O galah: habitat e características

O galah é uma cacatua de cor uma rosada muito marcante. Como todas as aves desse tipo, possui características físicas e comportamentais surpreendentes que vale a pena conhecer.
O galah: habitat e características

Última atualização: 25 Junho, 2021

Você sabia que existe uma cacatua rosa? A natureza nos surpreende constantemente com sua paleta de cores, e essa ave apresenta incríveis tons vivos de rosa e cinza. Esse psitacídeo é o mais comum entre as cacatuas na Austrália e uma das poucas espécies nativas que prosperou após a conquista europeia.

“Galah” é um nome aborígene, proveniente de Yuwaalaraay, a língua falada pelos nativos no que hoje é o estado de Nova Gales do Sul, na Austrália. Com o tempo, essa denominação foi adaptada para o inglês australiano.

Curiosamente, em inglês a palavra que designa essa ave também é usada como uma gíria que significa “palhaço” ou “tonto”, derivada das piruetas e do comportamento engraçado dessas aves. Aqui você poderá aprender mais sobre essa cacatua única.

Onde o galah vive?

Existem várias subespécies dessa ave (Eolophus roseicapilla). No entanto, são todas muito semelhantes e habitam todo o território da Austrália, até mesmo em parques urbanos.

A maioria dessas aves passa seus dias refugiada em árvores ou arbustos, mas quando chega a noite, elas se reúnem em grandes bandos barulhentos. Os especialistas afirmam que é comum vê-las cobrindo uma árvore quase por completo. Também é comum observá-las forrageando nas pastagens, enquanto se alimentam de sementes.

Além disso, há registro de que essas aves são encontradas em um país vizinho da Austrália: a Nova Zelândia. De qualquer modo, estima-se que a população nessa área seja, aproximadamente, de 100 indivíduos, por isso está bem localizada.

Em alguns quintais

Muitos desses psitacídeos também podem ser encontrados nos quintais de australianos e neozelandeses como animais de estimação. O galah é uma ave excelente na imitação de vozes e sons, o que a torna muito popular como animal de estimação, além de suas cores atraentes e sua personalidade divertida.

Em liberdade, essas aves vivem cerca de 25 anos, mas em cativeiro podem viver até 80 anos, de acordo com as fontes citadas. Assim como o resto dos psitacídeos, é uma ave muito longeva.

 

Um galah no quintal de uma casa.

Características físicas

Essa curiosa ave atinge cerca de 36 centímetros e pesa entre 270 e 350 gramas. É uma cacatua pequena, com as penas do pescoço, do peito e sob as asas de um rosa brilhante. Tem uma crista cefálica com penas rosas e seu dorso, sua cauda e suas asas superiores são cinza-claro.

A plumagem de machos e fêmeas é muito semelhante. Porém, para diferenciá-los, basta observar seus olhos: os machos têm olhos castanhos-escuros ou pretos, enquanto as fêmeas têm olhos rosa ou vermelhos.

Como os galahs se comportam?

São aves gregárias. Essas cacatuas vivem em grandes bandos de até 1000 espécimes, de acordo com o zoológico de Los Angeles. Esses bandos são formados por casais e pequenos grupos sociais, que se reúnem para se alimentar e descansar. Quando chega o anoitecer, elas fazem acrobacias antes de dormir, voando rapidamente para dentro e para fora das árvores, mergulhando em direção ao solo e gritando bem alto.

Um macho e uma fêmea de galah formam casais que duram a vida toda. Por isso, passam a maior parte do tempo em dupla, comendo, limpando e brincando juntos. São animais muito sociáveis e afetuosos.

Os casais de galahs retornam ao mesmo local de nidificação todos os anos e o defendem de outros casais de sua espécie ou de espécies diferentes. Uma vez no local de escolha, preparam o ninho para os ovos, cobrindo-o com folhas de eucalipto. Para comunicar aos outros galahs que essa casa está ocupada, eles mastigam a maior parte de um galho perto do ninho.

Sua alimentação e reprodução

Durante o cortejo, o macho ergue sua crista de penas, move a cabeça de um lado para o outro e avança ao longo de um galho em direção à fêmea, emitindo sons baixos. Uma vez ocorrida a cópula, os ninhos são feitos no buraco de uma árvore, normalmente formado por cupins. Machos e fêmeas incubam os ovos e alimentam os filhotes.

