A alimentação do basilisco e suas características

setembro 19, 2019
O basilisco é um animal com um aparência tão impressionante que gerou inúmeras histórias e fábulas. No entanto, ele é muito mais do que um mito ou um enigma da floresta tropical.

Os penetrantes olhos amarelos que se destacam em sua maravilhosa pele verde esmeralda tornam o basilisco uma criatura temida e reverenciada. Ele é, sem dúvida, um dos enigmas naturais da floresta tropical. Neste artigo, falaremos sobre a alimentação do basilisco e suas características.

A morfologia do basilisco lembra um dragão. A beleza deste animal alimenta a lenda do reptiliano fictício com base no qual foi nomeado, incluindo a crença de que apenas um olhar seu pode transformar quem o observa em pedra.

Respeitado ao longo dos séculos, até hoje alguns índios nativos acreditam que o basilisco moderno possui poderes fantásticos.

Beleza brilhante

O basilisco verde ou de crista dupla (Basiliscus plumifrons) deve seu nome à palavra grega basiliskos, que significa “pequeno rei”. Este nome se refere ao ornamento em sua cabeça, semelhante a uma coroa. Esta espécie a mais bonita das quatro reconhecidas no gênero.

Suas cores são intensas tonalidades de verde elétrico, tipicamente estampadas com manchas brancas, amarelas ou azuis espalhadas.

O macho do Basiliscus plumifrons, vestido com um par de altas cristas cranianas e velas vertebrais que percorrem o comprimento do corpo e da cauda, ​​certamente impressiona. Sua aparência única foi o que lhe deu tanto destaque na cultura popular.

A fêmea tem uma forma muito menos impressionante e possui uma crista craniana menor – às vezes ausente – e uma crista vertebral modesta. De tamanho moderado, o basilisco atinge entre 60 e 77 centímetros de comprimento, dois terços dos quais correspondem à cauda.

A agilidade, sua característica distintiva

Os basiliscos são ágeis e são “equipados” com dedos longos que terminam em unhas afiadas, o que lhes permite subir rapidamente em árvores. 

Os dedos traseiros estão alinhados com pequenas escamas voltadas para baixo. Esse recurso aumenta a área da superfície do dedo do pé contra a superfície da água, e é o “truque” que permite que o basilisco corra na água, uma de suas características mais notáveis.

No entanto, ela também foi observada em espécies de evolução convergente, como é o caso dos lagartos de barbatana do Velho Mundo, do gênero Hydrosaurus. Devido a essa habilidade, eles também são conhecidos como lagartos Jesus Cristo.

Basilisco verde

Habitat natural e reprodução

Os membros do gênero Basiliscus são encontrados na América Central, do sul do México ao norte da América do Sul. Especificamente, o basilisco de crista dupla é encontrado da Guatemala à Costa Rica.

Ele costuma ser visto ao longo de grandes cursos de água e enseadas, cercados por florestas exuberantes e densas. Embora possa ser encontrado em uma copa de árvore a uma altura de 15 metros, o basilisco normalmente fica exposto perto da água para caçar ou escapar do perigo que se aproxima.

As fêmeas grávidas preparam uma vala rasa onde depositam até 20 ovos. A mãe deixa os ovos sem vigilância e os filhotes nascem com a capacidade de correr, escalar e nadar.

A alimentação do basilisco na vida selvagem

Uma grande variedade de alimentos foi encontrada nos estômagos de basiliscos selvagens, incluindo peixes, sapos, lagartos e pássaros. A alimentação do basilisco também inclui invertebrados, como camarões, formigas, besouros, moscas, gafanhotos, lagostas, grilos e lagostins.

Quanto à matéria vegetal na dieta selvagem, verificou-se que o basilisco ingere sementes, frutas, bagas e folhas. Assim, podemos afirmar que o basilisco verde é onívoro.

A alimentação do basilisco na vida selvagem

A alimentação do basilisco em cativeiro

Em cativeiro, a alimentação do basilisco é baseada principalmente em insetos vivos. O núcleo da dieta fornecida costuma ser rico em proteínas e relativamente fácil de digerir. Sabe-se que os grilos marrons são os que eles aceitam melhor, mas você também pode usar grilos pretos, baratas ou gafanhotos.

Às vezes, para variar um pouco a alimentação do basilisco, outros insetos, como larvas de farinha, vermes de cera ou larvas de moscas desidratadas, conhecidas como calciworms, podem ser oferecidos.

É preciso borrifar água no viveiro todas as manhãs para fornecer hidratação e simular um ambiente tropical. Um recipiente de água também pode ser introduzido como fonte de água doce.

Suplementos alimentares do basilisco

Para fornecer aos basiliscos verdes uma nutrição ideal e mantê-los com boa saúde, é necessário fornecer suplementos alimentares na forma de cálcio, vitaminas e minerais. Estes são mais comumente disponíveis em pó.

O cálcio deve complementar a dieta do basilisco diariamente e deve ser polvilhado diretamente sobre os alimentos. Vitaminas podem ser fornecidas diariamente para basiliscos jovens, mas os adultos só precisarão delas a cada dois dias.

Qualquer alimento vivo oferecido ao basilisco também deve ser ‘carregado’ com alimento para insetos. Basicamente, isso envolve alimentar os alimentos vivos com uma dieta rica em nutrientes antes de oferecê-los ao basilisco. Alguns locais já fornecem o alimento vivo ‘carregado’.

  • Hsieh, S. T. (2003). Three-dimensional hindlimb kinematics of water running in the plumed basilisk lizard (Basiliscus plumifrons). Journal of Experimental Biology, 206(23), 4363-4377.
  • Lattanzio, M. S., & LaDuke, T. C. (2012). Habitat use and activity budgets of emerald basilisks (Basiliscus plumifrons) in northeast Costa Rica. Copeia, 2012(3), 465-471.
  • Campos, L. D. A. (2016). Reptiles de la cuenca del río Unión, Valle de El General, Costa Rica. Research Journal of the Costa Rican Distance Education University (ISSN: 1659-4266), 8(2), 127-129.
  • Macip-Ríos, R., & Muñoz-Alonso, A. (2008). Diversidad de lagartijas en cafetales y bosque primario en el Soconusco chiapaneco. Revista mexicana de biodiversidad, 79(1), 185-195.