Como tratar o raquitismo em gatos?

O raquitismo pode ser causado por muitos eventos tanto fisiológicos quanto ambientais, incluindo a competição durante a amamentação dos filhotes.
Como tratar o raquitismo em gatos?

Última atualização: 03 Julho, 2021

O raquitismo em gatos é uma patologia que afeta a estabilidade óssea. Essa doença é causada por um déficit nutricional, que acaba levado à descalcificação dos ossos do animal. Se não for tratado, o raquitismo leva ao amolecimento dos ossos e a malformações.

Atualmente, essa condição não é mais uma doença tão comum, graças aos cuidados na alimentação dos animais de estimação. Contudo, é necessário prestar atenção a possíveis sinais de alerta que nos ajudam a prevenir problemas e manter a saúde do animal. Saiba mais sobre o raquitismo felino e suas características neste artigo.

O que é o raquitismo felino?

O raquitismo é conhecido como a patologia que amolece os ossos e causa malformações ósseas. Surge como consequência de uma deficiência de vitamina D, fósforo ou até como consequência hereditária. A falta desse micronutriente impede o intestino de absorver o cálcio dos alimentos, o que resulta em uma falta de mineralização do osso e da cartilagem em crescimento.

A vitamina D é um pró-hormônio que permite o aproveitamento do cálcio. Ao ser reduzido, interrompe o metabolismo que permite calcificar o osso. Esse problema ocorre mais em gatos pequenos do que em adultos.

Quais são as causas do raquitismo em gatos?

A principal causa do raquitismo em gatos é a falta de vitamina D no organismo do animal. Isso é gerado a partir de uma cadeia de eventos, com um desfecho em que o metabolismo do felino é incapaz de “endurecer”, ou melhor, calcificar os ossos.

Em primeiro lugar, isso causa um mau aproveitamento do cálcio no intestino. Como o organismo detecta uma grave falta de cálcio, ele é forçado a removê-lo de seu grande reservatório: os ossos. Em outras palavras, o organismo precisa de cálcio, mas não pode obtê-lo dos alimentos, portanto o sistema ósseo é responsável por atender à demanda.

Embora suas causas possam ser variadas, podemos agrupá-las em 3 principais:

  1. Deficiência nutricional: falta de vitamina D na dieta do felino.
  2. Hereditária: resistência à vitamina D ou interrupção do seu metabolismo.
  3. Derivado de outra doença: como consequência de patologias alternativas que causam deficiência de vitaminas, como parasitismo, inflamação intestinal, etc.

 

Um exemplo de raquitismo em gatos.

Tipos de raquitismo

De forma simples, o raquitismo pode ser classificado em 3 tipos:

  1. Raquitismo carencial: refere-se a um déficit de vitamina D, devido a causas externas ao organismo.
  2. Raquitismo primário: inclui doenças congênitas, nas quais há resistência aos metabólitos da vitamina D.
  3. Raquitismo secundário: refere-se ao fato de que o raquitismo é um efeito secundário de outra doença, como insuficiência renal, problemas oncológicos, déficit hipofosfatêmico hereditário, etc.

Sintomas de raquitismo em gatos

Embora esse dado seja pouco conhecido, é necessário esclarecer que o cálcio não é usado apenas para fortalecer os ossos, mas também figura como um elemento comum dentro das células. No ambiente celular, esse mineral é útil para a contração muscular, a coagulação, o funcionamento do sistema nervoso, a síntese de enzimas e muitas outras tarefas.

Devido a isso, os sintomas do raquitismo podem ser diversos. Contudo, vários dos seguintes sinais clínicos podem ser encontrados em felinos:

  • Ossos das extremidades deformados.
  • Fraqueza física.
  • Aumento ou redução do tamanho dos ossos.
  • Andar comprometido (mancar).
  • Agachamento: uma deformação das patas.
  • Incurvação das diáfises ou membros em X.

Diagnóstico da doença

Quanto ao diagnóstico, é necessário que seja feito por um profissional veterinário. Embora os sintomas possam ser concisos, o veterinário deve avaliar a gravidade da doença. Portanto, será realizado um exame físico para detectar quaisquer malformações ou alterações presentes. Além disso, o exame físico pode ser complementado com exames radiográficos e de sangue para entender o estado de saúde do felino.

Diagnóstico radiográfico

Por meio desse exame, são tiradas fotos dos ossos. O objetivo é detectar qualquer manifestação da doença, desde a redução dos ossos, passando por espessamentos ou malformações, até o alargamento da cartilagem de crescimento.

Essa análise é melhor observada na ulna e no rádio, no âmbito das epífises.

Bioquímica do sangue

Com relação à coleta de sangue, os critérios para determinar o raquitismo são os seguintes:

  • A calcemia está baixa.
  • O fósforo está alto e a relação “Cálcio/Fósforo” está bem abaixo de 1.
  • A fosfatase alcalina está alta.
  • Existe anemia, 80% dos casos a apresentam.
  • A concentração de vitamina D ou metabólitos é baixa.

Tratamento do raquitismo em gatos

O tratamento geralmente é simples e eficaz e visa compensar a falta de vitamina D no sistema. Para isso, são utilizados suplementos nutricionais que melhoram os níveis de vitaminas e de cálcio. Além disso, o metabolismo da vitamina D requer luz solar para seu processamento, portanto a exposição ao sol também é necessária.

O veterinário provavelmente recomendará um processo adicional de desparasitação. Com essa medida, busca-se eliminar algum outro fator que esteja causando o problema nutricional. O tratamento da dor e das malformações ósseas também deve ser considerado, por se tratar de problemas decorrentes do raquitismo.

Lembre-se de que qualquer medicamento ou tratamento só deve ser fornecido por um veterinário, o único profissional capacitado a oferecer os devidos cuidados ao seu animal de estimação.

 

Um pequeno gato com pelo comprido.

Você deve prestar atenção à dieta de seu animal em todos os momentos. Mesmo que o raquitismo não seja mais uma doença comum, o desejo nunca é fazer uma consulta desnecessária com o veterinário. Cuide dos seus animais, cuide de si e previna qualquer doença no seu ambiente doméstico.

Pode interessar a você...
Vitamina D: por que influencia a saúde dos animais de estimação?
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Vitamina D: por que influencia a saúde dos animais de estimação?

Ao contrário das pessoas, cães e gatos não sintetizam uma grande quantidade de vitamina D e, por isso, dependem da dieta.



  • Godfrey, D. R., Anderson, R. M., Barber, P. J., & Hewison, M. (2005). Vitamin D‐dependent rickets type II in a cat. Journal of small animal practice46(9), 440-444.
  • Geisen, V., Weber, K., & Hartmann, K. (2009). Vitamin D‐dependent hereditary rickets type I in a cat. Journal of veterinary internal medicine23(1), 196-199.
  • Dittmer, K. E., & Thompson, K. G. (2011). Vitamin D metabolism and rickets in domestic animals: a review. Veterinary Pathology48(2), 389-407.
  • Rueda Hernánz, J., & Fernández Santana, A. L. (1989). Osteodistrofias en el perro y en el gato: diagnóstico diferencial. Clínica veterinaria de pequeños animales9(1), 0001-14.
  • Kautz, W., & Hoskins, J. (1975). Low Calcium Rickets in Young Cats. Iowa State University Veterinarian37(3), 3.
  • Rueda Hernánz, J., & Fernández Santana, A. L. (1989). Osteodistrofias en el perro y en el gato: diagnóstico diferencial. Clínica veterinaria de pequeños animales, 9(1), 0001-14.