A fêmea põe de 4 a 6 ovos, mas infelizmente apenas metade sobrevive em média. Quando os jovens galahs estão prontos para deixar o ninho, os pais continuam a cuidar deles por cerca de 6 a 8 semanas, mas depois eles se tornam independentes.

Como se alimentam de sementes, gramíneas e ervas, é muito comum avistar essas aves no solo, o que as deixa vulneráveis a alguns predadores, como as raposas. A vantagem é que elas se alimentam em grandes bandos, onde sempre há vários guardas que avisam quando o perigo se aproxima. Os galahs não são escandalosos por prazer, mas por sobrevivência.

Subespécies de galah

Estudos afirmam que ainda existem algumas discrepâncias em relação ao status do gênero do galah, podendo ser classificados sob os critérios taxonômicos Eolophus e Cacatua . No entanto, existem 3 subespécies de Eolophus roseicapilla, todas muito semelhantes entre si. São as seguintes:

  • Eolophus roseicapilla roseicapillus: é a subespécie mais comum na avicultura e na natureza em grande parte da Austrália. É uma ave oriental localizada a leste, nordeste, sul e centro da Austrália e na Tasmânia, onde foi introduzida. Pode ser distinguida porque possui uma crista mais branca do que seus parentes e um anel rosa ao redor dos olhos que são castanhos ou pretos.
  • Eolophus roseicapilla assimilis ou E. r. albiceps: encontradas em grande parte da Austrália Ocidental, podem ser diferenciadas por apresentarem uma cor mais pálida no corpo e uma crista rosa maior. O anel ao redor dos olhos é quase branco e sua cabeça é maior do que a de seus parentes.
  • Eolophus roseicapilla kuhli: essa subespécie é encontrada na parte norte do oeste da Austrália. É menor e de cor mais clara do que as outras duas subespécies. Sua cabeça é menor, tem uma crista rosa e o anel ao redor dos olhos é de cor avermelhada.

Doenças do galah

As cacatuas são aves robustas e resistentes. No entanto, existem várias doenças infecciosas e não infecciosas às quais os galahs e outras cacatuas em geral são suscetíveis. Algumas delas são:

  • Doenças virais: a gripe aviária (vírus influenza A) ou gripe das aves é extremamente comum nesse grupo.
  • Poliomavírus aviário: um vírus de DNA de fita dupla que representa uma grande ameaça para aves enjauladas.
  • Febre dos papagaios: é conhecida como psitacose no âmbito veterinário. É transmissível aos humanos, por isso é uma doença zoonótica que deve ser levada em consideração em termos sanitários.
  • Infecções bacterianas.
  • Candidíase: vários tipos de fungos podem causar quadros de candidíase, especialmente Candida albicans. Um dos primeiros sinais clínicos da ave afetada é o estômago lesionado com uma película esbranquiçada.

Quais são suas ameaças e seu estado de conservação?

Seu atual estado de conservação não é preocupante e sua população está aumentando. Estima-se que existam cerca de 5 milhões de galahs em todo o mundo. São aves benéficas em seus ecossistemas nativos, impedindo a propagação de algumas ervas daninhas, mas em grande parte da Austrália são vistos como uma praga, devido ao seu potencial de destruição.

As safras de cereais sofrem grandes perdas todos os anos e frequentemente essas aves destroem as árvores onde vivem. As causas mais frequentes de morte dos galahs são atropelamentos, ataques de gatos e tiros de fazendeiros, segundo estudos.

 

Um casal de galah

Os galahs se adaptaram com sucesso às áreas suburbanas, devido à abundância de água e sementes disponíveis em parques, fazendas e quintais em toda a Austrália. No entanto, a urbanização e a extração de madeira são suas ameaças atualmente, pois a perda de árvores grandes dificulta para essas aves o estabelecimento de locais permanentes de nidificação.

Pode interessar a você...
O reaparecimento da abelha australiana que se acreditava estar extinta
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
O reaparecimento da abelha australiana que se acreditava estar extinta

O reaparecimento da abelha australiana que se acreditava estar extinta há um século despertou um alerta sobre a conservação das espécies.