Baratas: 6 tipos e características

As baratas podem transmitir doenças, pois se alimentam de alimentos que podem estar em decomposição e carregam alguns patógenos em sua superfície corporal.
Baratas: 6 tipos e características

Última atualização: 02 Maio, 2021

As baratas fazem parte da ordem Blattodea, conhecida por abranger algumas espécies que costumam ser prejudiciais à saúde. Na verdade, esses insetos têm uma reputação injustificada, pois são associados a sujeira e detritos. Sua tonalidade marrom não ajuda muito, mas é apenas uma desculpa visual para sentir rejeição por eles.

No mundo, existem mais de 4000 espécies de baratas, das quais apenas 1% se relacionam com o ser humano. Se você quiser saber mais sobre os blatídeos e suas diferenças, continue lendo, pois poderá descobrir que existem baratas muito mais bonitas do que você poderia imaginar.

Barata amigável

Acredite ou não, esses pequenos insetos hexápodes têm um papel importante na natureza, então eles não são criaturas completamente incompreendidas. O objetivo ecológico desses artrópodes é a reciclagem da matéria orgânica. Em outras palavras, eles coletam resíduos e ajudam na decomposição.

Apesar de sua grande diversidade, nós convivemos apenas com 3 espécies, que são as mais comuns em ambientes domésticos.

Baratas caseiras

Esses blatídeos são pequenos, e têm 3 pares de patas, antenas longas e corpo oval. As baratas são fisicamente divididas em 2 regiões, um tórax e um abdômen. Todo o seu corpo parece estar dividido em vários segmentos, o que lhes permite uma maior amplitude de mobilidade. Vamos dar alguns exemplos típicos.

1. Periplaneta americana

Como o nome sugere, essa é a barata nativa da América. Esse invertebrado pode atingir entre 3 e 4 centímetros. Sua cor varia pouco, desde o marrom ao marrom-escuro. Possui asas que podem cobrir seu corpo, quase como um manto.

Atualmente, esse pequeno animal tem distribuição mundial, então possivelmente você já o encontrou pelo menos uma vez. Tem hábitos noturnos e tende a se refugiar em fendas ou áreas com umidade. Além disso, os espécimes adultos usam suas asas para voar e alcançar outros lugares.

 

Uma barata-americana em um fundo branco.

2. Blatella germanica

A barata-germânica é uma das menores, já que mal atinge 1,5 centímetro de comprimento. Sua cor é mais clara — embora mantenha a tonalidade marrom —, mas se distingue por seu tamanho e pelas 2 listras pretas que tem no tórax. Ela também tem asas, mas, felizmente, elas não são funcionais.

Esses insetos são muito finos, por isso tendem a entrar em fendas estreitas. Elas procuram uma fonte de calor e umidade, então um de seus lugares favoritos para se refugiar são as máquinas de café.

 

3. Blatta orientalis

Quase do mesmo tamanho de sua irmã americana, essa barata pode ter entre 2,4 e 5 centímetros de comprimento. Sua coloração é totalmente preta ou bem escura. Os espécimes adultos possuem asas que cobrem grande parte do corpo, porém não são tão evidentes quanto as da barata- americana.

Essas criaturinhas são invasoras acidentais, pois, devido à sua natureza, costumam habitar jardins. Graças à facilidade de encontrar comida e temperatura aconchegante das casas, elas começaram a entrar nos lares. Infelizmente, essa espécie está sendo substituída por suas outras 2 irmãs, pois elas sobrevivem com mais sucesso.

 

Uma barata.

Baratas estranhas e pouco conhecidas

Depois de falarmos sobre as baratas mais conhecidas, vamos citar outras espécies que passam despercebidas. Os outros 99% das baratas não são pragas, mas insetos que se esforçam para fazer o bem ao meio ambiente. Seu lar costuma ser florestas com folhas secas, toras e resíduos, onde se alimentam de frutas, plantas e matéria orgânica.

4. Panchlora nivea

Esse tipo de tom verde rompe com a visão original que temos das baratas. Podemos encontrar essa espécie em áreas tropicais como o Caribe e Cuba. Ela pode atingir quase 3 centímetros de comprimento e é uma voadora habilidosa. Pode ser encontrada principalmente em troncos, palmeiras ou coqueiros.

Essa espécie se alimenta de bananas.

 

Uma barata cubana.

5. Lucihormetica luckae

No escuro, esse belo blatídeo de 2,4 centímetros surge como uma espécie bioluminescente. Isso significa que ele possui um mecanismo de defesa que consiste em emitir luz para se parecer com um besouro venenoso. Dessa forma, ele consegue enganar seus predadores para que não o comam, com um aspecto luminoso e incrível.

Se você quiser vê-lo, pode encontrá-lo no Equador, na área afetada pela erupção do vulcão Tungurahua.

6. Gromphadorhina portentosa

A barata-de-madagascar pode facilmente crescer até 8 centímetros de comprimento. Sua cor é semelhante à de outras espécies, variando do marrom-escuro ao marrom-vinho. Além das antenas, os machos também têm chifres, usados para lutar entre si.

Em alguns locais, esse inseto também é chamado de “barata que assobia” porque é capaz de sibilar pelos poros respiratórios. Esse comportamento está totalmente ligado à dominação territorial, uma vez que é utilizado como meio de ameaça e dominação.

 

Gromphadorhina portentosa

Nem todo o grupo dos blatídeos tem que ser ruim. Como você viu, existe uma grande variedade de baratas. Embora você possa ter medo ou nojo, elas sempre estarão presentes para fazer o seu trabalho: elas são uma parte importante da natureza, mais um nível da ordem ecológica.

Pode interessar a você...
Por que as baratas são consideradas um dos insetos mais antigos?
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Por que as baratas são consideradas um dos insetos mais antigos?

As baratas são um daqueles insetos que causam aversão generalizada. Elas são consideradas um dos insetos mais antigos do planeta.



  • Kassiri, H., & Kazemi, S. (2012). Cockroaches [periplaneta Americana (L.), dictyoptera; blattidae] as carriers of bacterial pathogens, Khorramshahr County, Iran.
  • Faúndez, E. I., & Carvajal, M. A. (2011). Blattella germanica (Linnaeus, 1767)(Insecta: Blattaria) en la Región de Magallanes (Chile). Boletín de Biodiversidad de Chile, (5), 50-55.
  • Nelson, M. C., & Fraser, J. (1980). Sound production in the cockroach, Gromphadorhina portentosa: evidence for communication by hissing. Behavioral Ecology and Sociobiology, 305-314.
  • Pryor, M. G. M. (1940). On the hardening of the ootheca of Blatta orientalis. Proceedings of the Royal Society of London. Series B-Biological Sciences128(852), 378-393.
  • Rau, P. (1924). The biology of the roach, Blatta orientalis Linn. Trans. Acad. Sci. St. Louis25(4).
  • Cookson, C., Peyton, S., Davis, J., & Micinski, S. (2012). New Records and Range Expansion for Panchlora nivea in Louisiana and Mississippi. Entomological News122(1), 95-96.
  • Vršanský, P., Chorvát, D., Fritzsche, I., Hain, M., & Ševčík, R. (2012). Light-mimicking cockroaches indicate Tertiary origin of recent terrestrial luminescence. Naturwissenschaften99(9), 739-749.