Argentavis magnificens: a maior ave do mundo

Os primeiros restos encontrados da espécie Argentavis magnificens estavam fragmentados, então foram levados ao Museu de la Plata na Argentina para serem analisados.
Argentavis magnificens: a maior ave do mundo

Última atualização: 09 Maio, 2021

Ao falar das maiores aves do mundo, provavelmente vêm à nossa mente cegonhas, condores e albatrozes. No entanto, isso só é verdade se nos restringirmos à biodiversidade atual. Se voltarmos no tempo e regressarmos alguns milhões de anos, encontraremos a espécie Argentavis magnificens.

Essa espécie foi uma das maiores aves carnívoras do mundo. Embora seu tempo na terra tenha expirado, isso não diminui seu protagonismo. A história por trás da descoberta desse titã alado é impressionante! Continue lendo e você entenderá o porquê.

A ave gigante debaixo da terra

Durante a década de 1970, os paleontólogos Rosendo Pascual e Eduardo Tonni iniciaram suas pesquisas em La Pampa (Argentina). Em suas escavações, eles encontraram ossos que pareciam ser de uma ave, mas eram tão grandes que eles duvidaram de suas suposições.

Posteriormente, foi confirmado que esses restos pertenciam à maior ave que já habitou a Terra, Argentavis magnificens. Segundo estudos, essa ave tinha aproximadamente 7 milhões de anos. Além disso, media mais de 8 metros de envergadura e, do bico à cauda, registrava cerca de 3,5 metros. Cada pena pode medir mais de um metro.

Essa espécie pode ter pesando o mesmo que um ser humano médio, 70 quilos.

 

Um fóssil de uma pena.

Controversa ascensão

A simples existência dessa ave é um desafio para a natureza. Naquela época, não era concebível que um animal alado tivesse mais de 35 quilos de peso. Essa rejeição não era apenas um capricho, ela questionava tudo o que se sabia sobre voo e aerodinâmica.

A questão era bastante simples: com a evolução, as aves mudaram e modificaram sua aparência para poder voar com mais facilidade. Isso significa que eles se tornaram o mais leves possível para que, quando batessem as asas, não tivessem dificuldades para levantar voo. Pelo menos, era isso o que se acreditava antes da descoberta de A. magnificens.

Então, como era possível que Argentavis magnificens conseguisse voar? A resposta é um pouco complexa: essa ave não voava, ele planava. Isso significa que ele utilizava as colinas e serras da região para se lançar e, com a ajuda das correntes de vento, continuar planando. Isso não é voar, mas se jogar com estilo.

O que Argentavis magnificens comia?

No mesmo local onde Argentavis foi encontrado, vários mamíferos também estavam próximos. O clima subtropical que existia na área permitia a existência de pastagens. Por esse motivo, os pequenos mamíferos, quase do tamanho de uma lebre, eram bastante abundantes e, possivelmente, sua principal fonte de alimento.

Além de carnívora, essa espécie era necrófaga, por isso também podia se alimentar de cadáveres.

A forma como essa espécie caçava suas presas é bastante peculiar. Argentavis usava o bico como se fosse um martelo, com o qual golpeava a presa até a morte. Acredita-se também que essa ave pode ter aproveitado seu peso em seu benefício, de modo que, ao pousar sobre suas vítimas, poderia sufocá-las com a massa de seu corpo. No final, ele engolia facilmente sua vítima com uma mordida.

Seus ninhos

Temos que levar em conta que, sendo uma ave tão grande e pesada, parece impossível que fizesse ninhos em montanhas ou penhascos. No entanto, da mesma forma, ter ninhos na altura do solo criaria problemas com outros predadores.

A solução de Argentavis para esse problema aparentemente estava em seu ambiente. Atualmente, La Pampa é uma área onde os ventos sopram continuamente do sul. Além disso, quando essa ave existia, a Cordilheira dos Andes não era alta o suficiente para deter os ventos do norte.

Isso significa que essa espécie se beneficiava dos ventos de diferentes direções, o que lhe permitia se planejar para chegar a lugares altos e nidificar. Por todas essas razões, essas aves eram capazes de se deslocar facilmente de sua área de caça para sua área de nidificação.

Argentavis magnificens pertence a um grupo de aves maravilhosas

Argentavis magnificens pertence a um grupo denominado Teratornithidae — aves monstruosas ou prodigiosas. Esse grupo se caracteriza por possuir em suas fileiras fósseis de aves que ultrapassam o tamanho do pássaro atual, por isso são chamadas de “maravilhas”. Além disso, os parentes mais próximos que têm são os condores, por isso acredita-se que possam ter sido parecidos.

As primeiras espécies que formam esse grupo foram encontrados em sítios paleontológicos na América do Norte. A envergadura dessas espécies ultrapassava 5 metros e acreditava-se que representavam os limites físicos que uma ave poderia ter para voar. Em comparação, a maior envergadura de uma ave moderna não ultrapassa os 3 metros.

Desaparecida no tempo

A extinção dessa espécie pode ter ocorrido devido às mudanças climáticas ou à luta por alimentos. No entanto, provavelmente não são as únicas respostas possíveis. Infelizmente, ainda faltam muitas informações, então você terá que esperar futuras pesquisas da ciência sobre essa espécie para descobrir o motivo do seu declínio.

 

Um espécime de Argentavis magnificens no céu.

Até onde se sabe, a história dessa ave gigante começa e termina no final do Mioceno. A partir desse momento, a trilha se perde, então sua história evolutiva é considerada encerrada. Feliz ou infelizmente, foi necessário dar lugar ao início da trajetória de muitas outras espécies de animais da Terra.

Pode interessar a você...
10 maiores animais do mundo
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
10 maiores animais do mundo

Não sabemos verdadeiramente quantas espécies existem no mundo, mas o que sim, se sabe, é que há algumas que são enormes, bem mais altas e pesadas q...



  • VIZCAÍNO, S. F., & FARIÑA, R. A. (1999). On the ftight capabilities and distribution of the giant Miocene bird Argentavis magnificens (Teratornithidae). Lethaia32(4), 271-278.
  • Palmqvist, P., & Vizcaíno, S. F. (2003). Ecological and reproductive constraints of body size in the gigantic Argentavis magnificens (Aves, Theratornithidae) from the Miocene of Argentina. Ameghiniana40(3), 379-385.
  • Tonni, E. P., & Lahitte, H. B. (1989). Gigantes emplumados. Serie Difusión1.
  • Vizcaíno, S. F., & Fariña, R. A. (2000). El vuelo de un gigante. Museo.