Europa continua querendo espécies exóticas

· fevereiro 5, 2019
No decorrer de seis semanas de 2017, foram colocadas à venda 11,7 mil espécies selvagens em perigo de extinção. 

As espécies exóticas continuam no auge, apesar das recomendações dos profissionais. Além disso, a internet tem incentivado esse mercado que, junto com a venda de itens como marfim, peles ou escamas, engloba o comércio de espécies silvestres.

A venda de espécies exóticas pela internet

Estas são algumas das conclusões do último relatório elaborado pelo Fundo Internacional para o Bem-Estar Animal, que analisou o comércio de espécies exóticas e da vida selvagem na Europa através da internet.

O relatório analisou o comércio de várias espécies protegidas pela Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Fauna e da Flora Selvagens Ameaçadas de Extinção (CITES), além de seu comércio em países como o Reino Unido, a França e a Alemanha.

As conclusões são alarmantes: em 2002, havia 11,7 mil exemplares de espécies exóticas e selvagens ameaçadas de extinção à venda, através de mais de cinco mil anúncios, movimentando mais de três milhões de euros.

Quais animais são comprados?

Os répteis têm sido as espécies exóticas mais vendidas, especialmente as tartarugas. Depois deles, vêm as aves, sobretudo os papagaios. Depois deles, o marfim, infelizmente, ainda tem seu mercado na Europa.

tigre em cativeiro

No entanto, espécies maiores também foram detectadas: elefantes, grandes felinos, ursos, rinocerontes e macacos são alguns dos mamíferos que continuam a ser vendidos e comprados na Europa, muitos dos quais, de forma ilegal.

Os dados são assustadores, especialmente considerando que 80% desses animais estavam vivos, então seu objetivo era abastecer o mercado de espécies exóticas.

Vale enfatizar que a proporção de animais perigosos em casas continua escandalosa, e há muito mais tigres em jardins privados do que em zoológicos, por exemplo.

É especialmente preocupante que anúncios de espécies exóticas à venda comecem a inundar redes sociais, um lugar onde é muito mais complicado estudar esse fenômeno.

Por que a venda de certas espécies é um problema?

Embora muitas espécies exóticas sejam perfeitamente legais como animais de estimação, muitas delas não são e continuam a ser vendidas pela internet, de forma obscura.

Em muitas ocasiões, quando compramos animais online, não sabemos sua origem e podemos estar comprando exemplares ilegais, por isso, devemos ser muito cautelosos.

Devemos nos lembrar que espécies exóticas são animais de estimação complicados; exemplos como o do suricato mostram que muitos animais de estimação que são legais não são adequados como animais de estimação e acabam abandonados.

suricatos

É por isso que a compra de espécies exóticas deve ser realizada por meio de conselhos de profissionais que sabem qual a complexidade no cuidado de cada espécie e que podem ser adaptados ao nosso modo de vida.

Também, cabe destacar que muitas dessas espécies são animais silvestres e que o tráfico ilegal está ameaçando a natureza. Portanto, a compra de espécies exóticas deve ser bem pensada e responsável.

Além disso, o abandono desses animais muitas vezes leva ao surgimento de espécies invasoras que atacam os ecossistemas, por isso é de vital importância lutar contra esse fenômeno, a cada dia de maior relevância.

Quais animais não são exóticos?

Infelizmente, há pouca legislação sobre animais de estimação exóticos, e atualmente qualquer um pode ter um zoológico em seu jardim, se tiver dinheiro.

Mas, na verdade, são poucas as especies que podem ser animais de estimação. Em alguns países da Europa, apenas 20 espécies exóticas são legais, enquanto em outras, como a Espanha, apenas espécies invasoras são proibidas.

O que está claro é que ter um animal de estimação é uma responsabilidade e, dada a legislação atual, devemos nos lembrar que é nosso dever escolher animais domésticos, ou espécies exóticas que são simples de cuidar e que vivem bem em cativeiro.