O que os cavalos comem?

A dieta do cavalo deve ser formulada com base na atividade que o animal realiza. Assim, a dieta de um cavalo de corrida não é a mesma que a de um cavalo usado na recreação.
O que os cavalos comem?

Última atualização: 20 dezembro, 2021

O cavalo é uma espécie domesticada que pode ser encontrada em quase qualquer lugar do mundo. De forma natural, esses animais estão bem adaptados para correr em áreas planas onde a vegetação é abundante. Nesses locais, os cavalos comem diferentes alimentos que lhes permitem manter seus corpos fortes e musculosos.

A espécie tem o nome científico de Equus caballus, que atualmente agrupa várias raças diferentes. Esses animais são populares e são usados para atividades recreativas e esportivas. Portanto, devem ter uma dieta que atenda a essa necessidade física. Leia e descubra o que os cavalos comem.

A vida de um cavalo selvagem

Os cavalos estão associados a ambientes de pastagens, estepes e planícies arbustivas. De fato, acredita-se que inicialmente as populações desse animal ocupavam as regiões da Hungria, Polônia e Mongólia, onde existem várias áreas com ecossistemas adequados para elas. Nesses habitats, os espécimes costumavam se alimentar de gramíneas abundantes.

A espécie possui dieta herbívora, podendo consumir uma grande variedade de pequenas plantas, frutos, folhas, brotos e cascas. Porém, não consegue fazer bom uso dos nutrientes desses alimentos. Por esse motivo, os cavalos comem ao longo do dia de forma a suprir as suas necessidades naturais de energia e a baixa quantidade de calorias dos seus principais elementos dietéticos.

Um cavalo comendo plantas.

Como é o sistema digestivo do cavalo?

Os herbívoros têm um grande problema quando consomem plantas, pois as células vegetais que os constituem são muito difíceis de digerir. Portanto, os cavalos têm adaptações em seus corpos que lhes permitem obter energia de alimentos muito pouco nutritivos. As características mais importantes do seu sistema digestivo estão listadas abaixo:

  1. Mastigação lenta e cuidadosa: a trituração é um dos processos mais eficientes no consumo das plantas, pois facilita a digestão e absorção dos nutrientes. Isso também pode ser observado em outros herbívoros, como vacas, touros e cabras.
  2. Estômago pequeno: isso torna o processo digestivo mais rápido. Os cavalos não têm estômago como os ruminantes, por isso não absorvem bem os nutrientes da dieta. No entanto, eles a complementam aumentando o número de vezes que comem por dia.
  3. Intestino delgado com enzimas: nessa região do corpo existem enzimas que permitem a degradação dos alimentos. Esse processo não é muito eficaz, mas permite que o animal aproveite um pouco melhor a comida.
  4. Intestino grosso com microrganismos: alguns herbívoros usam a ajuda de bactérias que vivem no intestino para decompor seus alimentos. Dessa forma, os nutrientes das plantas são liberados e absorvidos com mais facilidade.

O que os cavalos domésticos comem?

Os cavalos domésticos têm o mesmo tipo de dieta que os cavalos selvagens. Portanto, não há muitas diferenças entre ambos os tipos. No entanto, os primeiros têm uma limitação em termos de disponibilidade de alimentos. Esses animais são alimentados com forragens com grande quantidade de fibras para que possam ser bem nutridos. Alguns dos tipos de alimentos mais comuns são os seguintes:

  • Feno: é a forragem seca (caules, folhas e sementes) obtida a partir de leguminosas ou cereais. Ambas as opções são ricas em proteínas, fibras e carboidratos, o que as torna uma excelente alimentação para cavalos.
  • Pastagens: como os espécimes selvagens, o equino doméstico é capaz de se alimentar de pastagens. No entanto, para que essa dieta contenha nutrientes suficientes, o espécime deve comer durante a maior parte do dia. Por esse motivo, essa dieta costuma ser complementada com feno para não afetar o animal.
  • Ervas tóxicas (precaução): é importante ressaltar que algumas gramíneas que crescem em pastagens podem ser tóxicas para o cavalo, por isso deve-se ter muito cuidado. Nem todo vegetal vale a pena em sua alimentação.
  • Grãos: esse tipo de alimento é reconhecido por fornecer uma grande quantidade de energia ao animal. Por esse motivo, só é recomendado para cavalos que apresentem altas necessidades energéticas, como cavalos de esporte ou de carga. Alguns exemplos dentro desse grupo são aveia, milho, cevada, trigo e centeio.
  • Frutas ou hortaliças: são considerados prêmio pelos espécimes, uma vez que não podem fazer parte de sua alimentação diária.
  • Sal e minerais: os cavalos devem consumir minerais como suplemento para regular o equilíbrio osmótico do corpo. Isso ocorre porque os equinos perdem esses componentes por meio do suor, que deve ser reposto através da dieta. No entanto, as gramíneas e o feno não possuem essas moléculas. Portanto, são oferecidos blocos de sal ou aditivos na alimentação do animal.

Alimentos comerciais ou concentrados

Existem certas misturas comerciais que permitem que uma dieta padronizada seja fornecida ao cavalo. Isso pode ser benéfico devido à contribuição direta de nutrientes ao animal e, além disso, é muito conveniente para o tutor.

No entanto, a dieta predefinida não é necessária para todos os tipos de cavalos. Em resumo, a ração é uma boa opção para atender a nutrição do corpo, mas não é essencial. Na verdade, se não for usada com cuidado, podem levar a problemas de saúde de longo prazo, como obesidade.

Um cavalo comendo uma planta.

Os cavalos aproveitam os nutrientes das plantas (e que são difíceis de processar). Embora possa parecer simples, esses organismos têm um sistema digestivo complexo que os ajuda a lidar com o meio ambiente. Essa característica tem permitido que eles estabeleçam populações selvagens em países como os Estados Unidos, o que reflete a capacidade adaptativa que esses belos animais possuem.

Pode interessar a você...
Distúrbios metabólicos de cavalos
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Distúrbios metabólicos de cavalos

Os distúrbios metabólicos em cavalos são aqueles que ocorrem quando algum processo relacionado ao seu metabolismo é alterado.



  • Chamorro Morán, J. T. La alimentación del caballo. Agricultura de las Américas (Colombia)(no. 163) P. 22-23, 32-35.
  • Martínez, L. M. C. (2012). Alimentación del caballo: Importancia del heno. ExtremaduraPRE: la revista de la Asociación Extremeña de Criadores de Caballos de Pura Raza Española, (11), 32-33.
  • Martínez Marín, A. L. (2009). NRC e INRA para raciones de caballos de ocio basadas en forrajes secos y concentrados granulados. Archivos de zootecnia, 58(223), 333-344.
  • Marín, A. L. M. (2007) NUTRICIÓN DE CABALLOS DE OCIO ALIMENTADOS A PESEBRE. Producción animal y gestión. 5, 1-29
  • Álvarez-Romero, J. y R. A. Medellín. 2005. Equus caballus. Vertebrados superiores exóticos en México: diversidad, distribución y efectos potenciales. Instituto de Ecología, Universidad Nacional Autónoma de México. Bases de datos SNIB-CONABIO. Proyecto U020. México. D.F