É assim que as anêmonas-do-mar liberam seus ferrões venenosos

Um estudo revelou como esses animais atiram seus ferrões venenosos, um processo sobre o qual tínhamos apenas uma breve noção até agora.
É assim que as anêmonas-do-mar liberam seus ferrões venenosos
Sara González Juárez

Revisado e aprovado por a psicóloga Sara González Juárez.

Última atualização: 09 outubro, 2022

As anêmonas-do-mar, aqueles animais que parecem plantas à primeira vista, são capazes de lançar ferrões venenosos a uma velocidade vertiginosa. De fato, eles são tão  rápidos que não foi possível estudar detalhadamente a arquitetura dessas armas naturais até agora.

Neste artigo você confere em detalhes como funciona todo esse processo. Não perca nada, pois aqui está a demonstração de que a complexidade pode existir nas coisas mais distantes da nossa percepção. Vamos lá!

O que é uma anêmona-do-mar?

A primeira coisa será conhecer mais detalhadamente os animais que são os protagonistas do estudo. As anêmonas são cnidários que pertencem à ordem Actiniaria e são parentes dos corais e das águas-vivas. Como o próprio nome indica, elas vivem no mar, especificamente na parte inferior, onde aderem ao substrato ou rochas graças ao seu disco de pedal.

São pólipos solitários que se elevam acima de seu corpo cilíndrico para estender seus tentáculos ao redor de seu disco oral, onde está localizada a abertura para o sistema digestivo. É nesses tentáculos que se encontram suas armas, os nematocistos.

Nematocistos, armas naturais altamente complexas

Um nematocisto é uma organela subcelular criada por cnidócitos, células especializadas na criação desses ferrões. Eles estão presentes em cnidários no geral, não apenas nas anêmonas, então você também pode ler sobre eles se estudar, por exemplo, sobre águas-vivas venenosas.

Como sua finalidade é inocular veneno (ou ancorar-se ao fundo do mar em caso de corrente), os nematocistos apresentam-se na forma de uma cápsula fina presa a um fio tubular. Alguns deles possuem pequenas espículas que funcionam como um arpão, ou seja, penetram facilmente na presa, mas não saem.

Nem todos os nematocistos têm espículas, pois alguns são feitos para perfurar a pele da presa e retrair rapidamente.

Desvendado o mistério de como as anêmonas-do-mar lançam seus ferrões

Esse processo, no qual os cnidários disparam seus nematocistos, é tão rápido que nas anêmonas-do-mar só se tinha uma noção aproximada de seu funcionamento. Em junho de 2022, foi totalmente detalhado tanto seu mecanismo quanto sua arquitetura, conforme confirmado pelo estudo publicado na revista Nature.

A espécie utilizada para o experimento foi Nematostella vectensis, nativa de lagoas salgadas e estuários rasos na costa oeste dos Estados Unidos. Seus tentáculos estão armados com centenas de ferrões venenosos (nematocistos) que ajudam essa anêmona-do-mar a caçar suas presas, incluindo camarões e plânctons em seu ambiente.

Nematostella vectensis é capaz de pegar sua comida em um centésimo de segundo. Como você pode imaginar, foi preciso alguma engenhosidade e tecnologia moderna para acompanhar todo o processo em detalhes.

A mecânica do disparo de nematocistos

Para registrar todo o processo pelo qual essas anêmonas-do-mar liberavam seus ferrões, os cientistas usaram um corante fluorescente inoculado nos corpos dos animais e tecnologia de microscopia eletrônica de varredura. Foi assim que eles conseguiram uma reconstrução tridimensional de todo o processo.

O fio que emerge da picada é responsável por inocular o veneno. Antes de deixar o nematócito, ele fica enrolado em torno de um eixo central. Esse eixo é aquele que é acionado por estímulos mecânicos, estendendo-se e girando como uma meia. Graças a esse impulso, o filamento que contém o veneno corre em direção ao final do eixo, entrando junto com ele no corpo de sua vítima.

A taxa de descarga do nematocisto se deve ao acúmulo de pressão osmótica dentro da cápsula.

Uma vez que a anêmona-do-mar Nematostella vectensis dispara seu ferrão dessa maneira, ela o perde. Em seguida, tem que recriar outro, um processo realizado por células chamadas nematócitos. Estas também são as cápsulas que estouram para liberar o nematocisto.

A importância desta descoberta

Este estudo demonstra a complexidade do mecanismo de disparo do nematocisto, que funciona como uma microestrutura biológica automontada. Conhecer todo esse processo em detalhes não apenas revela mais um mistério da natureza, mas também abre todo um campo de estudo no qual os humanos, mais uma vez, a imitam para melhorar nossas vidas.

Essas organelas altamente sofisticadas são um modelo ideal para dispositivos de microescala. A tecnologia médica, por exemplo, se beneficiaria muito de um dispositivo em escala microscópica que disparasse substâncias em certos estímulos.

Neste tipo de estudo está a prova de que devemos continuar buscando naqueles planos que estão fora de nossa percepção. Libertar-nos da ideia de que somos os seres mais complexos da Terra é essencial para continuar entendendo o mundo e melhorando nossas vidas.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Karabulut, A., McClain, M., Rubinstein, B., Sabin, K. Z., McKinney, S. A., & Gibson, M. C. (2022). The architecture and operating mechanism of a cnidarian stinging organelle. Nature communications13(1), 1-12.
  • Nematostella vectensis. (s. f.). Animal Diversity Web. Recuperado 24 de agosto de 2022, de https://animaldiversity.org/accounts/Nematostella_vectensis/

Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.