5 animais ameaçados de extinção no Polo Norte

O desaparecimento de uma espécie sempre traz o risco de outras. É o caso dos animais ameaçados de extinção do Polo Norte, por se tratar de um ecossistema delicado.
5 animais ameaçados de extinção no Polo Norte

Última atualização: 22 Outubro, 2021

O Ártico está passando por seu pior momento. Descongelamento, caça, perfurações petrolíferas e muitas outras ações humanas estão expondo cada vez mais animais ameaçados de extinção no Polo Norte. As espécies que habitam esse ecossistema são altamente especializadas para viver em condições de frio extremo, razão pela qual as mudanças as afetam severamente.

A destruição do meio ambiente está progredindo 3 vezes mais rápido no Ártico do que no resto do mundo. Se você quiser saber quais espécies são mais afetadas por essa situação, aqui encontrará mais informações sobre elas. O tempo está se esgotando, então o conhecimento deixa de ser um gosto e passa a ser uma necessidade.

A crise do Polo Norte

O Círculo Polar Ártico está passando por uma crise climática há muitos anos. Desde o início dos avisos até agora, pudemos constatar algumas das consequências: a elevação do nível do mar é perceptível (de 10 para 20 centímetros), há cada vez mais inundações, aparecem geadas anormais, ondas de calor e muito mais.

São muitos os problemas que essa região enfrenta, mas em termos gerais, pode-se apontar o seguinte:

  • Degelo: os polos são a geladeira do planeta. À medida que derretem e encolhem, não só os oceanos esfriam, mas todo o calor que o gelo devolve à atmosfera recai sobre o resto do planeta, acelerando o aquecimento global.
  • Emissão de metano: esse gás tão prejudicial à atmosfera é armazenado em grandes quantidades no permafrost. Quando liberado com o derretimento dessa camada, causa mais degelo, o que provoca mais emissão de metano, acelerando cada vez mais o ciclo.
  • Instabilidade climática: as consequências dessa situação são complexas, de modo que é impossível prever quais fenômenos anômalos iremos experimentar no futuro. Além disso, os especialistas garantem que sua gravidade aumentará.

5 animais ameaçados de extinção no Polo Norte

As primeiras vítimas dessa crise são os animais ameaçados de extinção no Polo Norte. Desde a perda de espaço útil até a dificuldade em encontrar comida, essas espécies estão cada vez mais encontrando problemas para sobreviver em suas próprias casas. Aqui você descobrirá quais são os mais representativos.

1. Urso-polar (Ursus maritimus)

Esse mamífero marinho talvez seja a espécie mais conhecida por causa desse problema. Os ursos-polares são totalmente dependentes da camada de gelo do Polo Norte, tanto para se locomover quanto para se alimentar. Essa espécie, que passa mais tempo na água do que na terra, leva cada vez mais tempo para retornar à água, pois a cada inverno demora mais tempo para que congele.

O fato de os ursos polares terem de se refugiar nas costas torna mais provável que eles encontrem as comunidades de humanos que lá vivem. Isso geralmente não termina bem para nenhuma das duas espécies. Por outro lado, a acessibilidade a esses animais aumentou a caça ilegal.

60% dos espécimes vivos são encontrados em terras canadenses. A espécie está em situação vulnerável.

 

2. Raposa-do-ártico (Alopex lagopus)

Esse espetacular mamífero, que desenvolve uma pelagem nevada no inverno para se camuflar na neve, costuma se alimentar da carniça deixada pelos ursos-polares. Como esses mamíferos têm dificuldade em encontrar presas, a raposa-do-ártico é forçada a buscar novas fontes de alimento.

À medida que entram em novos territórios em busca de caça, as raposas-do-ártico invadem terras de outras espécies, como as da raposa-vermelha (Vulpes vulpes). Assim, elas se tornam competidoras de outros predadores e descompensam os novos habitats em que entram.

Existem 4 subespécies de raposa-do-ártico. A espécie não está listada como “ameaçada de extinção” hoje, mas seu futuro é delicado.

 

Um dos animais ameaçados de extinção no Polo Norte.

3. Beluga (Delphinapterus leucas)

A beluga é vítima de um problema na base da cadeia alimentar: a densidade das algas que proliferam no gelo vai diminuindo com o derretimento desse material. Os crustáceos que se alimentam deles estão reduzindo suas populações e, por sua vez, o bacalhau-do-ártico também está em perigo, pois os caça para sobreviver.

No último elo está a beluga, que se alimenta principalmente de bacalhau-do-ártico e também sofre queda em número. Além disso, em sua faixa ao largo da costa do Alasca, ela tem que lidar com o tráfego marítimo e a poluição industrial em suas águas. Atualmente, está em perigo de extinção.

Essa espécie foi alvo de caça comercial durante o século XIX e parte do século XX.

 

Um dos animais ameaçados de extinção no Polo Norte.

4. Morsa (Odobenus rosmarus)

É uma espécie endêmica dos mares árticos. Esses mamíferos sobem nas placas de gelo e costas para descansar, dar à luz ou amamentar seus filhotes. Além da destruição de seu habitat pelo degelo, eles têm que enfrentar a caça que visa obter suas longas presas (feitas de marfim) e sua gordura corporal.

A prospecção de petróleo em sua área de distribuição prejudica o ecossistema circundante, principalmente quando há derramamentos acidentais.

 

Um dos animais ameaçados de extinção no Polo Norte.

5. Lagópode-branco (Lagopus muta)

Essa ave galiforme é uma espécie muito comum na tundra do Polo Norte. À medida que o gelo recuou, os lagópodes-brancos buscaram refúgio em maciços montanhosos, onde ficaram isolados. Como são forçados a ir cada vez mais para o sul (são vistos até nos Pirineus espanhóis), seu número tem diminuído. Infelizmente, as populações estão cada vez mais fragmentadas.

Existem exatamente 23 subespécies de lagópode-branco.

Ouvir todas essas notícias é sempre triste. Além disso, a insistência da mídia faz com que se transforme em uma mensagem normalizada, criando um sentimento de que não é possível mudar nada. No entanto, embora uma pessoa sozinha não possa salvar o planeta, as que cuidam dele são mais numerosas do que aquelas que o destroem: trabalhar juntos é a chave para salvar esses animais e a Terra.


  • Dirzo, R., Young, H. S., Galetti, M., Ceballos, G., Isaac, N. J., & Collen, B. (2014). Defaunation in the Anthropocene. science345(6195), 401-406.
  • Davidson, S. C., Bohrer, G., Gurarie, E., LaPoint, S., Mahoney, P. J., Boelman, N. T., … & Hebblewhite, M. (2020). Ecological insights from three decades of animal movement tracking across a changing Arctic. Science370(6517), 712-715.
  • SEO/BirdLife. (2018, 4 mayo). Lagópodo alpino. https://seo.org/ave/lagopodo-alpino/
  • Moyano, A. O. (2017). Ártico: La última frontera. Cambio 16, (2242), 20-25.
  • Lowry, L., Reeves, R. & Laidre, K. 2017. Delphinapterus leucasThe IUCN Red List of Threatened Species 2017: e.T6335A50352346. https://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2017-3.RLTS.T6335A50352346.en. Downloaded on 17 August 2021.