7 dicas para ajudar no parto da sua gata

dezembro 25, 2019
Ao ajudar no parto da sua gata, você deve evitar o contato físico com os filhotes e se certificar de que a mãe conseguiu expelir todas as placentas.

Embora os animais de estimação não precisem de ajuda para trazer os seus filhotes ao mundo, como donos, podemos estar ao seu lado para dar assistência, se necessário. No artigo a seguir, vamos dar algumas dicas para que você possa ajudar no parto da sua gata.

Conselhos para ajudar no parto da sua gata

Depois de detectar que a sua gata está prenha e de levá-la ao veterinário para garantir que tudo está perfeito, é hora de se preparar para o momento do parto.

Sem dúvida, esta é uma fase muito bonita para o seu animal de estimação e, para você, de grande responsabilidade. Muitos donos cometem o erro de se intrometer no parto da gata e, assim, acabam sendo machucados pelos seus arranhões ou causam problemas nos filhotes ou na mãe.

Portanto, se você quiser ser útil durante o parto da sua gata, preste atenção às dicas a seguir:

1. Prepare um local perfeito para o parto

O veterinário lhe dirá qual é a data aproximada do nascimento dos filhotes. Alguns dias antes, você já deve ter um lugar confortável, tranquilo e agradável para a mãe.

Você pode colocar cobertores, almofadas ou até mesmo pedaços de pano na sua cama. Lembre-se de que eles precisarão ser descartados porque vão ficar sujos.

Escolha um lugar onde ninguém a incomode e onde ela possa cuidar dos seus bebês recém-nascidos, principalmente áreas de pouco movimento, que não estejam perto de portas ou janelas e cuja temperatura seja agradável o tempo todo.

2. Preste atenção aos sinais

Quando a gata estiver prestes a dar à luz, ela terá algumas mudanças de comportamento e apresentará sintomas muito específicos. Por exemplo, ela vai respirar de forma agitada, suspirar, chorar, lamber a vulva continuamente ou ficar um pouco apática, sem querer contato com ninguém.

Gata amamentando filhotes

Se, nesse momento, ela ainda não estiver naquele ‘lugar especial’ que você preparou, leve-a com muito cuidado ou então indique o caminho.

3. Não intervenha só por intervir

Certamente a sua intenção será boa e você não vai querer vê-la sofrendo, mas você deve entender que o animal tem o seu próprio instinto e sabe como agir nessa situação. Fique ao lado dela para lhe dar segurança e tranquilidade, mas não para deixá-la nervosa.

4. Assista ao nascimento de cada gatinho

A primeira coisa que sairá será o líquido amniótico e, depois dele, o primeiro gatinho. Entre os nascimentos, talvez passem trinta minutos ou uma hora. Preste atenção aos movimentos dos filhotes e verifique se eles estão em boas condições.

5. Não toque nos filhotes

Embora você precise garantir que os filhotes estejam bem, não é permitido ter contato físico com eles. Isso ocorre porque a mãe é a responsável por romper a bolsa (placenta) e depois lambê-los para limpá-los e ajudá-los a respirar.

Se você perceber que a mãe não está fazendo isso, talvez seja porque ela está muito cansada, sofrendo demais ou porque outro filhote está prestes a nascer. Nesse caso, você pode envolver o recém-nascido com uma toalha limpa e seca e esfregar durante um minuto, antes de devolvê-lo à cama.

Filhotes de gatos

6. Certifique-se de que as placentas foram expelidas

Cada gato nasce em uma placenta individual, portanto, deve haver a mesma quantidade de placentas e de filhotes. Preste atenção, pois, durante o parto da sua gata, ela pode comê-las, já que elas têm muitos nutrientes e isso é exatamente o que ela precisa para se recuperar do ‘trabalho’ que está fazendo.

Se isso não acontecer, ou se você perceber que há menos placentas do que bebês, ligue para o veterinário… Se elas não forem expelidas, a gata pode morrer de uma infecção.

7. Não corte o cordão umbilical

Novamente, a mãe é a responsável por essa tarefa e fará isso depois de garantir que o filhote está bem, respirando, e que saiu completamente da placenta. Pode ser perigoso tentar cortá-lo com uma tesoura.

O parto da sua gata é um momento especial, por isso recomendamos que você seja um espectador que, se necessário, venha a auxiliar e ajudar. Mas não se esqueça de que ‘a natureza é sábia’ e de que ela sabe o que está fazendo… mesmo que seja uma mãe de primeira viagem!

Domínguez, J., Peña, F., & Castro, B. (1994). Parto y distocias en la perra y en la gata. Analecta Veterinaria.