Cio das cadelas: sintomas e comportamentos

fevereiro 22, 2019
Além das típicas manchas de sangue que são deixadas no chão durante o cio das cadelas, tanto as fêmeas quanto os machos apresentam mudanças claras de comportamento.

Quando nosso animal de estimação está pronto para se reproduzir, ele apresenta algumas mudanças em seu comportamento. Nós também podemos detectar certos sintomas físicos e emocionais durante o cio das cadelas. Contaremos tudo a você neste artigo.

Cio das cadelas: o que saber

Como primeiro passo, temos que saber informações básicas sobre o cio das cadelas. Esse é o período em que a fêmea começa a ovular para, mais tarde, ser fecundada. Durante esse período, ela tentará chamar a atenção dos machos de diferentes maneiras.

As alterações hormonais interferem no comportamento do animal, e podemos perceber que “algo está acontecendo” com nosso pet muito antes de ver manchas de sangue em seus cobertores e caminhas.

O primeiro cio nas cadelas aparece entre seis e oito meses de vida e se repete uma ou duas vezes por ano.

Isto para garantir a sobrevivência dos filhotes, uma “herança” que os lobos receberam de seus parentes diretos.

Não existe uma época exata do ano para o aparecimento do cio; embora seja mais frequente no final do inverno e início da primavera.

A ‘menstruação’ das cadelas pode durar até 23 dias, mas não é em todo esse tempo que a fêmea tem a possibilidade de procriar. É bom também saber que, se a cadela for castrada, todos os sintomas do cio desaparecerão.

Cachorros no parque

Sinais do cio nas cadelas

Tal como acontece com todos os mamíferos, as fêmeas passam por diferentes alterações hormonais, físicas e emocionais durante o cio.

Podemos ver então que a nossa cadelinha se comporta de maneira diferente nestes dias; e mesmo de manhã de um jeito e à tarde de outro. Alguns dos sintomas do cio nas cadelas são:

  1. Mais carinhosa

Durante os primeiros dias de cio, é provável que a cadelinha fique muito mais carinhosa do que o normal.

Ela também ficará mais ‘apegada’ aos donos e procurará receber carinho continuamente: inclusive, ela pode vir a sofrer de ansiedade de separação, se a deixarmos sozinha por muitas horas.

  1. Órgãos sexuais inchados

Este é um dos sinais físicos das cadelas quando entram no cio. A vulva fica naturalmente inchada durante as duas primeiras semanas do cio. 

Além disso, em algumas cadelas, essa área também escurece e é provável que você a veja lambê-la com mais frequência, por causa das secreções.

  1. Procura por machos

Devemos ter muito cuidado se não queremos que a nossa cadelinha procrie. Se observarmos bem, veremos que durante uma caminhada na rua ou no parque, ela estará mais próxima de machos do que de fêmeas.

Quando se está perto de um possível parceiro, é provável que ela deseje brincar apenas com ele e não prestar atenção a todo o resto.

Cachorra de unhas pintadas de rosa

  1. Sangramento

Outro dos sinais típicos do cio nas cadelas é a perda de sangue, como acontece com as mulheres durante a menstruação.

Neste caso, o sangramento ocorre junto com o inchaço da vulva e é uma forma de chamar a atenção dos machos. 

Tenha em mente que eles são guiados pelo cheiro e, através do sangue, a fêmea libera feromônios para atrair seus parceiros em potencial.

  1. Mudanças na dieta

Algumas cadelas, quando estão no cio, não comem como de costume. Talvez elas se sintam saciadas por mais horas do que o normal e apresentem um pouco de relutância.

E o que acontece com os machos?

Os machos não entram no cio como as fêmeas, mas eles mudam seu comportamento quando detectam que há uma parceira próxima, com a qual podem acasalar.

Eles podem se tornar mais agressivos, devido ao aumento dos hormônios testosterona e cortisol, ficarem muito inquietos, latirem ou uivarem à noite, tentarem escapar de casa ou marcar território por toda parte através da urina.

Por sua vez, os machos podem vir a sofrer de depressão quando não saem de casa, sentem-se confusos ou distraídos e brigam entre si.

Para evitar todos esses sinais, tanto em machos quanto em fêmeas, a melhor alternativa é a castração.

Além disso, há o benefício de evitar grandes ninhadas que podem resultar em cães abandonados nas ruas.

Freeman, S. (2009). Reproducciòn animal. Biologìa.