Os caranguejos do mar de Bering: tipos e pesca

Os caranguejos-reais (King crabs) do mar de Bering têm um valor comercial aproximado de 100 a 130 dólares por quilo. Entre 1975 e 2018, os caranguejos-reais foram a segunda espécie mais valiosa para os pescadores.
Os caranguejos do mar de Bering: tipos e pesca

Última atualização: 18 Agosto, 2021

O mar de Bering, localizado ao norte do Oceano Pacífico, separando os continentes asiático e americano, contém uma enorme variedade de espécies. Os animais marinhos que ali vivem sustentam a vida de muitas pessoas, por isso essa área é considerada uma importante zona de pesca. Acima de tudo, esse lugar se destaca por um de seus recursos mais preciosos: os caranguejos do mar de Bering.

A vida nessas águas frias e difíceis fez com que os preços desses caranguejos subissem bastante. Algumas espécies são consideradas verdadeiras iguarias, dignas de um menu de luxo. Aprenda mais sobre esses caranguejos junto com a gente nas linhas a seguir.

Paralithodes camtschaticus

Esse caranguejo é uma das principais espécies pescadas no mar de Bering. Sua distribuição é bastante ampla, pois é encontrado desde o Japão, passando por Kamchatka, na Rússia, até as costas da América do Norte. Pertence ao grupo dos King crabs ou caranguejos-reais, que se distinguem pelo seu grande tamanho e formato espinhoso.

Esse crustáceo apresenta uma coloração vermelha, com uma concha de até 17 centímetros de largura. Além disso, é um decápode, por isso tem 10 pernas, 2 largas em forma de pinça, 6 usadas para caminhar e as 2 últimas pouco perceptíveis, mas próximas das mandíbulas. O formato do seu corpo e seus membros de quase dois metros lhe renderam a alcunha de “caranguejo gigante”.

Esse organismo costuma habitar as profundezas do mar e se enterra em bancos de areia, movendo-se apenas para se alimentar. No entanto, durante o inverno e início da primavera, ele migra para a superfície para se reproduzir. Os pescadores se utilizam dessa mudança de comportamento para capturá-lo, seguindo as regras propostas pelos governos locais.

 

Um dos caranguejos do mar de Bering em um fundo branco.

Lithodes aequispinus

Esse decápode é encontrado desde a Colúmbia Britânica, passando pelas Ilhas Aleutas, até regiões do mar do Japão. Comparado com o caranguejo anterior, ele é menor, pois seu peso médio varia em torno de 3 quilos.

A cor desse crustáceo fica de um amarelo fosco a tons de marrom dourado, o que o torna muito distinto de outras espécies. Mesmo assim, ainda compartilha as mesmas características físicas da espécie anteriormente citada: 5 pares de membros e uma migração para as águas superficiais durante o inverno-primavera, entre outras.

No início, a pesca dessa espécie era realizada por engano, pois o objetivo era capturar os gigantes vermelhos. No entanto, ele foi introduzido no mercado como alternativa, pois seu sabor costuma ser um pouco mais doce e leve que o das outras espécies.

Lithodes couesi

Esse é o menor e mais raro tipo de caranguejos-reais do mar de Bering e é encontrado no Golfo do Alasca, do Pacífico oriental a San Diego. Por isso, os pescadores não consideram sua pesca viável, apesar de ser considerado uma iguaria pelo seu sabor.

O tamanho da concha desse invertebrado tem apenas 11,5 centímetros de largura, com uma cor escarlate que chama atenção. A espécie costuma ser encontrada em profundidades de até 180 metros, embora pouco se saiba sobre esse organismo por enquanto.

Paralithodes ornitorrinco

Esse decápode é considerado o maior caranguejo-real do mar de Bering, porque sua população costuma ser um pouco maior do que a do gigante vermelho. Atualmente, seus núcleos reprodutivos estão distribuídos na ilha de São Mateus e nas ilhas Pribilof. Porém, existem grupos desses crustáceos fora de Bering, especificamente nos mares do Japão e da América do Norte.

