10 curiosidades sobre os caranguejos

Os caranguejos são crustáceos decápodes que colonizaram com sucesso o ambiente marinho. Aqui estão 10 curiosidades sobre esses lindos invertebrados.
10 curiosidades sobre os caranguejos

Última atualização: 04 Setembro, 2021

Certamente você já foi à praia e viu alguns amigáveis invertebrados com pinças correndo de um lado para o outro na areia. Os crustáceos são abundantes nas áreas costeiras e servem de alimento para muitas espécies de aves, mas também mantêm as economias humanas em funcionamento graças à pesca em várias regiões. Você quer conhecer 10 curiosidades sobre os caranguejos?

Com suas chamativas pinças, a muda periódica de seu exoesqueleto, os métodos de cortejo apresentados por algumas espécies e seu ciclo de vida, os caranguejos podem surpreender você. Continue lendo se quiser saber mais sobre esses medrosos e destemidos invertebrados aquáticos.

1. Existem milhares de espécies de caranguejos

O termo “caranguejo” não tem relevância taxonômica, pois não se refere a uma espécie ou grupo específico de seres vivos. Quando falamos desses belos artrópodes, certamente estamos nos referindo a espécimes pertencentes à infraordem Brachyura, que inclui 98 famílias e 7000 espécies. Como indicam os estudos, é o grupo de crustáceos mais diverso do mundo.

Os “verdadeiros caranguejos” ou braquiúros estão incluídos na ordem Decapoda. Por isso, são parentes diretos de santolas, lagostas, lagostins e camarões, entre outros. Muitas das espécies de decápodes são de interesse comercial e sustentam a economia das regiões pesqueiras do mundo.

Os caranguejos-reais ou os caranguejos-porcelana não pertencem ao grupo dos braquiúros, mas possuem um plano muito semelhante às espécies típicas de caranguejo.

2. Todos os caranguejos têm um plano corporal comum

Conforme indicado por sua designação taxonômica, os crustáceos são decápodes, ou seja, possuem 10 patas distribuídas em 5 pares. O par mais próximo da estrutura da boca é modificado na forma de pinças, que são utilizadas para a alimentação, o cortejo e um meio de defesa contra possíveis predadores.

Além disso, os caranguejos se caracterizam por apresentarem uma “cauda” (abdômen) muito reduzida e recolhida sob o tórax, que ocupa a maior parte de seu corpo. Além disso, eles têm um exoesqueleto quitinoso muito duro e resistente, que precisam mudar de vez em quando para crescer.

Alguns caranguejos medem poucos milímetros de comprimento, enquanto outros podem crescer até 4 metros de pata a pata.

 

Um caranguejo em um substrato do tipo areia.

3. São de distribuição variada

A maioria dos caranguejos está associada a ambientes marinhos, especialmente áreas costeiras rochosas com areia abundante e matéria orgânica. De qualquer forma, existem cerca de 850 tipos de caranguejos que habitam águas doces, principalmente nas regiões tropicais. Um caso excepcional é o caranguejo-dos-coqueiros (Birgus latro), que não volta para a água depois de adulto.

4. Os caranguejos devem trocar de exoesqueleto

Uma das curiosidades mais famosas dos caranguejos é que eles devem trocar sua armadura de vez em quando para continuar seu desenvolvimento. Esse processo é denominado ecdise e é típico dos artrópodes, crustáceos ou não. Em geral, estima-se que as fêmeas mudam de 18 a 20 vezes até atingirem a maturidade sexual, enquanto os machos fazem a muda de 21 a 23 vezes.

A muda é mediada por compostos hormonais e é o momento mais delicado da vida do caranguejo. Portanto, antes de o processo começar, o decápode geralmente se abriga sob o solo ou entre rochas. O exoesqueleto “quebra” entre a carapaça (tórax) e o abdômen, permitindo assim que o espécime saia com sua nova armadura, muito macia e delicada.

O processo pode facilmente levar de 2 a 3 horas. Os caranguejos estão muito delicados ao final da muda, pois seu novo exoesqueleto não está endurecido.

5. Os caranguejos têm sangue azul

Esses artrópodes têm sangue azulado, mas não por causa de seu parentesco com a realeza. Isso se deve à hemocianina, um pigmento análogo à hemoglobina que se liga ao oxigênio para transportá-lo pelo corpo do animal. Ao contrário dos vertebrados, esses animais não possuem um tipo de célula especial para o processo e o O2 se liga diretamente à hemocianina.

