Aplicação de antiparasitários em bovinos

março 27, 2019
O uso de agentes antiparasitários em bovinos impede que o gado sofra infecções na pele, membranas mucosas, olhos, pulmões e feridas, além de outros órgãos.

No campo, é muito importante cuidar dos animais para que eles permaneçam saudáveis ​​e fortes. Assim, é possível garantir uma produção consistente e o abastecimento das cidades. Nesse contexto, a aplicação de antiparasitários em bovinos é fundamental. Por isso, hoje vamos te mostrar quais são os mais usados atualmente.

Quais doenças parasitárias acometem o gado?

Podemos dividir as doenças causadas por parasitas em dois grandes grupos: externos (ectoparasitas) e internos (endoparasitas).

Nesse contexto, entre as externas, estão: as patologias transmitidas por insetos hematófagos, que se alimentam de sangue, como as moscas tsé-tsé, pulgas, piolhos, moscas e mosquitos.

As bicheiras (miíases) estão entre os parasitas externos mais temidos na agropecuária. Afinal, podem infectar a pele, membranas mucosas e feridas, uma vez que o inseto põe ovos e as larvas se reproduzem nesses tecidos.

Além disso, carrapatos e ácaros que causam sarna também são organismos com os quais se deve ter muito cuidado.

Por sua vez, os parasitas internos mais comuns em bovinos são os nemátodos gastrointestinais. Entre eles, destacam-se, os seguintes: Bunostomum, Cooperia, Haemonchus, Toxocaran vitulorum e Trichuris.

Adicionalmente, alguns nematoides afetam os pulmões, pele, olhos e outros órgãos do animal. Nesse grupo, trematódeos e cestódios são dois tipos de parasitas internos que podem afetar vacas, bois, búfalos, ou bisontes.

Aplicação externa de antiparasitários para bovinos
Antiparasitários em bovinos: aplicação externa

Existem diferentes maneiras de aplicar antiparasitários em bovinos de maneira tópica ou externa. Podemos destacar:

1. Sprays

Eles geralmente são usados ​​para tratar piolhos, carrapatos, mosca-dos-chifres e mosca-berneira. Servem para curar ou prevenir as bicheiras, bem como para evitar a proliferação de insetos em feridas ou cirurgias. Além disso, os sprays são fáceis de aplicar e não geram estresse no animal.

2. Banhos

Eles podem ser por imersão ou por aspersão. O primeiro consiste em imergir o gado em grandes piscinas com água e antiparasitários diluídos. A desvantagem deste sistema é o estresse que ele gera nos animais.

Além disso, podem ocorrer envenenamentos, caso os animais bebam a água. Por fim, há o risco de fraturas e machucados pela movimentação do animal durante o banho.

O banho de aspersão requer um sistema especial onde a água é misturada com o antiparasitário. Posteriormente, a mistura é vaporizada em cima do animal.

A desvantagem desse método é que “molha” apenas a parte superior e não atinge as áreas mais baixas do corpo do animal.

3. Brincos

Além de servirem como identificação, os brincos de plástico são utilizados como método de aplicação de agentes antiparasitários em bovinos.

Nesse contexto, eles funcionam principalmente como repelente de mosquitos e da mosca-dos-chifres. Por fim, a eficácia desse método de controle é de, aproximadamente, 90 dias.

4. Medicação em pó

Outro sistema de aplicação de antiparasitários é através de bolsas que armazenam o medicamento em pó, e que são colocadas na saída do estábulo.

Dessa forma, quando o animal sai, ele entra em contato com o recipiente e libera o tratamento.

Antiparasitários em bovinos: aplicação interna

Neste caso, um animal infectado em particular é tratado. Sendo assim, o animal é separado do resto do rebanho. Os antiparasitários internos também podem ser usados ​​em bovinos como medida de prevenção contra um possível surto.

Aplicação interna de antiparasitários em bovinos.

Os métodos são:

1. Cápsulas ou bolus intrarruminal

Elas servem para tratar parasitas por um longo tempo, desde que o ingrediente ativo da droga seja liberado lentamente.

A cápsula é aplicada através da boca do animal. Então, o tratamento consiste basicamente em deixá-la agir sozinha depois da aplicação.

2. Fluidos intrarruminais

É usada uma agulha que atravessa a pele, o peritônio e o rúmen. Lá, o antiparasitário é injetado. Por ser um método com sangramento, não é mais usado em animais com menos de 200 quilos. As aplicações injetáveis permitem maior controle de parasitas em bovinos.

3. Pré-misturas ou blocos

A medicação é colocada na comida e cada animal recebe pelo menos uma dose. O problema com esta técnica é que não dá para saber quanto antiparasitário cada animal do rebanho consumiu.

Por fim, vale ressaltar que a aplicação de agentes antiparasitários em bovinos deve ser indicada por um veterinário especializado. Portanto, siga sempre as instruções específicas do profissional de saúde veterinária.

Dirección de Producción y Sanidad Animal de la FAO. (2003). Resistencia a los antiparasitarios, Estado actual con énfasis en América Latina. FAO. https://doi.org/10.1007/s10800-011-0320-1