O abutre-do-egito: habitat, características e curiosidades

Os abutres-do-egito tendem a mudar a cor de sua plumagem à medida que crescem. Por isso, os jovens possuem um corpo marrom com cinza azulado, que adota a coloração branca dos adultos graças às suas respectivas alterações.
O abutre-do-egito: habitat, características e curiosidades
Cesar Paul Gonzalez Gonzalez

Revisado e aprovado por o biólogo Cesar Paul Gonzalez Gonzalez.

Última atualização: 19 dezembro, 2022

O abutre-do-egito, ou também conhecido como britango, abutre-branco-do-egito e galinha-de-faraó, é uma ave com aparência peculiar endêmica da África, Europa e Índia. Embora fosse uma espécie bastante comum na Espanha, atualmente sua população sofreu muitas baixas devido ao uso de veneno em animais.

O nome científico desta espécie é Neophron percnopterus. Pertence à família Accipitridae, que se caracteriza por conter grande parte das aves de rapina diurnas, como águias, falcões e abutres. Continue a leitura e descubra mais sobre o abutre-do-egito.

Habitat e distribuição

Embora a distribuição natural do abutre-do-egito seja restrita ao sul da Europa, Ásia e norte da África, existem algumas populações isoladas nas Ilhas Canárias e Cabo Verde. Constuma frequentar áreas montanhosas e rochosas com falésias muito profundas. No entanto, pode se adaptar a outras áreas diferentes com a única condição de que seu habitat esteja limpo e não haja populações humanas.

Abutre egípcio em terra.

Características do abutre-do-egito

Ao contrário do que se observa com outras aves de rapina, o abutre-do-egito é um espécime de tamanho médio com poucos traços predatórios. Em média, mede cerca de 60 centímetros de comprimento e pouco mais de 160 centímetros de envergadura. Apresenta um rosto amarelo que faz parecer que está usando uma máscara, além de plumagem branca com algumas regiões creme, marrom e preta.

Outra grande diferença entre o abutre-do-egito e outras aves de rapina é seu peculiar bico curvo, que termina em ponta e não tem a função de rasgar a carne de sua presa. De fato, os espécimes usam o bico para selecionar seus alimentos ou capturar pequenos insetos.

Alimentação

Como outros abutres, a dieta do abutre-do-egito é baseada no consumo de corpos em decomposição (carniça). No entanto, como seu tamanho é muito menor do que o de outras aves de sua espécie, geralmente é o último a se aproximar para comer os restos mortais. Por isso, seleciona criteriosamente as partes mais nutritivas de suas presas e continua sua busca para tornar sua alimentação mais eficiente.

Embora seja verdade que na maioria das vezes é um necrófago, esta ave também é capaz de caçar e matar alguns pequenos animais feridos ou doentes. O único problema com isso é que o abutre-do-egito não consegue rasgar a carcaça, então precisa que outros pássaros necrófagos cheguem para terminar o trabalho.

Em alguns casos, o abutre-do-egito opta por procurar comida em lixões e aterros sanitários para facilitar a sua alimentação. É até capaz de ingerir os excrementos do gado doméstico. Desta forma, aproveita a matéria orgânica em decomposição sem ter que esperar que outras aves o ajudem, o que lhe poupa trabalho e lhe dá mais alternativas para sua dieta.

Comportamento

Como o abutre-do-egito precisa de outras aves de rapina em seu ambiente para poder se alimentar bem, ele tende a viver perto de espécies semelhantes. Por esta razão, é possível observá-lo vivendo em grupos ou sozinho, dependendo da disponibilidade de recursos que existem em seu habitat.

Alguns exemplares exibem diferentes voos de alerta para proteger seus ninhos da presença de predadores. No entanto, eles só fazem isso durante a época de reprodução, já que em outras épocas são mais tolerantes à presença de diferentes espécies animais.

Abutre egípcio em voo

Reprodução

O abutre-do-egito é uma ave monogâmica que escolhe um único parceiro para toda a sua vida. Reproduz-se uma vez por ano e a época de acasalamento varia de acordo com a região em que vive, embora geralmente ocorra entre os meses de março e maio.

Quando os exemplares atingem a maturidade sexual, o macho começa a cortejar a fêmea através de demonstrações de voo com vários mergulhos. Isso serve para atrair a atenção de seu parceiro em potencial e demonstrar suas habilidades físicas. Se a fêmea aceitar, ela irá segurar as garras do macho durante sua descida e eles voarão juntos por alguns momentos para estabelecer a relação.

Os abutres-do-egito costumam nidificar em falésias e vales rochosos, o que os protege de alguns dos predadores comuns em seu habitat. Além disso, eles usam os restos de pelos de animais, galhos e ossos para construir seu ninho. Graças a isso, os filhotes ficarão bem quentinhos e protegidos mesmo estando nas alturas.

As fêmeas põem em média dois ovos por estação e sua incubação dura cerca de 45 dias. Uma vez que os filhotes eclodem, a mãe cuidará deles enquanto o macho os fornecerá comida e guardará o território próximo. Esses filhotes deixarão o ninho aos 3 meses de idade e se tornarão independentes aos 4 meses.

Problemas com a população de abutres-do-egito

Acredita-se que existam entre 10 mil e 100 mil abutres-do-egito atualmente, embora sua população pareça estar em constante declínio. A principal causa deste problema é a caça indiscriminada e o uso de pesticidas ilegais, o que fez com que se tornasse uma espécie rara em várias áreas de Espanha e Portugal.

A União Internacional para a Conservação da Natureza classificou o abutre-do-egito como uma espécie ameaçada de extinção. Por esse motivo, vários países têm realizado ações para tentar entender e remediar o risco enfrentado por essa ave. Ainda é cedo para saber se essas medidas funcionarão, mas sem elas é claro que esta bela ave estaria destinada à extinção.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Rosenblatt, E. (2007). “Neophron percnopterus” (On-line), Animal Diversity Web. Recuperado el 27 de septiembre de 2022, disponible en: https://animaldiversity.org/accounts/Neophron_percnopterus/
  • BirdLife International. (2021). Neophron percnopterus. The IUCN Red List of Threatened Species 2021: e.T22695180A205187871. https://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2021-3.RLTS.T22695180A205187871.en.
  • Donázar, J. A., Ceballos, O., & Tella, J. L. (1996). Communal roosts of Egyptian vultures (Neophron percnopterus): dynamics and implications for the species conservation. Biology and conservation of Mediterranean raptors. Madrid: SEO BirdLife, 190-201.
  • Donazar, J. A., Ceballos, O., & Tella, J. L. (1994). Copulation behaviour in the Egyptian Vulture Neophron percnopterus. Bird study, 41(1), 37-41.

Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.