O que é a bolsa primordial dos gatos?

A bolsa primordial dos gatos é algo mais simples do que se imagina. No entanto, você deve conhecer alguns detalhes para saber como cuidar adequadamente do seu felino.
O que é a bolsa primordial dos gatos?

Última atualização: 01 Agosto, 2021

Se você notar no seu felino um pedaço de pele que balança quando ele anda, é possível que se trate da chamada bolsa primordial dos gatos. Ao redor dela orbitam algumas crenças e falsos mitos que precisam ser desmentidos, a fim de que não cometamos erros acidentais no cuidado do nosso animal.

Essa bolsa tem sido associada à obesidade, à castração e até mesmo a teorias que relacionam seus genes a seu comportamento. Se o seu gato tem a bolsa primordial, aqui estão todas as informações que você precisa saber sobre isso.

O que é a bolsa primordial dos gatos?

A bolsa primordial é o excesso de pele e gordura que fica suspensa entre as patas traseiras do gato. Geralmente aparece na idade adulta, embora não em todos os indivíduos, por ser uma característica geneticamente codificada e considerada vestigial. Isso significa que atualmente nenhum uso fisiológico claro é atribuído a ela.

A flacidez dessa bolsa pode nos levar a pensar que o gato já foi obeso e que, ao perder peso, a pele residual ficou pendurada. No entanto, é uma parte normal da anatomia do gato e não significa nenhuma falta de cuidado de saúde.

Na verdade, grandes felinos, como tigres-de-bengala ou leões, também têm a bolsa primordial.

Para que serve essa bolsa?

Como tudo na natureza, embora atualmente não seja usada, provavelmente a presença da bolsa primordial fazia sentido em algum momento. Os gatos vivem com os humanos há milhares de anos, então essa estrutura foi relegada a um vestígio de sua época selvagem. Em todo caso, ainda lhe são atribuídas algumas funções para a sobrevivência do felino, tais como:

  • Liberdade de movimentos: o excesso de pelo permite ao gato fazer movimentos com maior amplitude, principalmente ao se esgueirar por lugares estreitos ou ao se esticar para subir em lugares altos ou correr.
  • Depósito de energia: por ser um reservatório de gordura, acredita-se que essa bolsa servia como um reservatório de energia em tempos de escassez de alimentos. Por outro lado, como bons caçadores, os gatos podem comer grandes quantidades de presas de uma só vez, então acredita-se que essa estrutura proporcionava ao animal conforto para se mover com o estômago cheio.

 

Um gato de pelo comprido deitado.

Predisposições genéticas

A bolsa primordial é uma lembrança genética da época selvagem da espécie. Hoje em dia, exceto pela mobilidade e proteção contra ataques, ela não tem nenhum papel vital na sobrevivência do animal, já que os felinos domésticos raramente morrem de fome ou caçam para sobreviver. Uma prova disso é que nem todos possuem uma bolsa primordial.

Algumas raças de gatos são mais predispostas a manifestá-la: aquelas que são geneticamente mais próximas de seus ancestrais selvagens. As mais conhecidas são as seguintes:

  • Bengal: é uma raça que surgiu do cruzamento de um gato doméstico com um gato selvagem asiático, por isso prevalecem os antigos personagens secundários.
  • Mau egípcio: é um descendente direto dos primeiros gatos domesticados do Egito, onde o clima desértico fez a espécie evoluir para se adaptar à escassez de água e comida, mesmo processo que resultou no desenvolvimento de corcundas por camelos e dromedários.
  • Pixie bob: essa raça se originou nos Estados Unidos, onde os gatos domésticos cruzaram com gatos selvagens que rondavam as fazendas.
  • Bobtail japonês: esses gatos foram originalmente liberados no Japão no último milênio para controlar as populações de roedores em fazendas de seda. Posteriormente, foram adotados como animais de estimação.

Acredita-se que a presença da bolsa primordial nos gatos signifique a uma genética mais próxima de seus ancestrais selvagens, o que também se refletiria em seus traços de personalidade, tornando-os mais territoriais e competitivos. No entanto, isso não está comprovado cientificamente.

Mitos sobre a bolsa primordial dos gatos

Existem várias explicações e temores em relação a essa bolsa que podem levar um tutor a tomar decisões que afetam negativamente o bem-estar do felino. Aqui você pode conhecer essas questões com mais detalhes.

A bolsa primordial dos gatos tem a ver com obesidade?

A resposta é não. É verdade que, diante de olhos inexperientes, uma bolsa primordial pode ser confundida com uma barriga de obesidade. Para diferenciá-las, aqui vai um truque: o sobrepeso é avaliado pelo contorno do gato, ou seja, se é possível notar o excesso de gordura ao olhar o animal de cima. Os felinos engordam para os lados, por assim dizer.

Pode ser removida?

Uma vez que essa pele pendurada não representa qualquer risco para a saúde do seu felino, recorrer à cirurgia não é uma opção para os veterinários. Embora esteticamente tire um pouco a aparência estilizada, pense que essa estrutura pode proteger seu felino de um ataque e que exercícios ou dieta não a farão diminuir de tamanho.

Aparece como resultado da esterilização?

Isso não é verdade. Quando esses dois eventos aparecem praticamente ao mesmo tempo, geralmente se deve ao fato de o gato ter sido esterilizado em uma idade precoce e a bolsa primordial aparecer quando atinge a idade adulta. Embora coincidam em alguns casos, uma coisa não têm nada a ver com a outra.

 

Um gato deitado de barriga para cima no sofá.

A bolsa primordial dos gatos é um daqueles pequenos detalhes que podem levar a decisões erradas por falta de informação que, na realidade, é muito simples de entender. Felizmente, o avanço da divulgação sobre os cuidados, impulsionado pelo crescente interesse da população em garantir o bem-estar de seus companheiros animais, está desmascarando cada vez mais mitos.

Pode interessar a você...
4 dicas para cuidar da pele dos gatos
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
4 dicas para cuidar da pele dos gatos

Para cuidar da pele dos gatos, são aspectos importantes: escovação, boa alimentação, não dar banhos em excesso e consultas regulares.