6. Um acentuado dimorfismo sexual

Outra curiosidade dos caranguejos é que eles costumam apresentar um dimorfismo sexual muito acentuado. Os machos têm garras mais longas e pronunciadas, algo que é especialmente evidente nos caranguejos-violinistas, que têm uma dessas extremidades excepcionalmente longas.

Além disso, as fêmeas têm um abdômen muito mais marcado e maior do que os machos, com uma espécie de “dobra” anexada ao corpo. Essa dobra ou bolsa é útil para transportar os ovos durante a época de acasalamento.

7. Os caranguejos são peludos?

Se você já analisou um caranguejo, certamente notou que ele tem uma aparência peluda, principalmente em certas regiões do corpo. Conforme indicado pelo site Crab Street Journal, essas pilosidades externas são chamadas de “setas” ou setae. São estruturas especiais que executam muitas funções, mas são especialmente úteis para detectar produtos químicos e movimentos.

8. Em sua reprodução, a quantidade é mais importante do que a qualidade

Algumas espécies de caranguejos (como os violinistas) exibem cortejos intrincados, enquanto em outras os machos simplesmente tentam procurar uma fêmea disponível que acabou de realizar a muda. Por exemplo, o macho do caranguejo Carcinus maenas se limita a localizar uma fêmea grávida e fecundar os ovos que estão sob sua carapaça, no abdômen.

Uma fêmea de caranguejo pode colocar até 100 000 ovos em um único evento reprodutivo, mas a grande maioria das larvas não chegará ao estágio adulto. Os recém-nascidos fazem parte do plâncton aquático e servem de alimento para muitas espécies filtradoras.

9. Uma migração perigosa

A maioria dos caranguejos vive na zona costeira, mas as fêmeas devem se aventurar na água para liberar as larvas assim que os ovos forem fertilizados. Em algumas áreas tropicais onde existem espécies terrestres, o momento da migração para o mar pode ser muito perigoso.

Em algumas regiões, até 30% dos caranguejos terrestres de uma população morrem por ano cruzando estradas para chegar ao mar e colocar seus ovos.

10. Animais de grande importância para os humanos

A última das curiosidades dos caranguejos é que esses decápodes trazem imensos benefícios à nossa espécie, tanto nutricional quanto economicamente. Em geral, esses decápodes braquiúros representam até 20% de todos os crustáceos capturados no mundo, o que equivale a 1,5 milhão de toneladas de alimentos anualmente.

Devido à sua disponibilidade no meio aquático, esses animais são preparados de maneiras muito diferentes dependendo da cultura culinária. Em geral, costumam ser servidos na forma de sopas e guisados, ou são consumidos diretamente cozidos.

 

Um caranguejo.

O que você achou sobre as curiosidades dos caranguejos que apresentamos? Esses maravilhosos invertebrados se destacam por sua velocidade e aparência, mas encerram muitos fatos interessantes além de suas grandes garras e sua carapaça. Respeitá-los é fundamental, pois suas populações já sofrem bastante com a pesca excessiva e os atropelamentos.

Pode interessar a você...
Os caranguejos do mar de Bering: tipos e pesca
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Os caranguejos do mar de Bering: tipos e pesca

O mar de Bering abriga as maiores, mais saborosas e mais caras espécies de caranguejos que existem. Conheça várias delas neste artigo.



  • Tsang, L. M., Schubart, C. D., Ahyong, S. T., Lai, J. C., Au, E. Y., Chan, T. Y., … & Chu, K. H. (2014). Evolutionary history of true crabs (Crustacea: Decapoda: Brachyura) and the origin of freshwater crabs. Molecular Biology and Evolution, 31(5), 1173-1187.
  • Hidalgo, F. J., Baron, P. J., & Orensanz, J. M. L. (2005). A prediction come true: the green crab invades the Patagonian coast. Biological Invasions, 7(3), 547-552.
  • Porter, H. J. (1960). Zoeal stages of the stone crab, Menippe mercenaria Say. Chesapeake Science, 1(3), 168-177.
  • Lam, S. C. (1969). Abbreviated development of a non‐marine crab, Sesarma (Geosesarma) perracae (Brachyura; Grapsidae), from Singapore. Journal of Zoology, 158(3), 357-370.