Conheça os gatos espiões da CIA

· dezembro 2, 2018
Este projeto tinha como objetivo espionar a União Soviética durante a Guerra Fria. Isso era obtido através de sistemas de escuta instalados em felinos. Entretanto, uma série de complicações levaram o projeto ao fracasso.

Embora pareça incrível, a CIA considerou juntar os gatos espiões ao seu “staff”, através do projeto “Acoustic Kitty”

A verdade é que, embora a ideia não fosse inteiramente brilhante, despertou o interesse deste famoso serviço de inteligência durante a chamada Guerra Fria.

Animais domésticos têm sido usados ​​há séculos em diferentes guerras humanas.

Alano espanhol foi destaque na conquista da América; os elefantes “lutaram” pelo Império Persa, e os cães foram usados na Segunda Guerra Mundial.

Já os gatos também foram convocados, mas em um episódio recente, que aconteceu há 50 anos.

A Guerra Fria despertou uma competição entre os Estados Unidos e a Rússia, que trouxe grandes infortúnios para a humanidade.

No entanto, até o fim desse conflito camuflado, não sabíamos até que ponto era também uma desgraça para os animais domésticos.

Como eram os gatos espiões?

A proposta dos gatos espiões surgiu após uma série de reuniões na Ásia, em que membros da CIA verificaram que ninguém notou a presença de gatos durante as reuniões secretas que realizavam.

Um equipamento de gravação foi instalado no corpo dos felinos, que consistia em um transmissor, microfone e bateria. Depois de vários testes, eles acabaram usando as orelhas para colocar o microfone, o dispositivo funcionou bem, e os gatos espiões se comportaram normalmente durante a gravação.

gatos espiões CIA

A necessidade de evitar a suspeita de gatos espiões fez com que uma bateria fosse colocada no interior, enquanto a antena era instalada por meio da cauda.

Por isso, a intervenção cirúrgica era cara e, sem dúvida, criticada a nível ético… Talvez seja por isso que até hoje a CIA não revelou completamente os documentos da operação.

Os problemas dos gatos espiões

Depois de pesar as questões éticas e a possível reação da opinião pública, o projeto recebeu sinal verde.

O problema é que o serviço de inteligência não se perguntou como faria o treinamento dos gatos espiões para um trabalho secreto.

Durante as primeiras semanas de treinamento, os responsáveis começaram a se perguntar se o projeto era viável.

Os gatos ficavam distraídos com qualquer som ou deixavam o local da gravação em busca de comida. 

De fato, a sensação de fome em alguns animais foi suprimida através de uma nova cirurgia.

Embora treinar os gatos para percorrer distâncias curtas fosse relativamente simples, era praticamente impossível treinar os gatos espiões para ações em cadeia sem que o treinador reforçasse continuamente esses estímulos.

curiosidade felina

E, embora os sentidos dos gatos sejam magistrais, eles certamente fazem o que querem, e seu treinamento é muito mais complicado e limitado do que o dos cães.

Talvez seja por isso que existam centenas de raças de cães de trabalho, já os gatos sempre foram animais de estimação.

Fracasso dos gatos espiões

Talvez os agentes americanos tenham sido tão insistentes devido ao alto custo investido.

Estima-se que entre 15 e 20 milhões de dólares foram investidos em gatos espiões durante os cinco anos do projeto
, encerrado em 1966.

Foi precisamente em 1966, quando tentaram infiltrar um desses gatos na embaixada soviética em Washington DC para gravar conversas entre dois agentes da URSS, mas o gato foi atropelado por um táxi.

Foi então que a CIA concluiu que os gatos espiões não eram práticos ou viáveis.

Isso fez bem a centenas de gatos que se livraram das grotescas operações cirúrgicas necessárias para participar do projeto.