Os 5 animais menos inteligentes

Você já se perguntou o que torna um animal inteligente ou não? Aqui vamos começar pela base: aqueles que ainda não têm um nível cognitivo avançado demonstrado.
Os 5 animais menos inteligentes

Última atualização: 22 abril, 2022

A inteligência não humana tem sido objeto de estudo e debate há séculos. As maneiras pelas quais certas espécies desafiam as barreiras do antropocentrismo são fascinantes, mas também existem animais menos inteligentes que também devem ser objeto de estudo e aprendizado.

Mas o que torna um ser vivo inteligente? É uma pergunta mais difícil de responder do que parece. Por esse motivo, neste artigo você encontrará uma revisão sobre o que se sabe nessa área, mas voltado para aqueles animais que parecem não atender aos critérios para serem considerados inteligentes. Vamos lá!

O que é a inteligência?

Essa é a primeira pergunta que deve ser respondida, mas como tudo relacionado à mente, a inteligência é intangível e impossível de ser medida diretamente. Portanto, sua definição exata está em contínuo avanço e debate.

Considerando uma caracterização geral do termo aplicável a todos os animais, a inteligência pode ser definida como a capacidade de operar em seu ambiente natural, aplicando novas soluções aos seus problemas. Nesse sentido, certamente você está pensando em golfinhos, corvos, macacos e elefantes.

Os não humanos mais inteligentes, além de atenderem a esse critério, têm um caminho evolutivo mais longo atrás deles. Dessa forma, eles têm uma adaptabilidade ao ambiente mais desenvolvida do que os animais menos inteligentes, sobre os quais você aprenderá a seguir. Não perca!

Quais são os animais menos inteligentes?

Assim como é difícil medir o nível intelectual em animais que parecem ter um alto nível cognitivo, é quase impossível aplicar testes de inteligência a outros. Em outras palavras, testar uma água-viva, por exemplo, não é algo que dê resultados confiáveis.

Por esse motivo, a maioria das afirmações sobre a inteligência dos animais que você verá a seguir são baseadas no estudo de seu comportamento e biologia, não em estudos específicos a esse respeito. Mesmo assim, não perca o que vem a seguir.

1. Água-viva

As águas-vivas, longe de ser possível testar sua inteligência, são consideradas um dos animais menos inteligentes que existem porque não possuem cérebro ou sistema nervoso central. São espécies que não tiveram que evoluir desde que começaram a se mover pelos mares.

No entanto, são um modelo de estudo muito interessante, pois são consideradas os primeiros animais a ter locomoção baseada em neurônios e músculos. De fato, elas não são capazes de solucionar palavras-cruzadas, mas podem otimizar sua natação de maneiras muito bem configuradas.

Água-viva: um dos animais menos inteligentes.

2. Esponjas

Foram necessários alguns anos de estudo para classificar as esponjas marinhas como animais. Isso ocorreu porque elas não possuem nenhum tipo de tecido próprio, como muscular, nervoso ou digestivo. Em vez disso, possuem células diferentes especializadas para cada função biológica.

As esponjas não se movem e não possuem sistema nervoso central. É impossível medir a inteligência de um animal cujas células simplesmente se reorganizam de acordo com estímulos externos.

3. Estrela-do-mar

Um dos tipos mais estranhos de reprodução ocorre nas estrelas.
Muitas estrelas-do-mar têm ciclos que alternam a reprodução sexuada e assexuada.

As estrelas-do-mar têm muitas particularidades: não têm sangue, regeneram os braços, reproduzem-se por partenogênese, a boca e a cloaca são a mesma abertura e têm um olho na ponta de cada extremidade. Além de tudo isso, elas não têm cérebro.

Acredita-se que os animais que não possuem um cérebro desenvolvido simplesmente exibem padrões de comportamento inatos. No entanto, observou-se que esses padrões são flexíveis em algumas ocasiões, como ao tentar evitar obstáculos.

4. Anfioxo lanceolado (Branchiostoma lanceolatum)

Esse curioso animal é considerado um exemplo da transição evolutiva entre invertebrados e vertebrados. É um animal marinho, sem crânio ou cérebro diferenciado. Possui um sistema nervoso formado por um cordão dorsal que nem sequer é protegido por vértebras.

Esses animais têm um comportamento um pouco mais complexo do que os anteriores, então sua inteligência ainda está pendente de avaliação. O comportamento de desova tem sido estudado nessa espécie, sobretudo por ser a mais fácil de observar em cativeiro.

5. Anelídeos

Esse grupo de animais invertebrados, ao qual pertencem as minhocas, caracteriza-se por não possuir cérebro. Seu sistema nervoso é constituído por uma cadeia ventral da qual se ramificam os nervos laterais.

Embora os anelídeos não tenham cérebro como tal, a verdade é que a sua antiguidade evolutiva e a grande variedade de espécies existentes deram origem a muitos focos de estudo. Como estão distribuídos entre as diferentes espécies do planeta, foram encontrados diversos exemplos de adaptações interessantes que orientam o estudo relativo à inteligência desses animais.

O debate sobre a inteligência animal

Existem vários critérios que os humanos estabeleceram para considerar uma espécie inteligente: quociente de encefalização, presença ou ausência de um sistema nervoso, status evolutivo e muitos outros. No entanto, longe de fornecer respostas, o campo da inteligência levanta mais questões a cada nova descoberta.

As mentes do tipo colmeia são um ótimo exemplo disso: organismos individuais operando como um grande cérebro coletivo, como formigas ou abelhas.

Por isso, afirmar que esses são os animais menos inteligentes parece ser algo sujeito ao avanço da ciência. Porque você já parou para pensar quantos tipos de inteligência existem? O ser humano pode ser considerado o ser mais inteligente do planeta? Não há conhecimento sobre suas necessidades em relação ao resto das espécies, então só podemos esperar que o futuro ilumine todas as nossas dúvidas.

This might interest you...
A inteligência e a realidade emocional dos cães
Meus Animais
Leia em Meus Animais
A inteligência e a realidade emocional dos cães

Quanto você sabe sobre inteligência em cães? Nossos amigos têm a capacidade de aprender, pensar e resolver problemas. Saiba mais aqui!



  • Migita, M., Mizukami, E., & Gunji, Y. P. (2005). Flexibility in starfish behavior by multi-layered mechanism of self-organization. Biosystems82(2), 107-115.
  • Dabiri, J. O., Colin, S. P., Katija, K., & Costello, J. H. (2010). A wake-based correlate of swimming performance and foraging behavior in seven co-occurring jellyfish species. Journal of Experimental Biology213(8), 1217-1225.
  • Pallasdies, F., Goedeke, S., Braun, W., & Memmesheimer, R. M. (2019). From single neurons to behavior in the jellyfish Aurelia aurita. Elife8, e50084.
  • Glasby, C. J., Erséus, C., & Martin, P. (2021). Annelids in extreme aquatic environments: diversity, adaptations and evolution. Diversity13(2), 98.