9 curiosidades do diabo-da-tasmânia

Há muito tempo, o diabo-da-tasmânia foi distribuído em várias partes da Austrália. No entanto, atualmente está restrito à ilha da Tasmânia.
9 curiosidades do diabo-da-tasmânia

Última atualização: 04 junho, 2022

Estima-se que existam entre 5 e 50 milhões de espécies no mundo, mas apenas pouco menos de 2 milhões delas foram registradas. Cada um desses organismos vivos é incrível e possui características únicas. No entanto, na Austrália vivem algumas das mais exuberantes, perigosas e belas que você possa imaginar. Uma delas é o diabo-da-tasmânia, considerado o maior marsupial carnívoro existente.

Seu nome científico é Sarcophilus harrisii, pertence à família Dasyuridae, onde são encontrados camundongos e musaranhos marsupiais. É o emblema nacional da Tasmânia e seu governo propôs vários programas de proteção para a espécie. Continue a leitura e descubra várias curiosidades sobre o diabo-da-tasmânia.

Quem é o diabo-da-tasmânia?

O diabo-da-tasmânia é um pequeno marsupial que mede pouco mais de 65 centímetros de comprimento e 30 centímetros de altura. Em perspectiva, seu tamanho rivaliza com o de vários cães de tamanho médio, embora sua aparência possa lembrar mais um porco anão alongado.

Esses animais são caracterizados por sua pelagem preta com manchas brancas irregulares por todo o corpo. Por outro lado, sua mandíbula pode se abrir bastante, permitindo que exiba suas presas como uma ameaça aos predadores.

Curiosidades do diabo-da-tasmânia

Embora suas características físicas não pareçam tão maravilhosas, existem várias curiosidades incríveis sobre o diabo-da-tasmânia. Algumas delas estão listadas abaixo.

1. São excelentes nadadores e escaladores

O diabo-da-tasmânia não se destaca apenas por suas características, mas também por suas habilidades físicas. É muito habilidoso para nadar distâncias curtas e longas, e graças às suas garras e agilidade é capaz de subir em árvores com facilidade.

2. Sua visão está adaptada à noite

Os diabos-da-tasmânia são caçadores noturnos que se saem bem em quase todas as situações. Isso só é possível graças à sua excelente visão em preto e branco, que o ajuda a perceber melhor a iluminação e os movimentos de suas presas. Claro, ele tem dificuldade em ver objetos estacionários.

3. Os filhotes acabam se desenvolvendo fora da mãe

A gestação dos diabos-da-tasmânia dura 21 dias no total. No entanto, isso não é suficiente para que seus filhotes se desenvolvam, então a fêmea usa sua bolsa como uma incubadora portátil. Dentro dela, eles passam cerca de 100 dias e depois saem da bolsa para receber lições de vida com a mãe.

4. Poucos filhotes conseguem sobreviver após o parto

Como grande parte do desenvolvimento dos filhotes acontece fora do corpo da mãe, o marsúpio funciona como uma bolsa protetora que possui 4 mamilos para alimentá-los. O único problema é que cada fêmea dá à luz cerca de 30 filhotes no total, então poucos deles sobrevivem à incubação dentro da bolsa.

5. É um caçador que adora carniça

Talvez um de seus comportamentos mais contraditórios seja seu gosto particular por carniça. Apesar de seu corpo ter uma mordida forte e garras poderosas, e atingir uma velocidade superior a 13 quilômetros por hora, os espécimes preferem comer carne em decomposição. Esse comportamento parece estar ligado à sua natureza oportunista, razão pela qual não desperdiçam alimentos facilmente disponíveis.

Animais necrófagos: diabo-da-tasmânia

6. Não é perigoso ou feroz

O nome “diabo” se justifica porque esse animal usa um grito muito agudo para afugentar seus agressores. Esse comportamento era ouvido com frequência pelos habitantes da região, então eles acreditavam que era algum demônio trancado no corpo de um animal. Com o passar do tempo, ele também foi creditado com um temperamento feroz e as pessoas até começaram a ter medo dele.

Ao contrário da crença popular, o diabo-da-tasmânia tem uma personalidade tímida e é arisco. Desse modo, é muito improvável que machuque as pessoas, a menos que esteja encurralado e essa seja sua última medida de fuga. Claro, sua mordida pode fazer muito mal, mas é improvável que isso aconteça.

7. Seus ancestrais vêm da América do Sul

Embora ainda seja um tema muito discutível, alguns especialistas dizem que os ancestrais do diabo-da-tasmânia vêm da América do Sul. No entanto, sua migração para o que hoje é a Austrália aconteceu entre 270 e 550 milhões de anos atrás, quando o bloco continental Gondwana ainda estava presente.

8. Câncer facial contagioso

O câncer geralmente é uma doença invasiva que não pode ser transmitida de um organismo para outro. No entanto, há uma exceção que afeta apenas o diabo-da-tasmânia. Essa neoplasia é conhecida como câncer facial contagioso, que faz com que vários tumores cresçam perto da face e impeçam o animal de se alimentar.

O contágio desse tipo de câncer ocorre durante as lutas através de mordidas. Nesses combates, os espécimes atacam a cabeça e o rosto do oponente, o que permite a transferência de células cancerígenas entre eles. De fato, uma vez infectado, é difícil controlar o progresso dos tumores e espera-se que o animal morra nos próximos 6 meses.

9. Em perigo

O diabo-da-tasmânia foi vítima de caça ilegal e posterior comércio com sua pele. Por esse motivo, por muitos anos sua população foi dizimada, o que a aproximou da extinção. Felizmente, surgiram vários programas para resgatá-lo e garantir que os exemplares recuperassem a estabilidade. Embora tenha sido capaz de resistir à exploração, agora ele enfrenta uma ameaça pior, o câncer facial.

A União Internacional para a Conservação da Natureza lista o diabo-da-tasmânia como uma espécie ameaçada. De fato, em apenas 10 anos algumas populações foram reduzidas em cerca de 90%, o que as coloca em grande risco de extinção. Embora várias associações tentem evitar o seu desaparecimento, é provável que não consigam a tempo.

Pode interessar a você...
Características do tigre-da-tasmânia
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Características do tigre-da-tasmânia

O tigre-da-tasmânia é um animal extinto com morfologia e comportamento semelhantes aos da hiena e do seu parente mais próximo, o demônio-da-tasmâni...



  • Hawkins, C.E., McCallum, H., Mooney, N., Jones, M. & Holdsworth, M. (2008). Sarcophilus harrisii. The IUCN Red List of Threatened Species 2008:  https://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2008.RLTS.T40540A10331066.en. Accessed on 05 April 2022.
  • O’Neill, I. D. (2010). Tasmanian devil facial tumor disease: insights into reduced tumor surveillance from an unusual malignancy. International journal of cancer, 127(7), 1637-1642.
  • Woods, G. M., Howson, L. J., Brown, G. K., Tovar, C., Kreiss, A., Corcoran, L. M., & Lyons, A. B. (2015). Immunology of a transmissible cancer spreading among Tasmanian devils. The Journal of Immunology, 195(1), 23-29.
  • Jones, M., Archer, M., & Dickman, C. (2003). Predators with pouches: the biology of carnivorous marsupials. Csiro Publishing.
  • Chapman, A. D. (2009). Numbers of living species in Australia and the world. Recuperado el 6 de Abril de 2022, disponible en: https://www.awe.gov.au/sites/default/files/env/pages/2ee3f4a1-f130-465b-9c7a-79373680a067/files/nlsaw-2nd-complete.pdf