10 curiosidades sobre os beija-flores

Os beija-flores são uma das aves mais marcantes do mundo. Descubra junto com a gente algumas de suas características fisiológicas e comportamentais.
10 curiosidades sobre os beija-flores

Última atualização: 12 Setembro, 2021

Quando pensamos em pássaros, geralmente nos vêm à mente membros da ordem dos Passeriformes, uma vez que representam mais da metade das aves do mundo. Costumamos imaginar um canário cantando, um pardal pulando em busca de comida ou um belo pintassilgo cantando uma melodia. Em todo caso, há pássaros que rompem com esse padrão em todos os sentidos: você quer conhecer algumas curiosidades sobre os beija-flores?

Os beija-flores não cumprem muitas das regras biológicas aplicadas a outros animais: eles se alimentam de néctar, têm taxas metabólicas extremamente altas e seu corpo foi reduzido a níveis fisiológicos baixos. Continue lendo, pois a seguir mostramos 10 fatos interessantes sobre essas belas e frágeis aves.

1. Existem mais de 300 espécies de beija-flores!

Antes de entrar totalmente nas curiosidades sobre os beija-flores no que diz respeito ao voo e à alimentação, é necessário descrever geneticamente seu grupo, mesmo que de maneira breve. Em primeiro lugar, deve-se notar que o termo “beija-flor” designa todos os membros da família biológica Trochilidae, por sua vez incluídos na ordem dos Apodiformes.

Até o momento, são conhecidas cerca de 360 espécies de beija-flores, todas com adaptações e estratégias biológicas semelhantes. Essas frágeis aves compartilham uma ordem taxonômica com os andorinhões, mas hoje se propõe separar o beija-flor do resto das aves, formando sua própria ordem (Trochiliformes). O debate continua aberto.

Embora possa não parecer, andorinhões e colibris possuem diversas semelhanças anatômicas que os colocam como parentes diretos.

2. Um plano corporal comum

Todos os beija-flores são conhecidos por seu tamanho pequeno, bicos longos e delgados e capacidade de manobra impressionante durante o voo. Em qualquer caso, existem certas diferenças notáveis entre as espécies. Por exemplo, os menores membros do grupo (Phaethornis ruber e Mellisuga helenae) pesam menos de 2 gramas, enquanto as espécies grandes (como Patagona gigas) pesam 21 gramas.

Como estratégia reprodutiva e método de defesa do território, a maioria dos beija-flores machos possui penas de cores variadas e muito marcantes. As fêmeas costumam ser mais crípticas e maiores, pois não precisam atrair a atenção de seus potenciais parceiros.

A maioria das espécies de beija-flores pesa 2,5 a 6,5 gramas e mede de 6 a 12 centímetros.

Patagona gigas é o maior membro desse diverso grupo.

3. São espécies de distribuição localizada

Uma das curiosidades sobre os beija-flores é que eles requerem condições bastante específicas para viver. Eles só são encontrados em regiões do Novo Mundo, ou seja, ecossistemas tropicais e subtropicais. Curiosamente, mais da metade das espécies desse grupo vive no Brasil e no Equador. Devido às suas características nutricionais, essas aves são encontradas apenas em áreas com alta densidade de flores.

Devido ao fato de as hortas caseiras terem cada vez mais inflorescências, os beija-flores às vezes adentram os centros urbanos das cidades.

4. Uma taxa metabólica estonteante

O termo “taxa metabólica” refere-se ao gasto de energia de um ser vivo em repouso por unidade de tempo. O metabolismo dos colibris é extremamente alto, pois eles podem apresentar pulsos de 1260 batimentos por minuto e até 250 respirações em 60 segundos, mesmo quando não estão fazendo atividade física.

Durante o voo, o consumo de oxigênio muscular dessas espécies é 10 vezes maior do que o de um atleta profissional humano de elite durante a corrida. Portanto, como indicam estudos, as mitocôndrias ocupam 35% das fibras dos músculos dessas aves. Isso se deve à sua necessidade constante de energia.

5. Os beija-flores podem dissipar o calor de forma eficaz!

A energia física que os beija-flores queimam é traduzida em calor. Para dissipar essa grande quantidade derivada do exercício físico, essas aves termorregulam com fascinante eficiência. Alguns de seus mecanismos são os seguintes:

  1. Parte do calor é perdida devido à alta taxa de evaporação pelo ar exalado.
  2. Outra parte se dissipa em áreas com mínima presença de penas, como ao redor dos olhos, nos ombros, sob as asas e nas pernas.
  3. Algumas espécies possuem estruturas que aumentam sua relação superfície/volume. Assim, trocam calor com o meio ambiente mais facilmente.

