O que os escorpiões comem?

Os escorpiões ou alacraus são predadores insetívoros. No entanto, algumas espécies se aventuram a atacar pequenos vertebrados.
O que os escorpiões comem?

Última atualização: 09 Junho, 2021

Os escorpiões, também conhecidos como ‘alacraus’ em outras partes do mundo, são predadores aracnídeos da ordem Scorpiones. Todos têm 8 patas, pedipalpos modificados com pinças (quelas) e uma cauda terminada em um ferrão, que produz toxinas mais ou menos potentes. Além das informações gerais, saber o que os escorpiões comem ajuda em sua preservação e evita sustos em ambientes humanos.

Esses aracnídeos têm uma péssima reputação injustiçada, já que menos de 50 espécies das 2500 descritas até agora têm um veneno letal o suficiente para tirar a vida de um ser humano. Se você quiser saber mais sobre os hábitos alimentares dos escorpiões, continue lendo.

Informações gerais sobre os escorpiões

Em primeiro lugar, queremos enfatizar que usaremos o termo ‘escorpião’ para designar todos os aracnídeos da ordem Scorpiones, que compreende cerca de 2500 espécies divididas em 22 famílias reconhecidas. A evolução desse grupo remonta a 435 milhões de anos e, ao longo de todo esse tempo, as espécies se espalharam pelo mundo, com exceção da Antártica.

Em termos técnicos, deve-se notar que o gênero Alacran inclui apenas 3 espécies, por sua vez incluídas na família Typhlochactidae. Elas são endêmicas do México e são encontradas na área central da Sierra Madre Oriental (estados de Puebla e Oaxaca). Por essa razão, em toda a América Central e do Sul, os termos ‘escorpião’ e ‘alacrau’ são usados indistintamente.

Em todo caso, os escorpiões ou alacraus apresentam corpo dividido em 3 segmentos: cefalotórax (cabeça), mesossoma (abdômen) e metassoma (cauda). Todos têm carapaça, olhos, quelíceras, pedipalpos quelados, 4 pares de patas e cauda que termina em um ferrão. Como se pode ver, sua diversidade morfológica é muito reduzida.

O que os escorpiões comem?

O que os escorpiões comem?

Todos os escorpiões são carnívoros, ou seja, se alimentam da matéria orgânica fornecida por suas presas. A maioria deles se alimenta de gafanhotos, grilos, cupins, besouros e vespas. No entanto, algumas espécies também estão preparadas para matar pequenos vertebrados, como roedores, anfíbios ou lagartos.

Como muitos outros aracnídeos, os escorpiões digerem os alimentos externamente. Com a ajuda de suas quelíceras, eles fragmentam o alimento em pequenas partes, que são armazenadas na cavidade oral, entre a área das quelíceras e a carapaça. Os sucos gástricos são secretados nessa câmara para que o escorpião possa ingerir seu alimento em forma de fluidos.

Como os escorpiões caçam?

Nesse ponto, é importante destacar que esses artrópodes são ectotérmicos. Isso significa que eles não geram calor corporal com suas reações metabólicas e, portanto, dependem do ambiente para a termorregulação. Como indicam vários estudos, as células dos ectotérmicos têm menos mitocôndrias – as organelas geradoras de energia por excelência – do que as dos endotérmicos.

Por todas essas razões, os escorpiões ou alacraus têm taxas metabólicas muito mais baixas do que um rato ou pássaro, por exemplo. Sua estratégia de caça é do tipo sit and wait, ou seja, esperam que um inseto passe por seu esconderijo e o agarrem habilmente com a pinça, para depois inocular o veneno. Você nunca verá um escorpião perseguindo sua presa, pois ele literalmente não gera energia suficiente para essa disputa.

Dependendo da espécie de escorpião, um espécime pode matar presas menores apenas com a força de suas pinças. Se a vítima resistir ou representar uma ameaça, o escorpião recorre à picada com veneno. A produção de toxinas é muito exigente em termos energéticos, por isso a picada só ocorre quando é estritamente necessário.

Com base nessa mesma regra, acredita-se que os escorpiões com garras maiores tenham um veneno mais leve. Por outro lado, quanto maior a proeminência da cauda e quanto menor as quelas, mais letais serão as toxinas.

Devido ao custo metabólico da caça, os escorpiões comem pouco em geral e podem ficar meses sem caçar uma presa.

Cuidados em cativeiro para os escorpiões

É necessário ter muito cuidado ao adquirir escorpiões como animais de estimação, pois algumas espécies são letais e, portanto, sua posse sem autorização é ilegal. Manter um animal potencialmente perigoso (PP) em ambiente doméstico sem as instalações adequadas é considerado crime.

Os escorpiões mais comercializados são os do gênero Heterometrus, grandes, de cor preta e pinças bem proeminentes. Eles não representam um perigo para os humanos, portanto, não são necessárias autorizações especiais para sua posse. Esses animais têm um veneno de relevância clínica desprezível e raramente usam o ferrão.

Para manter um exemplar desse gênero, basta um terrário de 30x20x20 centímetros de comprimento, largura e altura. O substrato universal ou fibra de coco são perfeitos para a instalação como piso e um mínimo de 5 dedos de substrato devem sempre ser colocados. Os escorpiões gostam de se enterrar e ficar escondidos durante a maior parte do dia.

No que diz respeito aos parâmetros ambientais, é melhor manter a temperatura entre 20 e 30 graus e a umidade relativa em 80%. Para isso, basta pulverizar a instalação com água cerca de 2 ou 3 vezes por semana. Além disso, dar a um espécime adulto uma presa viva de tamanho médio por semana – um grilo ou uma barata – costuma ser suficiente. Os escorpiões não comem muito.

Também é necessário adicionar pedaços de madeira e cavernas para que o escorpião possa se refugiar.

 

Lidar com um escorpião pode ser uma tarefa difícil.

Por fim, deve-se notar que espécies perigosas também são vendidas sem autorização em muitas regiões. Tenha um cuidado especial com escorpiões do gênero Tityus e Androctonus, pois eles possuem venenos clinicamente significativos. Antes de comprar qualquer espécie animal, certifique-se do profissionalismo do vendedor e de suas características.

Pode interessar a você...
O escorpião Androctonus bicolor: habitat e características
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
O escorpião Androctonus bicolor: habitat e características

O escorpião Androctonus bicolor apresenta um veneno potencialmente letal para o homem, muito diferente de outros aracnídeos. Saiba mais!



  • Santibáñez-López, C. E., Francke, O. F., & Prendini, L. (2014). Shining a light into the world’s deepest caves: phylogenetic systematics of the troglobiotic scorpion genus Alacran Francke, 1982 (Typhlochactidae: Alacraninae). Invertebrate Systematics, 28(6), 643-664.
  • Rand, D. M. (1993). Endotherms, ectotherms, and mitochondrial genome-size variation. Journal of molecular evolution, 37(3), 281-295.
  • Nakagawa, Y., Lee, Y. M., Lehmberg, E., Herrmann, R., Herrmann, R., Moskowitz, H., … & Hammock, B. D. (1997). Anti‐Insect Toxin 5 (Aalts) from Androctonus Australis. European journal of biochemistry, 246(2), 496-501.
  • Uawonggul, N., Chaveerach, A., Thammasirirak, S., Arkaravichien, T., Chuachan, C., & Daduang, S. (2006). Screening of plants acting against Heterometrus laoticus scorpion venom activity on fibroblast cell lysis. Journal of ethnopharmacology, 103(2), 201-207.