Antilocapra ou antílope-americano: características, habitat e alimentação

O antilocapra não é um antílope, mas se parece muito com seus parentes africanos e eurasiáticos. Infelizmente, sua subespécie corre sério risco de desaparecer.
Antilocapra ou antílope-americano: características, habitat e alimentação

Última atualização: 24 Abril, 2021

O antilocapra (Antilocapra americana) é uma espécie de mamífero artiodátilo endêmico da América do Norte. Esses animais habitam planícies sem árvores, pastagens secas e chaparrais do Canadá ao México, bem como na Baixa Califórnia e no Arizona. Esse belo e gracioso mamífero também possui uma subespécie endêmica do deserto de Sonora (México).

Os antilocapras vivem aproximadamente 16 anos e realizam movimentos regionais muito marcados, dependendo das condições climáticas ambientais. Se você quiser saber mais sobre esse belo e enigmático animal, continue lendo.

Taxonomia e filogenia de antilocapra

O antilocapra (Antilocapra americana) é um mamífero que se encontra na ordem dos artiodátilos, ou seja, aqueles animais que possuem um par de dedos em cada pata. Em geral, os artiodátilos se apoiam nos dedos 3 e 4, enquanto o restante fica atrofiado.

Na ordem Artiodactyla encontramos espécies que servem de modelo, como porcos, vacas, cabras e ovelhas. Também se encontra aqui a subfamília Antilopinae, que se refere a antílopes típicos, como gazelas e saigas. A título de curiosidade, vale a pena dizer que esse grupo inclui também todos os cetáceos.

Apesar do seu nome científico, é necessário enfatizar que o antilocapra não é um antílope. Pertence à subfamília Antilocaprinae, enquanto seus companheiros velozes de 4 patas são Antilopinae. É o único representante vivo de seu grupo, embora na época do Pleistoceno houvesse muito mais espécies.

A subespécie de antilocapra

Quando falamos de taxonomia, não podemos deixar para trás a única subespécie conhecida de antilocapra, a Antilocapra americana sonoriensis. Embora a espécie em geral não esteja ameaçada, encontra-se em claro perigo de extinção, uma vez que se estima que existam menos de 200 espécimes reprodutivos dentro da faixa de distribuição.

Essa espécie é endêmica do deserto de Sonora, no México. Infelizmente, grande parte de seu habitat é ocupado pela BMRG, uma entidade governamental ativa que usa suas técnicas de bombardeio na área. Por essa e muitas outras razões, a conservação dessa subespécie de antilocapra é uma questão muito delicada.

O antilocapra é um dos mamíferos mais rápidos do mundo.

Descrição física e costumes

Os antilocapras são pequenos ungulados com corpo em forma de barril. As fêmeas têm uma distância de 86 centímetros entre os ombros e o solo, enquanto os machos são um pouco maiores, com uma distância de cerca de 87,5 centímetros. De comprimento, seu tamanho médio aproximado é de um metro e meio e os últimos 10 centímetros correspondem a uma pequena cauda.

Sua pelagem é densa e muito espessa, castanha no dorso e esbranquiçada no ventre e pescoço. A tonalidade branca também está presente ao redor do focinho e das orelhas, conferindo ao animal uma espécie de “máscara” no rosto. As populações do sul são mais claras do que as do norte, uma característica que ajuda a diferenciá-las claramente.

Esse animal é estritamente herbívoro e prefere forragear em áreas abertas entre 900 e 1800 metros acima do nível do mar. Além disso, o antilocapra se alimenta de vegetais que são potencialmente tóxicos para as espécies animais que vivem em rebanhos, por isso não compete com elas no que diz respeito à alimentação.

Uma planta conhecida em outros países como forbia é o seu vegetal favorito, compondo 62% de sua dieta.

Outras curiosidades sobre o antilocapra

O antilocapra é o mamífero mais rápido em todo o hemisfério ocidental da Terra. Sua velocidade depende do momento da corrida em que é medido, mas valores tão altos quanto 88,5 quilômetros por hora foram detectados em um sprint de 800 metros de distância. Com esses números, ele se torna um dos animais mais rápidos do mundo.

Além disso, deve-se observar que o sistema de reprodução do antilocapra é polígamo, ou seja, os machos se reproduzem com mais de uma fêmea. Eles defendem um território no qual as fêmeas entram ou, em sua ausência, dominam um harém. Em sua distribuição sudeste, a espécie inicia a fase reprodutiva em julho e cessa em meados de setembro.

O período de gestação das fêmeas fecundadas é de 252 dias e é um fenômeno sincrônico, pois todas dão à luz com poucos dias de diferença. Os partos acontecem na primavera e, curiosamente, as fêmeas de primeira viagem têm apenas um filhote, enquanto as que já passaram por pelo menos uma gravidez dão à luz gêmeos.

Os machos do antilocapra são muito territoriais durante a época de acasalamento. Os dominantes controlam haréns inteiros de fêmeas.

Um antilocapra no mato.

Um animal tão bonito quanto misterioso

O antilocapra é um claro exemplo de evolução paralela, uma vez que ocupa o mesmo nicho ecológico dos antílopes, típico das regiões da africanas e da eurasiáticas. Apesar de terem divergido desses mamíferos há milhares de anos, o antilocapra e o antílope têm muitas características comuns.

Além disso, deve-se destacar que essa espécie é o símbolo da American Society of Mammalogists (ASM), devido à sua importância ecológica e fama nos Estados Unidos. Embora as populações normais estejam em boas condições de saúde, devemos lembrar que a subespécie Antilocapra americana sonoriensis está atualmente em sério perigo.

Pode interessar a você...
O antílope-negro e seu ciclo reprodutivo
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
O antílope-negro e seu ciclo reprodutivo

O antílope-negro é uma espécie nativa das planícies da Índia. Descubra mais sobre esse animal cobiçado por causa dos seus longos chifres.



  • Gavin, S. D., & Komers, P. E. (2006). Do pronghorn (Antilocapra americana) perceive roads as a predation risk?. Canadian journal of Zoology, 84(12), 1775-1780.
  • O’gara, B. W. (1969). Unique aspects of reproduction in the female pronghorn (Antilocapra americana Ord). American Journal of Anatomy, 125(2), 217-231.
  • O’Gara, B. W. (1990). The pronghorn (Antilocapra americana). In Horns, pronghorns, and antlers (pp. 231-264). Springer, New York, NY.