9 curiosidades sobre a borboleta-atlas

A borboleta-atlas também é considerada a maior do mundo se for levada em conta a área total das asas.
9 curiosidades sobre a borboleta-atlas

Última atualização: 28 julho, 2022

As borboletas sempre foram caracterizadas por terem belas asas. No entanto, algumas espécies deste grupo excedem em muito as expectativas. Um dos casos mais famosos é o da borboleta-atlas, conhecida por ser um dos maiores exemplares do gênero.

O nome científico deste Lepidoptera é Attacus atlas e pertence à família Saturniidae. Na verdade, este táxon é um dos mais populares porque apresenta espécies incríveis e espetaculares. Continue lendo este espaço e conheça algumas curiosidades sobre a borboleta-atlas.

Fatos pouco conhecidos sobre a borboleta-atlas

O tamanho não é a única característica marcante desta espécie, pois ela guarda vários segredos que nem todos conhecem. Algumas das curiosidades que existem sobre a borboleta-atlas são as seguintes.

1. Luta pela posição da borboleta com a maior envergadura do mundo

Pode parecer um pouco estranho, mas atualmente a posição de “maior borboleta do mundo” está em disputa. Especificamente, o maior concorrente é a borboleta Ornithoptera alexandrae. Esta espécie tem uma envergadura de 31 centímetros de comprimento, enquanto a borboleta-atlas atinge 30 centímetros.

Embora a disputa seja clara e haja apenas um vencedor, o problema é que a borboleta Ornithoptera alexandrae está ameaçada. Na verdade, é bastante raro encontrá-la e não há muitos registros de sua população, então é provável que desapareça em breve. Por causa disso, a borboleta-atlas pode se tornar a maior do mundo em poucos anos.

2. As fêmeas são maiores que os machos

A borboleta-atlas tem um dimorfismo sexual muito evidente, uma vez que as fêmeas são maiores que os machos. Na verdade, são as fêmeas que têm as maiores envergaduras, enquanto os machos podem ser identificados graças às suas antenas mais longas e peludas.

3. Na Índia elas são criadas para produzir seda

Como outros lepidópteros, o estágio larval (lagarta) da borboleta-atlas tem a capacidade de produzir seda. Este produto é de grande importância econômica na Índia, pois possui grande durabilidade e sua textura é muito semelhante à da lã. Por esta razão, esta espécie é frequentemente criada para “ordenhá-la” por sua seda.

4. Em Taiwan, seus casulos são usados como bolsas

Os casulos da borboleta-atlas são feitos da mesma seda que as larvas produzem, embora esta seja compactada para dar a forma de uma pequena bolsa. De fato, a abertura deixada pelas borboletas quando emergem faz com que pareça uma bolsa. Portanto, em algumas áreas da Ásia, como Taiwan, eles apenas adicionam um fecho para usá-los para esse fim.

5. Não tem boca

A borboleta-atlas perde a boca durante a metamorfose, por isso é incapaz de se alimentar quando atinge a idade adulta. Por causa disso, elas estão destinadas a morrer de fome. Durante seu ciclo de vida, o estágio larval (lagarta) é o único que possui boca.

6. Sua vida como borboleta é muito curta

Como mencionado, a fase adulta desta espécie (borboleta) não possui boca funcional, portanto sua longevidade é restrita a 6 dias em média. Este tempo pode ser aumentado ou reduzido dependendo da atividade do exemplar. Em geral, os machos morrem a partir do dia 2 porque usam muita energia para acasalar com várias parceiras, enquanto as fêmeas duram 6 dias porque acasalam apenas uma vez.

7. Suas asas são em forma de cobra

Uma das curiosidades mais impressionantes da borboleta-atlas é a forma particular de suas asas. Visto de lado enquanto dobradas, o canto superior se assemelha à cabeça de uma cobra. A espécie usa essa característica como mecanismo de defesa, pois se sentir perigo, cai no chão e tenta se passar por cobra.

Borboleta Atlas com asas dobradas

8. Também chamada de mariposa-atlas

As mariposas podem ser identificadas por possuírem antenas com vários “pelos”, enquanto as borboletas as possuem em forma de bastonetes (lisos). Especificamente, a borboleta-atlas exibe antenas peludas, razão pela qual é conhecida em alguns lugares como a mariposa-atlas. No entanto, não há consenso científico sobre a qual grupo essa espécie pertence, então por enquanto é válido chamá-la de borboleta ou mariposa.

9. Acasalam o ano todo

A borboleta-atlas é capaz de se reproduzir ao longo do ano, pois não possui requisitos específicos para completar seu ciclo de vida. No total, desde quando são ovos até a morte, passam entre 65 e 100 dias, de modo que a cada 2 ou 3 meses uma nova geração é produzida.

Como você pode ver, a borboleta-atlas esconde várias curiosidades por trás de sua aparência peculiar. No entanto, não é a única espécie magnífica que pode ser encontrada dentro do grupo Lepidoptera. A natureza está repleta desse e de outros organismos com características incríveis, basta prestar um pouco mais de atenção ao meio ambiente para descobri-los.

Pode interessar a você...
Criação de borboletas: conselhos básicos
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Criação de borboletas: conselhos básicos

As borboletas são um inseto do qual nos lembramos desde nossa infância. Muitas pessoas gostam delas e gostariam de ter um borboletário em casa. Voc...



  • Reddy, N., Zhao, Y., & Yang, Y. (2013). Structure and properties of cocoons and silk fibers produced by Attacus atlas. Journal of Polymers and the Environment, 21(1), 16-23.
  • Nindhia, T. S., Nindhia, T. G. T., Surata, I. W., Knejzlik, Z., & Ruml, T. (2017). Preparing silk biomaterial from cocoon of wild silkmoth Attacus atlas. Int J Pharma Med Biol Sci, 6(2), 32-36.
  • Böhm, M. (2018). Ornithoptera alexandrae. The IUCN Red List of Threatened Species 2018: e.T15513A88565197. https://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2018-1.RLTS.T15513A88565197.en.
  • Sathe, Tukaram & Kavane, Rangrao. (2014). Biology of Attacus atlas (Lepidoptera : Saturniidae) A Wild Silk Worm of India. INDIAN JOURNAL OF APPLIED RESEARCH. 4. 4-7.
  • Nindhia, T. G. T., Knejzlik, Z., Ruml, T., Surata, I. W., & Nindhia, T. S. (2017, May). Indigenous Indonesian Wild Silkworm Cocoon of Attacus atlas as Biocompatible Film Biomaterial. In IOP Conference Series: Materials Science and Engineering (Vol. 204, No. 1, p. 012011). IOP Publishing.