Damão-do-cabo: acrobatas de patas ágeis

· abril 21, 2019
Embora o damão-do-cabo pareça um roedor, seus parentes vivos mais próximos são, na verdade, elefantes e peixes-boi.

O damão-do-cabo é muito semelhante ao porquinho-da-india ou a um coelho grande com orelhas muito curtas. Mas este animal tem dentes, dedos nas patas e estruturas cranianas muito semelhantes às dos elefantes. Tanto é assim que alguns cientistas consideram o damão-do-cabo um dos parentes vivos mais próximos do elefante.

Segundo estudos, ele compartilha um ancestral com o elefante. Os fortes molares do damão moem a dura vegetação, e eles têm dois dentes incisivos que são como pequenas presas, como as de um elefante.

Vida nas rochas

Esta espécie pertence à família Procaviidae ou Hyrax, que tem três membros. O damão-do-cabo, o damão-arbóreo e os dos arbustos ou de manchas amarelas. O damão-do-cabo vive principalmente na África, mas também é encontrado na costa da Península Arábica até o Líbano.

Como o nome sugere, eles se reúnem em áreas onde há rochas, formações rochosas ou até mesmo pequenos cantos em penhascos que fornecem abrigo e proteção. Suas casas são fáceis de identificar, uma vez que a urina desses animais se cristaliza e é vista como manchas brancas nas rochas.

As patas do damão-do-cabo são projetadas para a escalada em rochas. A parte inferior de cada pata é nua e tem uma almofadinha úmida e pegajosa, para ter um efeito de ventosa. Isso o ajuda a aderir a pedras e outras superfícies lisas sem escorregar, e é por isso que eles também são conhecidos como acrobatas de patas ágeis.

Alguns traços comportamentais do damão-do-cabo

O damão-do-cabo é uma espécie muito sociável. Pode viver em colônias de até 50 indivíduos que compartilham áreas para dormir e procurar comida. Cada dia começa com uma sessão grupal de banhos de sol por várias horas. Uma vez que eles se aquecem, saem por um curto período para se alimentar.

Habitat do damão-do-cabo

O damão-do-cabo não gosta de climas frios ou chuvosos e nem vai deixar seu abrigo rochoso se o tempo não estiver do seu agrado. Embora sejam diurnos, eles podem se aventurar à noite.

Eles passam a maior parte do tempo não fazendo nada. Apenas cerca de 5% do seu tempo é gasto em atividades ativas.

Em algumas partes da África, o damão-arbóreo geralmente vive nas mesmas áreas rochosas que o do cabo. As duas espécies foram vistas compartilhando buracos de refúgio e se encontrando para se aquecer pela manhã. Seus filhotes até brincam juntos. Apesar de diferirem em outros aspectos, essas duas espécies parecem se entender.

Hábitos de alimentação do damão-do-cabo

O damão-do-cabo tem um estômago de três câmaras com bactérias que ajudam a digerir as plantas que comem. Durante a estação chuvosa, come principalmente grama, mas quando a erva seca, modificam sua dieta e se mantêm com frutas e folhas.

No momento da alimentação, eles fazem isso em um círculo; com suas cabeças apontando para fora desse círculo para monitorar os predadores. Alertam uns aos outros sobre a presença de leopardos, hienas, chacais e águias negras.

Damão-do-cabo com seu filhote

Com sua excelente visão, pode detectar um predador a mais de 900 metros de distância. Durante cada período de alimentação, o macho dominante do grupo para entre as mordidas para observar o perigo. Se ele vê algo perturbador, solta um grito de alarme que faz os outros procurarem abrigo ou ficarem completamente imóveis até que o perigo tenha passado.

Vida familiar

As fêmeas ficam com a família por toda a vida. Há um macho para cada cinco fêmeas que patrulham um determinado território dentro de sua colônia. Quando o bebê nasce, geralmente na mesma época, uma vez por ano, toda a colônia cumprimenta e cheira o recém-nascido.

Os filhotes são surpreendentemente precoces: nascem com olhos e ouvidos abertos. Eles se parecem com adultos em miniatura e têm a mesma pele exuberante. O damão-do-cabo organiza-se em grupos para cuidar dos bebês e as mães se revezam para cuidar dos pequenos.

Três dias após o nascimento, os filhotes já estão provando alimentos sólidos. O filhote consome excrementos de outros da espécie. Acredita-se que este hábito os ajuda a obter as bactérias de que seu estômago precisa para digerir as plantas que consomem.

  • https://nationalzoo.si.edu/animals/rock-hyrax