Carvão ativado para cães: usos e dosagem

O carvão ativado é um composto orgânico que é usado para tratar certas intoxicações em humanos e cães. Conheça suas propriedades medicinais junto com a gente.
Carvão ativado para cães: usos e dosagem

Última atualização: 04 abril, 2022

O carvão ativado para cães – activated charcoal ou activated carbon em inglês – é um medicamento usado, sobretudo, para tratar intoxicações que ocorrem por via oral. Em humanos, também são atribuídas a ele funções de melhora dos rins e redução de problemas do trato gastrointestinal, embora essas propriedades não sejam totalmente confirmadas.

O carvão ativado pode ser muito útil em canídeos que sofreram intoxicação alimentar, mas seus usos além desse quadro são um pouco mais difíceis de contrastar. Se você quiser saber tudo sobre esse composto, continue lendo.

O que é o carvão ativado para cães?

O carvão ativado é um composto derivado do carvão vegetal, um combustível sólido, poroso e quebradiço com alto teor do elemento químico carbono (98%). A diferença entre as duas variantes é, principalmente, que a forma ativa foi tratada para apresentar poros pequenos e de baixo volume, que aumentam a área de superfície de absorção e a capacidade de realizar reações químicas.

A ativação é conseguida ao processar o carvão em altas temperaturas. Esse composto se apresenta na forma de pó, granular (GAC), carvão ativado extrudado (EAC), “grânulos” mais grossos (BAC) ou revestido com polímero. Cada uma dessas variantes é útil para diferentes frentes, desde a agroindústria até a medicina humana.

No mundo dos animais de estimação, o carvão ativado geralmente vem na forma de um fluido viscoso e enegrecido. O composto pode vir assim de fábrica ou pode ser obtido misturando pó com água nas concentrações indicadas. Em algumas regiões, também é encontrado na forma de comprimidos para ingestão oral.

Os usos do carvão ativado em animais de estimação são restritos à área médica.

O carvão ativado para cães pode ser consumido de várias formas.

Usos do carvão ativado para cães

Como dissemos, o carvão ativado tem uma área de superfície muito grande. Por ter uma grande porosidade, possui maior alcance de ação para se unir a outros compostos químicos. Vamos ver como essa propriedade é aplicada na medicina veterinária canina.

Intoxicações orais

Conforme indicado por estudos no site Pubmed, o carvão ativado é o composto mais utilizado para descontaminação gástrica em países de alta renda. Sua enorme área de superfície o torna excelente para ligações químicas. Ao “sequestrar” elementos nocivos no intestino, reduz os possíveis efeitos da intoxicação.

Em humanos, estima-se que 50 a 100 gramas de carvão ativado são capazes de reduzir a absorção de certos compostos químicos em 74% ao ser ingerido dentro de 5 minutos. O efeito diminui para 50% quando o composto é tomado meia hora depois e para 20% após 3 horas. Portanto, sua eficácia depende muito do momento da dosagem.

Isso também se aplica aos cães. Quanto mais tempo passa, mais provável é que o animal tenha metabolizado as toxinas. Somente o veterinário decidirá se o carvão ativado é adequado para cada quadro clínico específico.

Em cães, o carvão ativado pode reduzir a carga de toxinas no trato intestinal em 80% em 180 minutos.

Carvão ativado combate toxinas

Infelizmente, o carvão ativado para cães não é útil para todas as intoxicações. A seguir, apresentamos uma lista com os elementos que esse composto pode neutralizar e os que não pode:

  1. O carvão ativado é útil para: intoxicações por narcóticos, ibuprofeno, chocolate, piretrinas, maconha, aspirina, brometalina, raticidas, paracetamol, organofosforados, carbamatos e outros compostos.
  2. O carvão ativado não é útil para: intoxicações por ácidos ou bases muito fortes, ferro, lítio, arsênico, metanol, etanol e outros compostos.

Infelizmente, o carvão ativado não é útil para intoxicação pelo consumo direto de substâncias com álcool, desinfetantes para as mãos, fragrâncias, bebidas alcoólicas e cosméticos. Também não funciona contra compostos que contêm toxinas inorgânicas, como água sanitária, detergentes, acetona, fertilizantes ou limpadores multiuso.

Como administrá-lo?

