Dificuldade de respirar em gatos: o que fazer?

setembro 27, 2019
A dificuldade de respirar em gatos pode ser decorrente de várias causas, de alergias a infecções. Neste artigo, descobriremos mais sobre esse problema.

Os gatos estão entre os animais mais comuns em todas as casas. No entanto, ao contrário de outras espécies, a dificuldade de respirar em gatos pode representar um alto risco para a sua saúde. Aqui estão algumas das causas e como podemos lidar com essa situação rapidamente.

Como os gatos respiram?

Antes de investigar as causas e soluções relacionadas à dificuldade de respirar em gatos, é importante saber como os gatos respiram. Dessa maneira, se detectarmos algum comportamento anormal, seremos capazes de identificá-lo e agir rapidamente.

Ao contrário de outros mamíferos, como os cães ou os humanos, os gatos só respiram pelo nariz. O trato respiratório dos gatos é dividido em duas partes: superior e inferior. Isso significa que a boca nunca faz parte do mecanismo respiratório felino.

Portanto, é importante aprender a identificar qualquer um dos seguintes sintomas nos gatos:

Gato sendo examinado

Se notarmos que algum desses sintomas ocorre com relativa frequência, devemos agir rapidamente. A melhor solução é consultar um veterinário imediatamente.

Causas da dificuldade de respirar em gatos

Existem inúmeras causas que podem afetar a respiração dos gatos. Uma das principais e mais comuns é o complexo respiratório felino.

Este termo é o que foi cunhado para se referir a um conjunto de doenças que atacam o sistema respiratório. Normalmente, é causado por dois vírus: vírus do herpes e calicivírus felino ou CVF.

O alvo do ataque desses vírus é o trato respiratório superior, que inclui os olhos, nariz, boca, língua e garganta. Isso faz com que, além da dificuldade de respirar, ocorra irritação.

A irritação fará com que o animal secrete mais saliva, muco ou lágrimas para tentar se aliviar. Infelizmente, estes são os sistemas de transporte perfeitos para infectar outros animais.

Esse tipo de transmissão torna os gatos jovens que vivem em grupos especialmente vulneráveis. Se não for tratado a tempo, o complexo respiratório felino pode ser mortal.

A asma felina é outra das causas mais frequentes de desconforto respiratório felino. Geralmente é causada por uma inflamação dos brônquios, como resultado de um produto prejudicial ou irritante.

A asma felina é caracterizada por dificuldades respiratórias, tosse intensa e ruído respiratório.

Gato com problema respiratório

Como já mencionamos acima, há muitas outras causas por trás das dificuldades respiratórias. Aqui nós mostraremos um pequeno resumo:

  • As alergias em gatos podem alterar a respiração normal destes animais.
  • Existem alguns parasitas, como vermes pulmonares, que atacam o sistema respiratório.
  • Se o gato engolir acidentalmente um corpo estranho, sua respiração poderá ser afetada.

O que fazer se meu gato estiver respirando mal?

A melhor solução para qualquer uma dessas condições é levar o animal ao centro veterinário de sua confiança imediatamente. Muitas dessas condições podem ser muito graves, portanto, quanto mais cedo ele for avaliado, maior a probabilidade de se recuperar.

Uma vez no veterinário, dependendo do tipo de condição, a equipe especialista tomará as medidas médicas necessárias. Em alguns casos, serão necessários antibióticos ou outros medicamentos especiais, como inaladores no caso de asma felina.

Do ponto de vista dos donos, não há muito o que fazer, exceto aplicar algumas medidas preventivas que fortaleçam o sistema imunológico do gato: alimentação adequada, cartão de vacinação atualizado e cuidados e atenção diários com o felino.

  • Gómez, N., Pisano, P., Castillo, V., & Fontanals, A. (2012). Asma felino: fisiopatología, diagnóstico y tratamiento. InVet14(2), 191-207.
  • Cohn, L. A. (2011). Feline respiratory disease complex. The Veterinary clinics of North America. Small animal practice41(6), 1273-1289.
  • Azócar, L., Tamayo, R., & Thibaut, J. (2008). Estudio retrospectivo de las enfermedades respiratorias en felinos diagnosticadas clínicamente en el Hospital Veterinario de la Universidad Austral de Chile, Valdivia, durante el período 1997-2004. Archivos de medicina veterinaria40(3), 289-294.