ainda na forma de lagarta. No entanto, existem algumas espécies de aves e roedores que são imunes a esse tipo de veneno.

Borboleta-monarca

Ciclo de vida das borboletas-monarca

As borboletas-monarca podem medir entre 8 e 10 centímetros, e a distinção entre macho e fêmea é facilmente reconhecível.

Os machos são um pouco maiores e têm uma mancha preta no centro de cada asa, na parte posterior. Os adultos pesam aproximadamente 0,5 gramas.

As borboletas-monarca passam por quatro etapas principais:

  1. Tudo começa com o depósito dos ovos nas folhas de algumas plantas do gênero Asclepias, mais conhecidas como serralha. Os ovos não medem mais do que 2 milímetros e eclodem depois de um período que vai de quatro a oito dias.
  2. Larvas emergem dos ovos, e elas se alimentam da folha onde foram depositadas pela mãe, eventualmente se tornam lagartas robustas com um padrão listrado amarelo, preto e branco em toda a sua superfície. Na fase de lagarta, elas permanecem por mais ou menos duas semanas, dependendo da quantidade de comida que consomem.
  3. Quando elas estão suficientemente alimentadas, as lagartas se preparam para formar sua crisálida, o que lhes permitirá começar o seu processo de metamorfose. A crisálida é verde limão, com manchas douradas e uma faixa preta. Este processo dura dez dias.
  4. No final da transformação, da crisálida vem a borboleta-monarca, que tem um tempo de vida estimado dependendo do momento de seu nascimento. Aquelas que nascem no início da primavera e no verão vivem entre duas e seis semanas. No entanto, aquelas nascidas no final do verão e no início do outono vivem até oito meses. São essas borboletas-monarca que fazem a grande odisseia: a migração massiva do Canadá para o México e depois retornam.

Migração em massa das borboletas-monarca

As borboletas-monarca norte-americanas nascidas no final do verão são aquelas que fazem uma migração massiva do Canadá para o centro do México ou para a Califórnia.

A distância excede 5.000 quilômetros de distância. Isso é feito para fugir do inverno, então a cada outono elas começam a sua jornada e depois retornam na primavera seguinte.

Borboletas-monarca

Existem duas grandes rotas migratórias para as borboletas-monarca. A mais conhecida é a que vai do sul do Canadá até o centro do México, no estado de Michoacán.

A outra rota é aquela que vai do sul do Canadá até a costa da Califórnia, nos Estados Unidos. Cerca de 90% das borboletas-monarcas nascidas no Canadá participam da primeira rota, enquanto os 10% restantes seguem a segunda rota.

Para se orientar, as borboletas-monarcas fazem uso da posição do sol e da intensidade da luz solar.

Mas ainda é um mistério total como essa bússola biológica funciona exatamente, porque ainda não se sabe como as borboletas processam a luz através dos seus olhos.

Este é um dos grandes mistérios de como as borboletas-monarca realizam a sua migração massiva a cada ano em busca de lugares mais quentes.

Mais sobre a migração

Embora as borboletas norte-americanas sejam as mais famosas, elas também existem em outras partes do mundo, como em todo o norte da América do Sul (Venezuela e Colômbia) e no sul da Flórida.

Além disso, elas foram introduzidas nos últimos anos na Austrália, Nova Zelândia, Havaí e Espanha.

Atualmente, as borboletas-monarca são consideradas ameaçadas, já que a cada ano o grupo que faz a migração em massa é cada vez mais reduzido. Essa diminuição é devida a vários fatores, e o ser humano é a principal causa.

O fator que as afeta mais diretamente é a falta de plantas de serralha, devido ao desmatamento excessivo. Além disso, nas últimas décadas, tem sido demonstrado que a aplicação de herbicidas direcionados a campos agrícolas diminuiu a sua população.

  • Pyle, Robert Michael (2001). Perseguindo Monarcas: Migrando com as Borboletas da Passagem . Livros Houghton Mifflin.
  • Brower, Lincoln (1999). Para entender a migração da borboleta monarca, 1857-1995 . México DF: Instituto Nacional de Ecologia.