9 curiosidades sobre as salamandras

Apesar de ser um dos seres vivos mais curiosos do planeta, várias salamandras estão em perigo de extinção devido à poluição e à modificação de seu habitat.
9 curiosidades sobre as salamandras
Cesar Paul Gonzalez Gonzalez

Revisado e aprovado por o biólogo Cesar Paul Gonzalez Gonzalez.

Última atualização: 27 dezembro, 2022

As salamandras são um tipo particular de anfíbio que se assemelha muito aos lagartos, mas com a característica pele úmida que distingue esses animais. A maioria desses organismos são noturnos e habitam locais com boa disponibilidade de água. Além de terem uma aparência peculiar, várias salamandras guardam segredos e curiosidades bastante interessantes.

Formalmente, o termo “salamandra” serve para identificar os membros da ordem Caudata. Este grupo taxonômico é um parente próximo dos Anuros, que inclui sapos e rãs. Continue a leitura e descubra algumas curiosidades interessantes sobre as salamandras.

Curiosidades sobre as salamandras

São conhecidas mais de 660 espécies diferentes de salamandras, cada uma com características distintas e únicas. Embora algumas pareçam simples e imperceptíveis, todos guardam segredos pouco conhecidos pelas pessoas. Conheça abaixo algumas de suas curiosidades.

1. Têm diferentes maneiras de respirar

Normalmente, o grupo de anfíbios caracteriza-se por apresentar brânquias em seus primeiros estágios de vida e pulmões na fase adulta. No entanto, as salamandras fogem a essa regra, pois algumas espécies retêm brânquias e não desenvolvem pulmões. Graças a isso, eles podem ter pelo menos três opções de respiração: respirar pelas brânquias, respirar pelos pulmões ou respirar pela pele.

(Réptil) Salamandra aquática: características

2. As primeiras salamandras conviveram com os primeiros dinossauros

O grupo das salamandras é um dos mais antigos que existem. De fato, a espécie Triassurus sixtelae é o membro mais antigo conhecido. Este organismo extinto viveu durante o Triássico Superior, por isso foi contemporâneo dos primeiros dinossauros que habitaram o planeta.

3. Algumas espécies ficam jovens para sempre

Dentro do grupo das salamandras, existem algumas espécies capazes de manter suas características juvenis mesmo após atingirem a idade adulta. Este fenômeno é chamado de neotenia e é raro na natureza. Entre os exemplares que possuem essa habilidade estão o famoso axolote e a salamandra-tigre.

A neotenia é um fenômeno biológico em que os anfíbios mantêm sua forma de girino com nadadeiras e brânquias. Apesar de sua aparência, os espécimes são capazes de se reproduzir. No entanto, eles não são capazes de sobreviver em terra e tornam-se ainda mais dependentes de corpos d’água.

4. Nem sempre são tão pequenos

A maioria das espécies de salamandras tem uma forte semelhança com os lagartixas, razão pela qual geralmente não excedem 30 centímetros de comprimento. No entanto, certas espécies, como a salamandra gigante chinesa, são capazes de ultrapassar 1,5 metros com facilidade. Claro, elas são raras na natureza e a maioria está ameaçada pela contaminação de seu habitat.

O maior anfíbio do mundo.

5. A maioria das salamandras fertiliza internamente

Rãs e sapos apresentam fertilização externa, durante a qual liberam seus gametas (espermatozoides e óvulos) no ambiente para que ocorra a fertilização. Apesar de serem tão próximas, as salamandras não mantêm essa característica, com cerca de 90% das espécies apresentando fertilização interna. Para isso, os machos depositam no solo bolsas de esperma que serão posteriormente levadas pelas fêmeas para serem fecundadas.

6. As fêmeas podem reter esperma por um ano

Uma vez que as fêmeas pegam os sacos de esperma dos machos, elas são capazes de retê-los dentro de seus corpos por até um ano e meio. Graças a isso, podem usar o mesmo esperma para produzir uma segunda ninhada sem ter que acasalar novamente. No entanto, a maioria acasala várias vezes com diferentes parceiros.

7. Algumas espécies são resistentes ao congelamento

Uma das curiosidades pouco conhecidas das salamandras é sua grande resistência ao frio. De fato, algumas espécies entram em um estado de hibernação semelhante a hibernação que lhes permite sobreviver à estação de congelamento. Enquanto outros espécimes desenvolveram mecanismos anticongelantes complexos para sobreviver em temperaturas tão baixas quanto -55 graus Celsius.

A salamandra Salamandrella keyserlingii é o melhor exemplo desses organismos, pois é capaz de suportar o frio da Sibéria e pode até resistir ao congelamento por um tempo. Isso é possível porque ela produz um tipo de “anticongelante” que protege seus órgãos internos. Dessa forma, mesmo que seu corpo congele, ela permanece viva por um longo período.

8. São capazes de regenerar membros e até órgãos

Outra das incríveis habilidades das salamandras é sua incrível capacidade de se regenerar. Graças a isso, elas são capazes de recuperar membros por completo ou até mesmo reparar danos em diferentes partes de seus órgãos. Claro, o alcance dessa habilidade depende da espécie, de sua idade e das condições de seu ambiente.

9. Elas não têm cordas vocais

As salamandras não possuem cordas vocais e são incapazes de produzir vocalizações. Apesar disso, algumas espécies emitem um ruído particular semelhante ao de um estalo ou de um beijo, que é produto do movimento ou da sucção de sua mandíbula. Como outras vocalizações no reino animal, esse som geralmente tem a intenção de alertar ou ameaçar os concorrentes.

Como você pode ver, as salamandras são um grupo muito especial e peculiar que guarda diversas curiosidades. Além disso, são essenciais para o ambiente natural, pois sua presença serve como indicador de estabilidade ecológica. No entanto, ainda existem muitas incógnitas sobre sua biologia e habilidades inatas. Isso significa que, no futuro, eles podem se tornar mais especiais do que já são agora.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.



Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.