A arara: uma ave muito inteligente

maio 19, 2020
Além de sua beleza colorida, a arara também possui uma inteligência incrível. Infelizmente, está entre as aves terrestres mais ameaçadas do mundo.

A arara é uma ave que pertence à família dos psitacídeos. Essa família inclui outras aves, tais como papagaios, periquitos, caturritas e cacatuas. Os psitacídeos talvez sejam a família de aves mais carismática e popular do planeta.

O carisma e a forte afeição que despertam nas pessoas se devem principalmente à sua inteligência. É bem sabido que essas aves são capazes de resolver problemas e aprender por experimentação. É especialmente impressionante o fato de poderem compartilhar o conhecimento adquirido com outros membros de sua espécie.

Características físicas da arara

As aves dessa família formam um grupo de aves famosas e que podem ser facilmente reconhecidas pelo seu inconfundível bico curvo em forma de gancho.

Também se destaca a sua plumagem multicolorida, na qual predominam os tons de verde com detalhes em tons de vermelho, amarelo, azul, roxo e marrom. Sem dúvida, as suas cores permitem que elas se misturem com a cor das flores e das folhas das árvores onde vivem.

Os psitacídeos também são caracterizados por suas vocalizações e capacidade de imitar a voz dos seres humanos. Essa habilidade fez com que se tornassem um animal de estimação desejado, devido à empatia que geram.

Nos psitaciformes, dois dos dedos das patas são voltados para a frente enquanto dois estão voltados para trás, o que lhes permite a manipulação de ferramentas de maneira semelhante aos primatas.

A arara

Biologia e comportamento

A arara tem uma maturidade tardia. Os filhotes geralmente deixam o ninho por volta dos quatro anos de idade, quando atingem a maturidade sexual. Durante esse longo período, os seus pais não botam mais ovos. Esse padrão de comportamento reflete a importância de que os filhotes aprendam com os pais.

Além disso, elas vivem em estruturas sociais complexas, de 25 até 50 indivíduos. Essa é uma estratégia muito eficaz para se proteger de predadores. Além disso, elas estabelecem casais monogâmicos por toda a vida.

Essas características, juntamente com o fato de terem um cérebro grande em relação ao peso corporal, fazem com que atendam a todas as condições prévias que se relacionam com o desenvolvimento da cognição complexa.

Uma arara selvagem pode viver, em média, cerca de 40 a 50 anos, enquanto um exemplar em cativeiro, sob cuidados rigorosos, pode viver até 70 anos.

Beleza colorida e inteligência

Desde sempre, os psitaciformes são considerados os primatas entre as espécies de avesA proporção entre o tamanho do cérebro e o tamanho do corpo é claramente comparável à dos grandes símios.

Na família dos psitaciformes, a inteligência não se manifesta apenas por meio da sua capacidade de aprender a imitar sons, já que algumas espécies, tais como o papagaio-da-nova-zelândia (Nestor notabilis), também possuem grande habilidade no uso de ferramentas, de maneira semelhante aos grandes macacos antropomórficos.

A arara

O que a ciência diz sobre a inteligência da arara?

Existe um grupo de pesquisa que realiza seus estudos no zoológico Loro Parque em Tenerife, na Espanha. O grupo estuda a evolução da cognição complexa em aves.

Atualmente, esse laboratório abriga araras verdes (Ara ambiguus), araras-de-garganta-azul (Ara glaucogularis), ararinhas-de-testa-vermelha (Ara rubrogenys) e maracanãs-de-cabeça-azul (Primolius couloni).

O laboratório publicou uma série de estudos comparativos, entre os quais se destaca um relatório sobre a tomada de “decisões econômicas”.

É interessante saber que essa tomada de decisões se refere à capacidade de analisar diferentes alternativas benéficas e escolher aquela que oferece a máxima lucratividade.

Às vezes, essa situação exige abrir mão do desejo de satisfação imediata. Essa habilidade é considerada cognitivamente desafiadora porque requer não apenas a inibição dos impulsos, mas também a avaliação dos resultados esperados para decidir se vale a pena esperar.

Em que consistiam os ensaios de tomada de decisões?

Os experimentos consistiram em submeter quatro espécies de araras a uma tarefa de troca de fichas. Primeiramente, as aves foram treinadas para trocar três tipos de fichas por alimentos de valor baixo, médio e alto. Todas aprenderam a trocá-las em uma determinada ordem, de acordo com o seu valor.

Em seguida, as aves enfrentaram a situação de escolher entre um alimento de baixo valor e uma ficha que poderia ser trocada por alimentos de melhor qualidade. Nesses ensaios, todas as espécies foram capazes de decidir economicamente, mas apenas as espécies de araras grandes superaram as outras espécies em um dos controles cruciais.

O preço de ser uma ave magnífica

Talvez seja a inteligência o que mais nos atrai nessas aves maravilhosas. Infelizmente, o uso dessas aves como animais de estimação, juntamente com as pressões causadas pela destruição e transformação dos seus habitats naturais, fizeram com que elas se tornassem uma das famílias de aves em maior risco de extinção.

De fato, cerca de metade das espécies de araras já estão extintas. O gênero Ara, ao qual pertencem as araras, conta com cerca de treze espécies reconhecidas. No entanto, seis dessas treze espécies já estão extintas!

Os especialistas concordam que, se o tráfico ilegal dessas aves como animais de estimação continuar, todo o gênero terá desaparecido da natureza nos próximos dez anos.

  • Pepperberg, I. M., & Funk, M. S. (1990). Object permanence in four species of psittacine birds: An African Grey parrot (Psittacus erithacus), an Illiger mini macaw (Ara maracana), a parakeet (Melopsittacus undulatus), and a cockatiel (Nymphicus hollandicus). Animal Learning & Behavior, 18(1), 97-108.
  • Krasheninnikova, A., Höner, F., O’Neill, L., Penna, E., & von Bayern, A. M. (2018). Economic decision-making in parrots. Scientific reports, 8(1), 1-10.
  • Emery, N. J. (2006). Cognitive ornithology: the evolution of avian intelligence. Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences, 361(1465), 23-43.
  • Linden, P. G. (1999). Teaching psittacine birds to learn. In Seminars in Avian and Exotic Pet Medicine (Vol. 8, No. 4, pp. 154-164). WB Saunders.
  • Gaycken, J., Picken, D. J., Pike, T. W., Burman, O. H., & Wilkinson, A. (2019). Mechanisms underlying string-pulling behaviour in green-winged macaws. Behaviour, 156(5-8), 619-631.