Elefante-asiático: características, distribuição e alimentação

O elefante-asiático é o maior animal do continente asiático. Infelizmente, é uma espécie em extinção, em grande parte devido à ação humana.
Elefante-asiático: características, distribuição e alimentação

Última atualização: 14 Abril, 2021

O elefante-asiático (Elephas maximus) é uma das 2 espécies de elefantes que existem no planeta Terra. O outro, o elefante-da-savana (Loxodonta africana), é ligeiramente maior e tem certas características distintivas.

A taxonomia desse animal variou ao longo dos anos e atualmente acredita-se que existam 3 subespécies, que são encontradas na Ásia, na ilha de Sumatra e no Sri Lanka. Esse é o maior animal do continente asiático e, como ocorre com o elefante-da-savana, o marfim dos seus caninos é tão valorizado que quase o levou à extinção.

Felizmente, existem projetos públicos e privados para a conservação da espécie, mas o uso pelo turismo faz com que suas populações selvagens enfraqueçam. A seguir, vamos contar tudo o que você deve saber sobre o modo de vida desses gigantes.

Características do elefante-asiático

Elephas maximus é um dos maiores animais terrestres que existem. Um espécime pode medir entre 2 e 2,7 metros de altura, embora alguns animais excedam os 3 metros. De comprimento, esse mamífero pode medir até 6 metros. Em relação ao peso, um indivíduo adulto atinge de 2 a 5,5 toneladas

Quando nascem, os bebês geralmente pesam cerca de 100 kg.

Uma das principais características dessa espécie – e que a diferencia do seu parente africano – é o formato da cabeça. O elefante-asiático tem 2 protuberâncias na cabeça, enquanto o elefante-da-savana tem uma testa lisa.

Por outro lado, as orelhas do elefante-asiático são muito menores do que as de seus parentes africanos. Isso pode se dever ao fato de que, nas regiões asiáticas onde mora, o clima é mais úmido que o da savana africana e o calor não precisa se dispersar tanto.

Outra característica distintiva é que Elephas maximus tem apenas um dedo preênsil na ponta da tromba, enquanto os outros têm 2. Além disso, as fêmeas não têm caninos como os machos.

Um elefante asiático sorrindo.

Onde vivem esses animais?

No passado, o elefante-asiático tinha uma distribuição ampla e contínua. Esses animais povoaram desde o sudoeste da Ásia – ao longo de toda a costa do Irã – até o subcontinente indiano. A partir desse local, suas populações se espalharam para a China.

Atualmente, eles estão extintos em toda a Ásia Ocidental, Java e na maior parte da China. Provavelmente foram extintos da parte ocidental por volta do ano 100 a.C. Após o século XIV, as populações chinesas desapareceram. Desde então, todos os grupos de elefantes-asiáticos foram se extinguindo, até atingir a situação atual.

A espécie é encontrada em pequenas populações altamente fragmentadas em Bangladesh, Butão, Índia, Nepal e Sri Lanka, no Sul da Ásia e Camboja, China, Indonésia, Laos, Malásia, Mianmar, Tailândia e Vietnã.

Atualmente, os habitats montanhosos e florestais que poderiam acomodar populações de elefantes não são grandes o suficiente para a sobrevivência de um grupo. A destruição dos ecossistemas naturais, a expansão do ser humano e a fragmentação tornam inviável a sobrevivência desses animais na natureza, com pequenas exceções.

Grandes vegetarianos

O elefante-asiático é um animal herbívoro, pois se alimenta principalmente de vegetação, que fornece poucos nutrientes e muitas fibras. Também pode comer raízes e frutas quando tem a oportunidade.

Essa espécie pode se alimentar a qualquer momento. Na verdade, passa o dia procurando algo para colocar na boca, pois deve ingerir em média 135 quilos de vegetação por dia para manter seu corpo em boas condições. Além disso, é um animal que sempre vive próximo de fontes de água, pois precisam de cerca de 140 litros por dia para se hidratar.

Os machos usam seus caninos para desenterrar raízes carnudas e arrancar a casca das árvores. Um animal que come tanto precisa de um grande território fértil para conseguir essa quantidade de alimento.

Reprodução do elefante-asiático

Essa espécie tem um dos mais longos períodos de gestação que existem, especificamente 22 meses, após os quais geralmente nasce apenas um único filhote. Após o nascimento, as mães amamentam seus filhotes por 18 meses. Após esse período, embora não bebam mais leite, as mães continuam a cuidar dos filhos por alguns anos, até a adolescência.

Os elefantes-asiáticos vivem em grupos onde se pratica a poligamia. As fêmeas são as chefes do rebanho e decidem seu rumo. Os machos vão em outro grupo hierarquizado, onde o espécime dominante é aquele que copulará com as fêmeas, desde que elas o aceitarem.

Quando um macho entra em um cio forte, ocorre uma fase chamada must. Durante esse período, os machos se tornam extremamente agressivos e liberam uma substância peculiar através dos poros localizados nas têmporas.

Uma família de elefantes asiáticos.

Os longos ciclos reprodutivos, o fato de não atingirem a maturidade sexual até os 17 anos, a necessidade de grandes territórios e a perseguição humana fizeram com que essa espécie fosse classificada como em perigo de extinção. Infelizmente, esse gigante está desaparecendo lenta, mas inexoravelmente.

Pode interessar a você...
Os elefantes vão ao podólogo
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Os elefantes vão ao podólogo

Os pés dos elefantes são especialmente projetados para suportar seu peso e estrutura anatômica, portanto, mantê-los saudáveis ​​é essencial.