A história dos cavalos na África

setembro 11, 2019
O cavalo passou por diferentes estágios ao longo da sua história na África. Atualmente, é considerado um tipo de "espécie invasora", mas tem cada vez mais admiradores.

Em geral, tendemos a associar a fauna do continente africano a animais exóticos, como leões, rinocerontes e girafas. No entanto, os cavalos também têm uma história admirável na África.

Na prática, as características típicas das raças de cavalos africanas são uma demonstração do longo processo evolutivo pelo qual esses equinos passaram para se adaptarem ao continente.

A seguir, falaremos um pouco sobre a história dos cavalos na África, dando ênfase ao cavalo berbere, também conhecido como “a joia do norte da África”.

O cavalo berbere

O berbere ou berberisco é a raça de cavalos africanos mais emblemática. É uma raça que se expandiu através do Magrebe graças à sua notável resistência e adaptabilidade.

Muitos espécimes foram domados pelas tribos do Magrebe que habitavam principalmente o interior do norte da África.

Na mitologia africana, existem histórias e crenças muito interessantes sobre o surgimento dos cavalos berbere. No entanto, pouco se sabe sobre as origens desse animal.

Alguns pesquisadores acreditam que os ancestrais dessa espécie podem ter sido os cavalos selvagens que sobreviveram à última glaciação.

Segundo as lendas tradicionais, os conquistadores árabes ficaram fascinados ao encontrarem esses cavalos em um estado “semisselvagem”. Tudo aconteceu na antiga região da Berbéria, que se estendia do território que hoje pertence à Argélia e Marrocos até a fronteira com a Líbia.

Encantados com sua força, elegância, agilidade e resistência, os conquistadores do Oriente Médio decidiram levar alguns exemplares com o seu exército.

Não demorou muito para que esses cavalos selvagens cruzassem com os cavalos árabes. Assim, uma primeira geração de mestiços foi gerada, o que pode ter influenciado as raças atuais de cavalos árabes.

Cavalos berberes

Os cavalos berbere em guerras na África

O norte da África foi palco de inúmeros conflitos ao longo da história devido à sua localização estratégica em relação ao continente europeu. Portanto, o cavalo berbere foi amplamente utilizado no campo de batalha até os anos 50.

Quando os conflitos no norte da África começaram a cessar, entre os anos 50 e 60, esses equinos estavam à beira da extinção.

Como não eram utilizados para fins de mobilidade, a população de cavalos berbere foi drasticamente reduzida. Além disso, a atividade agrícola era muito limitada devido às características do solo e às constantes batalhas.

A situação só começou a ser revertida por iniciativa de alguns criadores argelinos que, em 1987, fundaram a Organisation Mondiale du Cheval Barbe. No entanto, o atual cavalo berbere difere morfologicamente do original e é mais robusto e alto.

Cavalos africanos da Namíbia: a extraordinária evolução adaptativa

Inicialmente, os cavalos africanos na Namíbia eram vistos como uma espécie invasora, o que poderia levar a desequilíbrios na escassa fauna e flora local. Houve até um intenso debate sobre a necessidade de exterminá-los.

No entanto, a capacidade de adaptação do cavalo a esse ecossistema novo e desafiador chamou a atenção da comunidade científica. Esses cavalos “invasores” estão entre os poucos cavalos que conseguiram sobreviver em um ambiente desértico.

Cavalo na Namíbia

Após uma série de estudos e testes, os cientistas observaram que essa adaptação era possível devido a algumas alterações morfológicas e fisiológicas no organismo dos cavalos.

Diferenças físicas dos cavalos da Namíbia

Se analisarmos a morfologia, esses espécimes são menores do que o “cavalo africano padrão”. Além disso, suas funções renais o levam a urinar menos, e eles precisam beber menos água do que os cavalos em outros ecossistemas.

Esta transformação adaptativa incrível levou os especialistas a se perguntarem a respeito de como a mudança climática vai afetar os animais, especialmente os mamíferos.

Os cavalos podem sobreviver em um ambiente hostil e muito difícil para a sua constituição física? Ainda não há respostas para essa pergunta complexa. Entretanto, a história e a capacidade dos cavalos de se adaptarem constantemente na África é uma evidência que não pode ser ignorada.

Enquanto isso, os cavalos “invasores” se tornaram uma atração turística popular na região da Namíbia e arredores. Atualmente, sua população continua a crescer e já possui mais de 300 exemplares.

Esses cavalos também parecem ter se adaptado à curiosidade dos espectadores humanos.