As cabras majoreras

· abril 4, 2019
As cabras Fuerteventura, conhecidas como cabras majoreras, são uma instituição em Fuerteventura graças à produção de queijo.

As cabras majoreras são um símbolo de uma das ilhas Canárias mais desconhecidas. Em um habitat duro como esta ilha vulcânica, estas cabras permitiram a exploração do território e dos escassos recursos da ilha para abastecer a população local por milhares de anos.

É difícil traçar a história das cabras majoreras. Quando os conquistadores chegaram às Canárias, no século 15, e esses animais foram encontrados em abundância, as escavações arqueológicas traçavam sua história na ilha mais de 3.000 anos atrás.

As cabras majoreras

Sem dúvida, as cabras majoreras são um símbolo desse local turístico e natural, e é difícil fazer uma visita à ilha e não conhecer esses animais ao vivo e pessoalmente.

Ou até acabar levando um presente ou lembrança que represente esses animais carismáticos. Embora a cabra majorera esteja também presente em outras ilhas, é sem dúvida nativa de Fuerteventura.

A criação da cabra majorera se dedica, principalmente, à produção de leite, especialmente para a produção do queijo Majorero, um dos produtos mais populares e facilmente encontrados nos mercados dessa ilha.

O que acontece é que, das quatro raças de cabras que existem nas ilhas Canárias – junto a esta encontramos a palmera e duas raças de tinerfeñas –, ela é a que possui maior produção de leite em comparação com outras raças de corte, a principal que se produz na ilha.

Cabras nas Ilhas Canárias

A cabra majorera é uma espécie com membros longos e finos, com orelhas longas e chifres arqueados. Os cascos são escuros e estão muito adaptados à secura especial das Ilhas Canárias.

A pelagem desses animais é policromada, isto é, composta por várias manchas de marrom, branco e preto. O pelo é curto, para que elas consigam enfrentar os meses quentes, e as membranas mucosas têm cores escuras.

Acredita-se que as cabras majoreras são uma espécie de cruzamento entre as cabras africanas – principalmente núbias e malteses – com as cabras indígenas que outrora habitaram a ilha.

Tradicionalmente, essas cabras são mantidas em pastagens muito grandes e ordenhadas uma vez ao dia, e esse leite era coletado nos chamados tofios, contêineres ligados à cultura majorera.

São vasos com um grande vertedouro para coletar leite, e que normalmente eram feitos em tons avermelhados.

O queijo majorero

Mas se algo caracteriza as cabras majoreras é o queijo produzido com o seu leite: o queijo majorero é produzido em seis municípios da ilha e tem Denominação de Origem desde 1996, um selo que reconhece o valor de um produto feito localmente.

Queijo majorero

Este queijo de cabra é fabricado em cilindros normalmente pequenos, e sua casca é moldada com folhas de palmeira. Curiosamente, essa crosta é geralmente esfregada com óleo, páprica ou gofio canário, um trigo torrado ou farinha de milho muito típica do arquipélago.

Este queijo é compacto, e existem variedades tanto tenras e curadas, cujo sabor e tradição têm marcado a cultura da ilha, bem como diferentes modos de preparação que fazem do queijo Majorero um produto de mil variedades.

Sem dúvida, deixar as Ilhas Canárias sem provar o queijo das cabras majoreras não tem perdão.