O casco da tartaruga: aspectos morfológicos

· maio 9, 2019
Esta estrutura óssea tem uma origem dérmica e serve para proteger esses répteis de ataques de predadores.

O casco da tartaruga representa sua característica física mais marcante, mas além de lhe proporcionar uma aparência única, essa estrutura também desempenha uma função de defesa essencial para sua sobrevivência. A seguir, apresentaremos seus principais aspectos morfológicos.

Como o casco da tartaruga é constituído?

O casco das tartarugas é uma estrutura óssea composta por várias placas ósseas que revelam uma origem dérmica. Estas placas são integralmente revestidas por escamas que se originam da epiderme do animal.

É uma camada externa protetora, que por sua vez é formada por vários escudos que acumulam β-queratina. Apesar de finos, os escudos epidérmicos são dotados de grande rigidez e são separados da parte óssea por um fino tecido vascular.

O desenvolvimento do casco inicia-se a partir de uma transformação radical durante a formação das costelas da tartaruga. Neste processo, observa-se uma hipertrofia da derme, que permite a constituição dos 50 ossos dérmicos que constituem o casco da tartaruga.

Como consequência deste desenvolvimento, a reorganização e reestruturação de outras estruturas é provocada, como o crânio, a pélvis e as escápulas. O resultado é um plano ósseo muito particular em todo o reino animal.

Em suma, o casco tem uma formação dupla. Em parte, deriva do endosqueleto do animal (os ossos dérmicos), mas também mostra uma camada queratinosa derivada de sua epiderme (as escamas protetoras). Juntas, placas e escamas constituem uma espécie de armadura de notável rigidez e dureza que protege as tartarugas de seus predadores.

Como o casco da tartaruga é constituído?

Divisão e estrutura do casco

A porção dorsal ou superior do casco da tartaruga é chamada de costas. Dentro, encontramos a espinha e as costelas do réptil unidas. Esta constituição limita significativamente a capacidade das tartarugas de se moverem; portanto, seus movimentos são lentos e um pouco irregulares.

Por sua vez, a parte ventral ou inferior do casco é chamada de peitoral, composta por nove placas ósseas e cerca de 12 ou 13 escudos.

Essa estrutura é dividida em três partes: o lobo anterior, onde encontramos as placas umeral e gular; a porção mediana, formada por placas abdominais e peitorais; e o lobo posterior, onde estão as placas femoral e anal.

Além dessas duas principais porções principais, os cascos das tartarugas também compreendem as seguintes partes:

  • Ponte: é o conjunto de ossos e escudos que conectam as costas ao plastrão.
  • A cavidade celômica: consiste no espaço interno do casco. Nela encontramos os órgãos vitais da tartaruga, como o coração, os pulmões e o fígado, a escápula, a pélvis, etc.
  • Abertura anterior: esta é a abertura localizada na parte da frente do corpo da tartaruga. Por ela, passam as pernas anteriores e a cabeça do animal.
  • Abertura posterior: esta é a abertura traseira do corpo do animal, de onde as patas traseiras e a cauda da tartaruga saem.

Tartarugas diferentes, cascos diferentes

A aparência do casco da tartaruga costuma variar muito, dependendo da espécie e do seu habitat natural. Sua textura, por exemplo, pode ser lisa, áspera, granulada e até mesclada de acordo com o exemplar e as condições do seu ambiente.

Tartarugas diferentes, cascos diferentes

Além disso, há também as chamadas tartarugas de casco mole, cujo casco é muito mais flexível do que em outras espécies. A estrutura do casco também está associada ao ambiente onde ela habita.

As espécies de tartarugas marinhas que vão à terra para fazer ninhos possuem um casco hidrodinâmico. Seu formato é visivelmente mais estreito nas costas e mais largo na parte da frente. Isso permite que elas se movam com grande agilidade e elegância na água, mas de uma maneira um tanto desajeitada na terra.

Além disso, muitas espécies aquáticas trocam os cascos periodicamente, conforme se desenvolvem e envelhecem. A frequência de queda e crescimento dos novos cascos depende do metabolismo de cada espécie.

O casco e a idade da tartaruga

A tarefa de calcular a idade de uma tartaruga e estimar sua longevidade é bastante complexa, considerando que muitos aspectos podem influenciar sua expectativa de vida. No entanto, o método mais simples para calcular a idade de uma tartaruga é observar as linhas formadas em seu casco.

Quando a tartaruga é recém-nascida, seu casco é liso e tem placas muito pequenas. À medida que seu corpo se desenvolve, as placas também crescem, e a cada ano são adicionadas linhas em seus cascos. Portanto, essas linhas são chamadas de estrias de crescimento. Ao contá-las, podemos estimar a idade da tartaruga em anos humanos.