Como dissemos em linhas anteriores, o carvão ativado geralmente é apresentado na forma líquida ou em comprimidos para ingestão oral. Se você suspeitar que seu cão sofreu uma intoxicação, a primeira coisa que você deve fazer é levá-lo a um veterinário, independentemente de apresentar sintomas ou não. Não tente administrar carvão ativado por conta própria, a menos que seja orientado por um profissional por telefone.

Na clínica veterinária, cães assintomáticos ou levemente sintomáticos recebem o composto por via oral, misturado com água ou em forma de pílula. A regra padrão é de 1 a 3 gramas por quilo de peso do animal, então a dose depende muito da raça do paciente. A administração de metade da dose original a cada 4-8 horas pode ser necessária em alguns casos.

Se o cão não conseguir engolir, o carvão ativado deve ser administrado por meio de um tubo endotraqueal.

Quando o carvão ativado não é recomendado para cães?

Como mencionado, esse composto não é útil em todos os casos de intoxicação. Se o seu cão consumir uma garrafa inteira de gel para as mãos ou meio litro de água sanitária, o carvão ativado não fará nenhum bem, pois são compostos de substâncias com álcool ou toxinas não orgânicas.

Nesses casos, o veterinário recorrerá à indução de vômitos, lavagem gástrica e outros diferentes tratamentos. Por outro lado, se o cão estiver com dificuldade para engolir e respirar, pode ingerir o carvão ativado incorretamente e direcioná-lo para os pulmões. Essa condição coloca a vida do paciente em sério risco e, portanto, não é recomendado administrar carvão em casa.

Efeitos secundários

Infelizmente, e como qualquer substância farmacológica, esse composto pode ter vários efeitos colaterais no organismo do cão. Dentre todos eles, destacamos os seguintes:

  1. Hipernatremia: essa condição corresponde a um excesso de sódio no organismo do animal.
  2. Aspiração: a aspiração de carvão ativado para os pulmões pode causar pneumonia e outras condições graves. Por essa razão, os animais que não conseguem engolir são entubados com urgência.
  3. Sintomas gástricos: vômitos, diarreia, obstrução gastrointestinal e prisão de ventre.
  4. Fezes pretas.
  5. Irritação ocular.
Um cão branco doente no veterinário, um exemplo de neosporose canina.

Notas finais

Hoje, o carvão ativado é usado na área veterinária apenas para tratar intoxicações por determinados compostos. Foi postulado que pode ser útil no tratamento de doenças renais e outros problemas gastrointestinais, mas por enquanto esses usos não foram totalmente verificados.

Além disso, tenha em mente que esse composto não é útil para todos os casos de intoxicação. Se você observar algum sintoma preocupante em seu cão, leve-o ao veterinário o mais rápido possível, pois somente o profissional saberá determinar o tratamento e a dose exata para cada cenário.

Pode interessar a você...
Intoxicação por cogumelos em cães: o que fazer?
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Intoxicação por cogumelos em cães: o que fazer?

A intoxicação por cogumelos em cães pode ocorrer tanto em um ambiente rural quanto no próprio ambiente doméstico. É aconselhável consultar um veter...



  • Activated charcoal for dogs, Great Pet Care. Recogido a 22 de junio en https://www.greatpetcare.com/pet-medication/activated-charcoal-for-dogs/
  • Kim, Y. K., & Park, H. S. (2008). Foreign body granuloma of activated charcoal. Abdominal imaging, 33(1), 94-97.
  • Burkitt, J. M., Haskins, S. C., Aldrich, J., Jandrey, K. E., Rezende, M. L., & Boyle, J. E. (2005). Effects of oral administration of a commercial activated charcoal suspension on serum osmolality and lactate concentration in the dog. Journal of veterinary internal medicine, 19(5), 683-686.
  • Fiser, R. H., Maetz, H. M., Treuting, J. J., & Decker, W. J. (1971). Activated charcoal in barbiturate and glutethimide poisoning of the dog. The Journal of pediatrics, 78(6), 1045-1047.
  • Hansen, S. R., Timmons, S. P., & Dorman, D. C. (1992). Acute overdose of levothyroxine in a dog. Journal of the American Veterinary Medical Association, 200(10), 1512-1514.
  • Daza, A. & Ayuso, E. (2004). Intoxicaciones más frecuentes en pequeños animales. Rev. AVEPA, 24 (4), 231-239.