O que as estrelas-do-mar comem?

As estrelas do mar habitam o fundo do mar e têm uma aparência muito pacífica. Apesar de sua forma inofensiva, sua dieta o surpreenderá.
O que as estrelas-do-mar comem?

Última atualização: 22 Setembro, 2021

As estrelas-do-mar, também conhecidas como starfish em inglês, são famosas na cultura do mundo todo, pois muitas espécies costumam ser observadas em praias e durante mergulhos. Em todo caso, além de sua relação com a água do mar, a população em geral pouco sabe sobre elas. Por exemplo, você saberia dizer o que as estrelas-do-mar comem?

Sua aparência estranha é desconcertante, pois ao analisar a superfície do corpo de uma estrela-do-mar não se vê nenhum olho, perna ou boca. Como um ser vivo aparentemente arcaico se alimenta? Nas linhas a seguir, daremos as respostas. Continue lendo.

O que são as estrelas-do-mar?

Antes de responder à pergunta sobre o que as estrelas-do-mar comem, achamos importante enquadrá-las na taxonomia. Em primeiro lugar, deve-se notar que todos os invertebrados aquáticos designados com esse nome genérico são encontrados na classe Asteroidea, por sua vez localizada entre os equinodermos. O grupo inclui cerca de 1500 espécies diferentes, que habitam os mares desde os trópicos até as águas polares.

A maioria dos asteroides tem um plano corporal comum: um disco central e 5 braços (embora algumas espécies tenham muitos mais). Sua seção aboral (dorsal) costuma ser espinhosa e dura, enquanto a face ventral é mais mole e se caracteriza pela presença de múltiplos pés ambulacrais, essenciais para a locomoção em equinodermos.

Os tamanhos e as cores das estrelas-do-mar são muito variados, pois seu diâmetro, dependendo da espécie, varia de 2 centímetros a 1 metro e os tons podem variar do preto ao amarelo, passando pelo roxo, laranja, avermelhado, azulado e muitas outras tonalidades. Sem dúvida, a espécie com a qual a sociedade em geral está mais familiarizada é Asterias rubens.

A maioria das estrelas-do-mar tem 5 braços, mas algumas espécies têm até 40.

Um dos tipos mais estranhos de reprodução ocorre nas estrelas-do-mar.
Muitas estrelas-do-mar têm ciclos que alternam entre a reprodução sexuada e assexuada.

O que as estrelas-do-mar comem?

Agora que conhecemos esses enigmáticos invertebrados um pouco melhor, estamos prontos para responder o que as estrelas-do-mar comem. Embora de aparência pacífica e aparentemente sem boca, esses animais enganam bem: a maioria dos asteroides são predadores generalistas, alimentando-se de esponjas, moluscos bivalves, caracóis marinhos e outros pequenos invertebrados.

Sem dúvida, seu método de alimentação é estranho aos humanos. A estrela-do-mar tem uma boca localizada em sua seção ventral no centro do disco (ou seja, que não se vê de cima, mas de baixo), que é circundada por uma espessa membrana peristomial e fechada por um esfíncter muscular. Esse orifício se comunica diretamente com o esôfago, que se liga ao estômago.

O mais curioso sobre esses invertebrados é que seu estômago é dividido em 2 seções: a cardíaca e a pilórica. A primeiro é eversível, ou seja, a estrela-do-mar pode “regurgitar” parte de seu aparelho estomacal para fora. Isso causa a liberação de enzimas digestivas, fazendo com que a presa comece a ser digerida viva no ambiente aquático.

Depois que a presa morre e se transforma em uma espécie de mingau, o estômago cardíaco retorna à sua posição normal e o alimento passa para a seção pilórica. Assim, a estrela-do-mar é capaz de comer presas vivas sem ter dentes, garras ou venenos para subjugar suas vítimas. Incrível, não é?

Um neuropeptídeo específico provoca a retração e a eversão da porção do estômago da estrela-do-mar.

Os intrincados métodos de caça das estrelas-do-mar

A tarefa nutricional da estrela-do-mar é bastante complicada se considerarmos que muitas delas se alimentam de moluscos bivalves, como mexilhões, berbigões e vieiras. Para enfrentar as conchas fechadas desses animais, alguns asteroides usam a força incomum de seus pés ambulacrais e conseguem fazer uma pequena abertura. Em seguida, inserem parte de seu estômago e liberam suas enzimas, matando a presa.

Vários estudos investigaram as técnicas de caça das estrelas-do-mar, especificamente a relação entre Asterias rubens e suas presas, os pectinídeos (vieiras). Foi observado que os asteroides tendem a selecionar bivalves de pequeno e médio porte, pois conseguem chegar até suas conchas sem serem percebidos.

As estrelas-do-mar secretam passivamente compostos chamados saponinas, e os moluscos pectinídeos são capazes de detectá-los. Portanto, quando percebem quimicamente que um asteroide está se aproximando, eles se colocam em uma posição de “propulsão” e escapam. Como resultado dessa interação, as estrelas-do-mar podem selecionar apenas os espécimes mais lentos e menores.

As exceções que confirmam a regra

Embora tenhamos apresentado o que as estrelas-do-mar comem em geral, deve-se observar que nem todas as espécies seguem essa regra. Por exemplo, os asteroides mais primitivos (como Astropecten) engolfam sua presa sem liquefazê-la quimicamente e a digerem inteiramente na parte cardíaca do estômago.

Existem espécies detritívoras, que se alimentam da matéria orgânica em decomposição no fundo do mar, e outras suspensívoras, que ingerem o fitoplâncton flutuante na água. Nem todas as estrelas-do-mar são predadoras, mas essa é a estratégia alimentar das espécies mais famosas e abundantes.

 

Você sabe o que as estrelas-do-mar comem?

Sem dúvida, a questão proposta aqui, o que as estrelas-do-mar comem, guarda muito mais segredos do que se poderia imaginar. Elas não são apenas animais predadores, mas também usam um dos métodos de caça mais incríveis do mundo animal — regurgitam o próprio estômago e digerem suas vítimas vivas. A natureza nunca deixará de nos surpreender com sua dureza.

Pode interessar a você...
Como as estrelas-do-mar respiram?
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Como as estrelas-do-mar respiram?

A resposta sobre como as estrelas-do-mar respiram requer amplo conhecimento biológico sobre esse grupo de invertebrados aquáticos.



  • Asterias rubens, Animal Diversity Web. Recogido a 18 de agosto en https://animaldiversity.org/accounts/Asterias_rubens/
  • Magnesen, T., & Redmond, K. J. (2012). Potential predation rates by the sea stars Asterias rubens and Marthasterias glacialis, on juvenile scallops, Pecten maximus, ready for sea ranching. Aquaculture international, 20(1), 189-199.
  • Anderson, J. M. (1954). Studies on the cardiac stomach of the starfish, Asterias forbesi. The Biological Bulletin, 107(2), 157-173.
  • Semmens, D. C., Dane, R. E., Pancholi, M. R., Slade, S. E., Scrivens, J. H., & Elphick, M. R. (2013). Discovery of a novel neurophysin-associated neuropeptide that triggers cardiac stomach contraction and retraction in starfish. Journal of Experimental Biology, 216(21), 4047-4053.