A arraia-jamanta cor-de-rosa da Grande Barreira de Corais

maio 20, 2020
A única arraia-jamanta cor-de-rosa conhecida no mundo foi vista pela primeira vez em 2015. Essa beleza, apelidada de "Inspetor Clouseau", foi vista menos de 10 vezes desde então.

Há poucos dias, a única arraia-jamanta cor-de-rosa conhecida foi vista novamente. As imagens foram capturadas por Kristian Laine, um fotógrafo que estava mergulhando nas águas próximas à ilha Lady Elliot, a ilha de coral mais ao sul da Grande Barreira de Corais, na Austrália.

Em muito pouco tempo, as fotografias se tornaram virais nas redes sociais e reacenderam a curiosidade pela arraia-jamanta que foi vista pela primeira vez em 2015.

A famosa arraia-jamanta pertence à espécie Mobula alfredi, da família Mobulidae. Essa é reconhecida como a segunda maior espécie de arraias-jamanta do mundo.

Esse animal foi apelidado de “Inspetor Clouseau”, fazendo referência ao famoso personagem da série Pantera Cor-de-Rosa.

O que explica a coloração da arraia-jamanta cor-de-rosa?

Os pigmentos carotenoides são responsáveis por muitos dos tons de vermelho, laranja e amarelo no mundo natural e, pelo menos para a maioria dos animais, essas moléculas precisam ser adquiridas por meio da alimentação.

No início, acreditava-se que a cor da arraia-jamanta cor-de-rosa fosse o resultado de sua dieta, semelhante à forma como os flamingos cor-de-rosa obtêm a sua coloração ao comer pequenos crustáceos.

Os carotenoides presentes nos camarões e nas amêijoas são os responsáveis ​​pela coloração de suas penas.

O novo padrão da arraia-jamanta cor-de-rosa é preto e rosa

Vale a pena destacar que as arraias-jamantas-de-recife geralmente têm três padrões de cores: inteiramente preto, inteiramente branco ou preto e branco. O último, que é o mais comum, tem um padrão chamado de sombreado, no qual o peixe tem o dorso preto e a barriga branca.

Assim, quando vistas de cima, as suas costas escuras se misturam com a água mais escura abaixo e, quando vistas de baixo, as suas barrigas claras se misturam com a superfície iluminada pelo sol. Portanto, essa é a configuração mais vantajosa, já que oferece proteção contra predadores como os tubarões.

A arraia-jamanta cor-de-rosa da Grande Barreira de Corais
Fonte: National Geographic – Kristian Laine.

Por que as cores dos animais são importantes?

As cores geralmente desempenham um papel importante em vários aspectos da vida animal. Assim como já mencionamos, elas podem melhorar a proteção visual contra os predadores.

Ao mesmo tempo, em muitas espécies, as cores podem fornecer informações valiosas sobre o reconhecimento do sexo, o estado físico ou a maturidade ou disponibilidade para a reprodução. Por esse motivo, a seleção natural geralmente elimina qualquer aberração que possa ocorrer.

No entanto, existem vários exemplos de um indivíduo – ou até mesmo de populações inteiras – que se caracterizam por terem cores anormais, como essa arraia-jamanta cor-de-rosa. Graças a isso, podem sobreviver e se reproduzir.

Então a cor da arraia-jamanta cor-de-rosa é uma aberração?

Sim, essa é uma das várias aberrações em relação à cor que já foram descritas no reino animal. Embora não haja um consenso quanto à sua nomenclatura, já foram relatadas mais de uma dúzia delas, incluindo o albinismo, o melanismo, o leucismo e o eritrismo. Sem dúvida, essa última é uma das aberrações mais raras.

Mais especificamente, o eritrismo é definido como uma condição de coloração em animais com produção e armazenamento excessivo de pigmentos vermelhos e alaranjados (eritróforos), com vários tons e graus de intensidade.

Essa aberração proporciona alguma vantagem aos animais?

Os mais comuns, os indivíduos melanísticos com coloração inteiramente preta, têm uma vantagem térmica devido às suas capacidades termorreguladoras superiores, oferecidas pela cor escura do corpo. Por outro lado, também sofrem com maior pressão de predação.

Os casos de albinismo e leucismo, sem coloração, também são anomalias de cor comuns. No entanto, provavelmente têm uma baixa taxa de sobrevivência dos indivíduos na natureza.

Infelizmente, não há dados sobre os benefícios nos mecanismos seletivos ou na termorregulação do eritrismo. Entretanto, em experimentos com salamandras (Plethodon cinereus), foi demonstrado que as aves evitam atacar, de forma seletiva, os indivíduos com eritrismo que geralmente são coloridos.   

A arraia-jamanta cor-de-rosa da Grande Barreira de Corais
Fonte: National Geographic – Kristian Laine.

A que se deve esse tipo de coloração?

Até agora, três classes de cromatóforos têm impacto na coloração dos seres marinhos:

  • Melanóforos (células de pigmento marrom a preto)
  • Xantóforos (células de pigmento amarelo e vermelho)
  • Iridóforos (produzem pele brilhante, iridescente e reflexiva)

Geralmente, as colorações excepcionais costumam surgir como resultado de mutações genéticas, que afetam o desenvolvimento, a distribuição de cromatóforos ou a produção de pigmentos.

No entanto, a identificação de genes importantes para o transporte, armazenamento e processamento de carotenoides (coloração vermelha) tem sido difícil, ao contrário dos bem caracterizados genes envolvidos nas vias de melanogênese (coloração preta).

Em suma, até agora, uma evolução adaptativa das aberrações de cores nos seres marinhos vem sendo subestimada. O estudo do fenômeno da coloração vermelha precisa de mais pesquisas.

* Imagem da capa cortesia de: Kristian Laine.

  • Augliere. (2020). How did this rare pink manta get its color? National Geographic. https://www.nationalgeographic.com/animals/2020/02/pink-manta-ray-australia-rare/
  • Esatbeyoglu, T., & Rimbach, G. (2017). Canthaxanthin: From molecule to function. Molecular nutrition & food research61(6), 1600469.
  • Fox, D.L. (1979). Pigment transactions between animals and plants. Biological Reviews, 54(3), 237-268. https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/j.1469-185X.1979.tb01012.x
  • Needham, A. E. (2012). The significance of zoochromes (Vol. 3). Springer Science & Business Media.
  • Tilley, S. G., Lundrigan, B. L., & Brower, L. P. (1982). Erythrism and mimicry in the salamander Plethodon cinereus. Herpetologica, 409-417.