Os elefantes vão ao podólogo

Os pés dos elefantes são especialmente projetados para suportar seu peso e estrutura anatômica, portanto, mantê-los saudáveis ​​é essencial para sua sobrevivência.

Última atualização: 30 Novembro, 2020

A saúde dos pés do elefante melhora em seu habitat natural. Lá eles têm um bom substrato para apoiar cada passo ao caminhar por áreas pantanosas, pastagens naturais e áreas arborizadas. Eles até usam os pés para se alimentar, arrancando ervas com os dedos, o que ajuda a controlar o crescimento excessivo da pele e das cutículas. Por esse motivo, quando em cativeiro, os elefantes vão ao podólogo para manter a saúde adequada dos pés.

É muito difícil alcançar as condições ideais para um elefante em cativeiro. Exceto se o responsável pelas instalações estiver ciente da importância do bom estado das extremidades dos seus animais e, então, gerenciá-las a seu favor.

De acordo com o autor Murray E. Fowler, “Os problemas nos pés dos elefantes, junto com a artrite, são a principal causa de eutanásia nessas espécies mantidas em cativeiro.”

Cuidados de rotina

Para criar um bom programa de pedicure, é necessário ter pessoal qualificado, ferramentas apropriadas, tempo e instalações adequadas para tal.

Assim, os pés dos elefantes devem ser inspecionados e limpos todos os dias. A planta deve ser escovada, e se deve garantir que não haja corpos estranhos em nenhuma de suas fissuras. Também deve ser feita uma limpeza minuciosa entre os dedos e sob as unhas, procurando qualquer odor ou substância indesejável.

Se um elefante ficar muito tempo em um substrato úmido, a pele dos pés pode ficar macerada e aparecerão infecções.

Algumas dessas práticas podem exigir o uso de sedação para permitir que o animal seja manipulado. E para evitar qualquer relutância futura, se alguma das manipulações mencionadas envolver dor, deve ser administrado previamente um analgésico.

Fonte: Fowler M, Mikota S. Biology, Medicine, and Surgery of Elephants. Hoboken: John Wiley & Sons; 2008.

Patologias comuns que afetam a pele dos pés

  • Hiperqueratose. A irritação contínua da pele leva a esse espessamento. Em particular, aparece nas almofadas e na circunferência do pé, o que pode causar infecções e pododermatite. Por isso, os calos são lixados e devem permanecer limpos e hidratados.
  • Abrasão da planta, o que provoca o seu afinamento a ponto de causar lesões. Normalmente, acontece devido a problemas na hora de andar. O tratamento geralmente inclui bandagens e mecanismos que impedem o membro de ser apoiado até que a ferida esteja curada.

Fonte: Fowler M, Mikota S. Biology, Medicine, and Surgery of Elephants. Hoboken: John Wiley & Sons; 2008.

  • Febre aftosa: a temperatura dos pés aumentará e a pele parecerá fina e inflamada. Normalmente, a dor é tanta que o animal opta por não se levantar para não apoiar as patas. Nesse caso, será necessário tratar o vírus a nível geral.
  • Varíola: a planta do pé e as unhas ficam necróticas, podendo até cair.
  • Pododermatite: varia desde o aparecimento de um abscesso até uma infecção generalizada do pé. Acomete unhas, pele, músculos e ossos, o que causa grandes complicações. Deve ser tratada com banho em soluções desinfetantes e antibióticas.

Patologias comuns que afetam as unhas dos pés

  • Crescimento excessivo: se o substrato sobre o qual o elefante anda não for adequado, as unhas não se desgastam como deveriam e um pedicure periódico se torna necessário.

Fonte: Fowler M, Mikota S. Biology, Medicine, and Surgery of Elephants. Hoboken: John Wiley & Sons; 2008.

  • Rachaduras: principalmente se penetrar profundamente na unha, causam grande desconforto ao animal. Nesses casos mais graves, a área terá que ser anestesiada e depois lixada até que desapareça.
  • Oniquia: geralmente é o resultado da má higiene das unhas, o que facilita o crescimento de bactérias e fungos. A unha deverá ser coberta com um curativo embebido em desinfetante e trocado periodicamente.
  • Crescimento excessivo da cutícula.

Fonte: Fowler M, Mikota S. Biology, Medicine, and Surgery of Elephants. Hoboken: John Wiley & Sons; 2008.

Os elefantes não vão mais ao podólogo: prevenção

A prevenção de problemas nos membros de um animal do tamanho de um elefante tem relação com sua dieta. É necessário estar bem atento à contribuição calórica da dieta de um elefante em cativeiro, pois o exercício que ele faz é limitado e o excesso de peso acarreta muitos dos problemas que mencionamos.

Pode interessar a você...
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
A inteligência do elefante

Com certeza você já deve ter escutado a expressão “memória elefante”. O que antes podia parecer apenas um ditado, hoje vem recebendo apoio da ciência. Vários estudos confirmam a capacidade cognitiva desses mamíferos terrestres gigantes.



  • Fowler M, Mikota S. Biology, Medicine, and Surgery of Elephants. Hoboken: John Wiley & Sons; 2008.