6. Hábitos alimentares especializados

Conforme indicado pelo site Animal Diversity Web (ADW), 90% da dieta dessas aves é composta por néctar, enquanto os 10% restantes são insetos. Uma das curiosidades pouco conhecidas sobre os beija-flores é que eles também se alimentam de abelhas, moscas, aranhas, besouros e formigas. O seu bico é uma adaptação clara para obter o líquido do fundo da inflorescência, geralmente em forma de “tromba”.

Um beija-flor pode comer néctar em uma quantidade até 8 vezes seu próprio peso em 24 horas.

7. Os beija-flores têm excelente visão

Embora os olhos da maioria das espécies de beija-flores sejam pequenos (cerca de 6 milímetros de diâmetro), eles ocupam uma proporção bastante elevada do espaço da cabeça do animal. Além disso, seu aparelho ocular tem córneas muito grandes e cerca de 45 000 neurônios por milímetro quadrado em áreas especializadas. Tudo isso nos mostra que sua visão é excepcional.

A visão é essencial para essas aves, pois devem manobrar em tempo recorde durante o voo. Além disso, eles usam sua distinção cromática para reconhecer flores, localizar espécimes da mesma espécie e muito mais.

8. Esses pássaros “hibernam” todos os dias

Quando não têm comida disponível e a noite se aproxima, os beija-flores entram em um estado chamado torpor. Nele, a temperatura corporal do animal cai de 40 ° C para 18 ° C, e o pulso diminui para 50 batimentos por minuto (em comparação com 1200 durante o dia). Graças a isso, eles evitam a perda desnecessária de energia e a desidratação.

Uma das curiosidades sobre os beija-flores é que eles perdem até 10% do peso durante o torpor.

9. Eles vivem rapidamente, mas também vivem muito

Para as taxas metabólicas que apresentam, os beija-flores têm uma longevidade admirável. A maioria das espécies sobrevive de 3 a 5 anos, mas outras chegam a 12 anos na natureza e até 17 em cativeiro. Em qualquer caso, suas taxas de sobrevivência são baixas (apenas 35-40% chegam vivos ao final de cada ano), pois são aves muito vulneráveis durante os primeiros estágios de vida.

10. São peças vitais dos ecossistemas

Os beija-flores realizam um vasto trabalho de ecossistema. Ao pousar de flor em flor ao longo de toda sua vida, eles polinizam passivamente centenas de vegetais. Algumas plantas têm essas aves como únicos polinizadores e, só no Brasil, são capazes de promover a reprodução de mais de 58 espécies diferentes.

Embora esse trabalho seja admirável, também tem seu lado negativo. Alguns ácaros aproveitam os colibris como veículos e sobem neles para se deslocarem de planta em planta, sem causar nenhum dano ao pássaro. Mais de 40 espécies de ácaros usam o beija-flor para infestar novos vegetais com facilidade.

 

Um beija-flor se banha em uma fonte.

O que você achou dessas curiosidades sobre os beija-flores? Com certeza você já os conhece bem, mas nunca é demais lembrar como a natureza é fascinante. Da próxima vez que vir um desses pássaros voando pelo seu jardim de flores, não esqueça que seu trabalho no ecossistema é vital, além da proeza evolutiva que sua mera existência implica.

Pode interessar a você...
A fascinante história do beija-flor
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
A fascinante história do beija-flor

Com um tamanho diminuto e cores vibrantes, essa ave, que costuma aparecer nos jardins quando existem certas flores, chama a atenção devido à sua ve...



  • Suarez, R. K., Lighton, J. R., Brown, G. S., & Mathieu-Costello, O. (1991). Mitochondrial respiration in hummingbird flight muscles. Proceedings of the National Academy of Sciences, 88(11), 4870-4873.
  • Suarez, R. K., Brown, G. S., & Hochachka, P. W. (1986). Metabolic sources of energy for hummingbird flight. American Journal of Physiology-Regulatory, Integrative and Comparative Physiology, 251(3), R537-R542.
  • Suarez, R. K. (1992). Hummingbird flight: sustaining the highest mass-specific metabolic rates among vertebrates. Experientia, 48(6), 565-570.
  • Coleman, D., Benedict, M., Hrishikeshavan, V., & Chopra, I. (2015, May). Design, development and flight-testing of a robotic hummingbird. In AHS 71st annual forum (pp. 5-7).
  • Ketz-Riley, C. J., & Sanchez, C. R. (2014). Trochiliformes (hummingbirds). Fowler’s Zoo and Wild Animal Medicine, Volume 8-E-Book, 8, 209.
  • Hummingbirds, Animal Diversity Web (ADW). Recogido a 10 de agosto en https://animaldiversity.org/accounts/Trochilidae/