A aparência desse invertebrado é semelhante à dos anteriores, com a particularidade de apresentar uma coloração azulada nas extremidades. Apesar disso, sua concha costuma ser marrom-avermelhada. Embora tenha todas as características para ser comercializado, sua captura só foi permitida pelos moradores porque sua população se mantém reduzida.

Graças ao período de proibição comercial, imposto entre 1990 e 2000, sua população aumentou. Por essa razão, o governo do Alasca agora permite que a espécie seja comercializada.

Chionoecetes bairdi e C. opilio

Embora sejam espécies diferentes, esses crustáceos coexistem nos mesmos habitats, razão pela qual ambos passaram a ser chamados de “caranguejos das neves”. Ambos habitam o mar de Bering, mas se distribuem ao longo da costa do Alasca. Na verdade, sabe-se que, devido ao parentesco, essas espécies se hibridizaram, gerando populações com características de ambos os organismos.

Esses decápodes são muito menores do que os outros da lista, pois sua casca mal chega a 7 centímetros de largura. Além disso, eles se distinguem por apresentarem perto da boca uma frente rostral (2 protuberâncias nas costas). Quanto ao corpo, costuma apresentar colorações marrom-avermelhadas iridescentes e grânulos salientes nas margens.

 

Um grupo de caranguejos

Sapateira-do-pacífico (Metacarcinus magister)

Embora essa espécie não seja encontrada no mar de Bering, ela pode ser capturada nessas águas. Sua distribuição cobre a costa do Alasca, atingindo a baía Magdalena, no México. Esse decápode não faz parte dos caranguejos-reais, porém, é uma alternativa econômica a eles, pois mantém um bom sabor e tem grande abundância.

Esse crustáceo exibe uma cor marrom-acinzentada, com uma carapaça lisa de até 20 centímetros de largura. Esses invertebrados costumam habitar profundidades de 230 metros, em fundos lamacentos ou arenosos, onde se protegem enterrando-se.

 

Um dos caranguejos do mar de Bering.

Como se pesca no mar de Bering?

A temporada de pesca começa durante os meses de outono, principalmente nas águas ao redor das Ilhas Aleutas. Originalmente, as redes de arrasto eram usadas para capturar peixes e caranguejos do mar de Bering. No entanto, as armadilhas em forma de caixa logo foram desenvolvidas, o que possibilitou a captura seletiva de caranguejos.

Essas caixas são constituídas por uma estrutura de aço envolta por malhas de náilon que, junto com a isca, conseguem atrair os crustáceos para capturá-los. Uma vez que essa estrutura é liberada, ela fica no fundo por alguns dias antes da coleta. Além disso, dependendo da área e da profundidade em que essa armadilha é lançada, uma ou mais espécies de decápodes podem ser capturadas.

A tarefa pode parecer simples, mas não é, já que o desafio se concentra em sobreviver às águas geladas e ao frio extremo. Na verdade, o governo dos Estados Unidos o considera este o tipo mais perigoso de pesca comercial. Isso se deve à infinidade de acidentes que culminaram em morte certa para os integrantes das embarcações.

Atualmente, foi criado o cargo de funcionários da Guarda Costeira para reduzir a mortalidade resultante dessa atividade. No entanto, o número de acidentes continua elevado e ainda existem pessoas capazes de arriscar a vida por esse “ouro vermelho”. Em 2005, foi ao ar uma série de documentários chamada Deadliest Catch, retratando os perigos de se aventurar a pescar no mar de Bering.

Regulamentos de pesca

Como todos os caranguejos citados são espécies cobiçadas, os pescadores exploram excessivamente esses recursos. Por isso, foram estabelecidas restrições para controlar a situação: agora, os barcos só podem coletar exemplares machos e com mais de 12,3 centímetros de largura.

Liberar as fêmeas reprodutoras permite que as populações desses organismos se regenerem, mantendo o equilíbrio entre as duas partes.

 

Pesca de caranguejos no mar de Bering.

