Características do cão-da-pradaria

· janeiro 23, 2019

Semelhante ao seu parente esquilo, o nome do cão-da-pradaria se deve aos sons que emite, parecidos com latidos de cachorros.

As características do cão-da-pradaria distinguem este animal de seus parentes, os esquilos. Existem cinco espécies, distribuídas nos Estados Unidos, Canadá e norte do México. Têm esse nome porque “latem” como um cachorro.

Sua distribuição geográfica não está relacionada ao clima. Dessa forma, alguns espécimes vivem em áreas com temperaturas abaixo de 30°C, enquanto outros toleram até 38°C.

Além disso, vive em tocas que cava nos solos, com profundidade de até 10 metros.

Cinco variedades de cão-da-pradaria

Pertencente ao gênero Cynomys, do grupo Marmotini, dentro da família Sciuridae, esta espécie apresenta variedades quanto às tonalidades de sua pelagem, de acordo com a espécie.

O gunnison (Cynomys gunnison) apresenta as características típicas do cão-da-pradaria, com tons castanhos claros por todo o corpo.

Por outro lado, aquele classificado como Cynomys leucurus tem uma cauda branca e o Cynomys ludovicianus, por sua vez, tem cauda preta.

Outras variedades são a mexicana (Cynomys mexicanus) e a de Utah (Cynomys parvidens).

Características do cão-da-pradaria

Como vimos, esse animal tem uma aparência semelhante à dos esquilos. Portanto, são animais pequenos ou médios, sendo que os machos têm um comprimento de até 45 centímetros, enquanto que as fêmeas chegam a 40 centímetros.

A pelagem é igual para ambos, em tons castanho-claro com manchas cinzentas.

características do cão-da-pradaria

O peso máximo conhecido do cão-da-pradaria é de 1,5 quilo. Além disso, quando ocorre o desmame, as fêmeas geralmente perdem peso.

Eles têm pequenas orelhas arredondadas e uma cauda que mede 10 centímetros de comprimento. Precisamente, a cauda é o que diferencia uma espécie da outra. Seus pelos são curtos e macios.

Comportamento do cão-da-pradaria

Este mamífero é diurno e se agrupa em colônias. Assim, a vida social do cão-da-pradaria se desdobra em grandes áreas.

Cada grupo é geralmente composto por 10 a 20 indivíduos. O clã geralmente consiste de um macho alfa, duas ou três fêmeas adultas e os filhotes. No entanto, ao atingir a maturidade sexual, os machos devem deixar o bando.

Os cães-da-pradaria são animais pacíficos. Comunicam-se muitas vezes através do contato físico. Para mostrar afeto, eles acariciam os rostos uns dos outros com o focinho.

Embora haja muitas vezes confrontos dentro da mesma colônia, as lutas são para mostrar sinais de ferocidade.

Exemplos dessa agressividade são: mostrar os dentes, levantar a cauda ou inclinar as orelhas.

Além de se comunicar através de contato e ações físicas, esses mamíferos usam sons. Seus diferentes gritos indicam possíveis ameaças.

Dessa forma, a riqueza da linguagem oral permite-lhes detalhar o tipo de predador que se aproxima, a distância e o tamanho dele.

hábitos do cão-da-pradaria

Tipo de alimentação do cão-da-pradaria

É um animal principalmente herbívoro. Por isso, sua alimentação é composta de vegetais, frutas e sementes típicas do ecossistema em que vive.

Em alguns casos, o cão-da-pradaria pode ingerir pequenos insetos. No entanto, sua dieta geral consiste em frutas, raízes, brotos, ervas daninhas e outras plantas.

Acasalamento e reprodução do cão da pradaria

Outra característica do cão-da-pradaria é que, aos dois anos, atinge sua maturidade sexual. No momento do cio, os sinais de acasalamento são claros em ambos os sexos.

A fêmea fica especialmente ativa. Por sua vez, o macho começa a emitir latidos com uma frequência regular de 3 a 15 segundos.

A fêmea dá à luz seus filhotes na toca e podem nascer oito filhotes a cada gestação. Os filhotes terão uma expectativa de vida, com sorte, de cinco anos.

Os pequenos animais nascem pelados e com os olhos fechados. Portanto, a mãe cuidará deles e os amamentará por seis semanas.

Posteriormente, os filhotes podem viver por conta própria quando chegam a cinco meses.

Predadores e ameaças

Ao longo dos anos, desde as primeiras colônias detectadas, a quantidade de cães-da-pradaria caiu consideravelmente.

Além dos coiotes, raposas, furões e águias, o avanço das cidades e da agricultura é a principal ameaça para esses seres.

No século 19, o maior assentamento no Texas era de cerca de 400 milhões de indivíduos. Atualmente, o número de espécimes vivos não excede 1 milhão.