O que é etologia clínica equina?

A etologia clínica equina é responsável pelo diagnóstico e tratamento de problemas psicológicos em cavalos. Quer descobrir como isso é feito?
O que é etologia clínica equina?

Última atualização: 19 setembro, 2022

O estudo do comportamento animal não se restringe apenas a cães e gatos. De fato, qualquer não humano vivendo em condições confinadas é suscetível a desenvolver distúrbios psicológicos ou problemas comportamentais.

A etologia clínica equina trata precisamente deste assunto: distúrbios comportamentais que os cavalos podem sofrer. Resultante da união entre a etologia e a ciência veterinária, é a melhor forma de cuidar da saúde mental dos equídeos. Vamos ver em detalhes.

Fundamentos da etologia clínica equina

Se a etologia é a ciência que estuda os diferentes aspectos do comportamento animal, agregar o ramo veterinário possibilita diagnosticar e tratar problemas de comportamento e humor em cavalos (neste caso). Para isso, também é estudado o comportamento normal e saudável do animal.

Portanto, na presença de transtornos mentais em um cavalo, procurar apenas o veterinário ou um treinador de equinos não é totalmente eficaz. Para resolver o problema, é necessária uma visão completa e global das necessidades psicológicas do animal.

Um cavalo come plantas.

Como um problema de comportamento é diagnosticado em um cavalo?

Com base no conhecimento do comportamento normal e saudável do cavalo, vários desvios podem ser detectados através da observação direta. Isso, que normalmente é detectado pelo tutor, é confirmado pelo exame do etólogo equino.

Por outro lado, é realizada uma entrevista com o humano responsável pelo equino. É importante fazer um bom histórico, pois é necessário conhecer a frequência e intensidade desse comportamento, bem como o tempo em que foi observado no animal.

Por fim, um exame de saúde física também é crucial. Isso garante que os problemas que você está vendo não sejam um sintoma de uma doença física. Se for, o tratamento deve ser orientado para essa doença e não para o comportamento do cavalo.

Principais problemas de comportamento em cavalos

Assim como qualquer outro animal, os cavalos podem desenvolver problemas comportamentais. Com este último termo, não se pretende denominar aqueles costumes do equino que incomodam o humano ou que dificultam algum treinamento, mas aqueles que derivam de uma condição de sofrimento psicológico como medo ou tédio.

Portanto, não se pode dizer que um cavalo desobediente tem problemas comportamentais. Se ele morde quando alguém está prestes a montá-lo, isso responde ao desejo do animal de não carregar humanos em cima dele. No entanto, se ele morde quando não há nada ameaçador ao redor, é um problema de comportamento. Dito isso, vamos ver os mais comuns:

  • Agressividade: esse comportamento geralmente vem do medo. Se os animais forem submetidos a situações em que são encurralados diariamente, estabelecerão a agressão como um padrão defensivo habitual.
  • Distúrbios alimentares: esses problemas geralmente derivam de uma alimentação incorreta por parte do cuidador. Por exemplo, um cavalo que só tem acesso à comida por períodos de tempo muito restritos terá maior probabilidade de desejar.
  • Estereotipias: comportamentos repetitivos sem finalidade relacionada à sobrevivência, como se balançar continuamente, morder madeira ou engolir ar.
  • Medos patológicos: geralmente vêm de má educação ou má socialização. Desta forma, o cavalo adquire medo de situações, objetos ou pessoas inofensivas, respondendo com comportamentos de fuga e/ou agressividade.

Terapias usadas na etologia clínica equina

Quando se trata de um potro, detectar esses problemas de comportamento precocemente torna a terapia muito mais fácil. Nesses momentos, costuma-se recorrer ao redirecionamento do comportamento por meio da familiarização com o ambiente e da socialização. Procedimentos como receber medicamentos, entrar e sair de trailers, curativos, etc. serão praticados.

Os potros, à medida que vão se desenvolvendo, têm mais facilidade em corrigir seu comportamento e se recondicionar ao ambiente.

Por outro lado, a terapia em etologia clínica equina baseia-se em 4 pilares fundamentais. Vamos vê-los abaixo:

  • Enriquecimento ambiental: essencial para evitar o tédio e os problemas dele derivados. Consiste em alterar ou adicionar elementos ao ambiente.
  • Psicoterapia: técnicas reais de modificação do comportamento, como habituação ou contracondicionamento.
  • Psicofármacos: às vezes são usados como tratamento de suporte em casos muito graves. Alguns exemplos são antidepressivos, tratamentos hormonais ou ansiolíticos.
  • Cirurgias: a castração é a mais comum. Alguns cavalos moderam seu comportamento dessa maneira, permitindo que seu humano e terapeuta lidem com segurança.
Você conhece os sinais mais comuns da doença em cavalos?

Um cavalo que vive livre ou em condições decentes não costuma desenvolver problemas comportamentais. Por esta razão, parte da terapia do animal será melhorar os aspectos de seus cuidados que estão causando sofrimento. De nada serve fazer terapia se mais tarde o animal voltar a viver num cubículo. O seu bem-estar nunca deve ser esquecido.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Luna Blasio, A., & Sanabria Cera, S. Etología y bienestar animal.
  • Vallejo, R. G., & Talegón, M. I. El dolor como causa de problemas de comportamiento en caballos.
  • Hernández, D. A., & Roa, F. (2019). ADIESTRAMIENTO ETOLÓGICO DEL CABALLO. REVISTA FAGROPEC, 79.
  • Quiroga Ayala, M. (2013). Comportamientos anormales en caballos estabulados.

Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.