Graças aos esforços de manutenção do governo local, os caranguejos do mar de Bering sobreviveram à pesca predatória. Embora pareça estranho, cuidar desses crustáceos significa proteger o trabalho dos pescadores e de suas famílias. Dessa forma, o futuro de ambos é garantido: a natureza não fornece recursos ilimitados, e sim renováveis.

Pode interessar a você...

Caranguejo-dos-coqueiros: habitat e características
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Caranguejo-dos-coqueiros: habitat e características

O caranguejo-dos-coqueiros é um crustáceo decápode que se mantém em terra. Está em uma situação vulnerável por causa de ações humanas.



  • Zhou, S., Shirley, T. C., & Kruse, G. H. (1998). Feeding and growth of the red king crab Paralithodes camtschaticus under laboratory conditions. Journal of Crustacean Biology18(2), 337-345.
  • Kovatcheva, N., Epelbaum, A., Kalinin, A., Borisov, R., & Lebedev, R. (2006). Early life history stages of the red king crab Paralithodes camtschaticus (Tilesius, 1815): biology and culture.
  • Shirley, T. C., & Shijie, Z. (1997). Lecithotrophic development of the golden king crab Lithodes aequispinus (Anomura: Lithodidae). Journal of Crustacean Biology17(2), 207-216.
  • Olson, A. P., Siddon, C. E., & Eckert, G. L. (2018). Spatial variability in size at maturity of golden king crab (Lithodes aequispinus) and implications for fisheries management. Royal Society open science5(3), 171802.
  • Somerton, D. A., & MacIntosh, R. A. (1985). Reproductive biology of the female blue king crab Paralithodes platypus near the Pribilof Islands, Alaska. Journal of Crustacean Biology5(3), 365-376.
  • Somerton, D. A. (1981). Regional variation in the size of maturity of two species of tanner crab (Chionoecetes bairdi and C. opilio) in the eastern Bering Sea, and its use in defining management subareas. Canadian Journal of Fisheries and Aquatic Sciences38(2), 163-174.
  • Stoner, A. W., Rose, C. S., Munk, J. E., Hammond, C. F., & Davis, M. W. (2008). An assessment of discard mortality for two Alaskan crab species, Tanner crab (Chionoecetes bairdi) and snow crab (C. opilio), based on reflex impairment. Fishery Bulletin106(4), 337-347.
  • Froehlich, H. E., Essington, T. E., Beaudreau, A. H., & Levin, P. S. (2014). Movement patterns and distributional shifts of Dungeness crab (Metacarcinus magister) and English sole (Parophrys vetulus) during seasonal hypoxia. Estuaries and Coasts37(2), 449-460.
  • McLean, K. M., & Todgham, A. E. (2015). Effect of food availability on the growth and thermal physiology of juvenile Dungeness crabs (Metacarcinus magister). Conservation physiology3(1).
  • Pérez-Barros, P., Albano, M., Diez, M. J., & Lovrich, G. A. (2020). Pole to pole: the deep-sea king crab Lithodes couesi (Decapoda: Lithodidae) in the Burdwood Bank, Southwestern Atlantic Ocean. Polar Biology43(1), 81-86.
  • Somerton, D. A. (1981). Contribution to the life history of the deep-sea king crab, Lithodes couesi, in the Gulf of Alaska. Fish Bull79, 259-269.
  • Zheng, J., & Kruse, G. H. (2006). Recruitment variation of eastern Bering Sea crabs: climate-forcing or top-down effects?. Progress in Oceanography68(2-4), 184-204.
  • Kotwicki, S., & Lauth, R. R. (2013). Detecting temporal trends and environmentally-driven changes in the spatial distribution of bottom fishes and crabs on the eastern Bering Sea shelf. Deep Sea Research Part II: Topical Studies in Oceanography94, 231-243.
  • Szuwalski, C., Cheng, W., Foy, R., Hermann, A. J., Hollowed, A., Holsman, K., … & Zheng, J. (2021). Climate change and the future productivity and distribution of crab in the Bering Sea. ICES Journal of Marine Science78(2), 502-515.